Campanha de vacinação nos EUA avança muito mais lentamente que o esperado

Administração Trump se comprometeu a encerrar o ano com 20 milhões de vacinados, mas a cifra mal supera 2,5 milhões

A médica Alhan Fadiani administra uma vacina da Pfizer-BioNTech contra a covid-19 ao veterano de guerra Dominic Pitella em Chelsea, Massachusetts.
A médica Alhan Fadiani administra uma vacina da Pfizer-BioNTech contra a covid-19 ao veterano de guerra Dominic Pitella em Chelsea, Massachusetts.JESSICA RINALDI / POOL (EFE)
Mais informações

Duas semanas depois do início da campanha de vacinação maciça contra o coronavírus nos Estados Unidos, as autoridades reconheceram nesta quarta-feira que o processo avança mais lentamente do que o previsto. Foram despachadas até agora mais de 14 milhões de doses das vacinas dos laboratórios Pfizer-BioNTech e Moderna, mas pouco mais de 2,5 milhões de cidadãos começaram o tratamento, segundo os últimos dados dos Centros para o Controle e Prevenção de Doenças de Atlanta (CDC, principal instituição de saúde pública dos EUA). A meta mais conservadora da Administração de Donald Trump estimava que até o final de dezembro 20 milhões de pessoas teriam sido vacinadas. O presidente-eleito do país, Joe Biden, criticou o atraso e alertou que nesse ritmo proteger toda a população “levará anos, não meses”.

Os Estados Unidos são o país mais afetado pela pandemia, com 343.000 mortes. Dezembro foi o mês mais mortífero desde o início da crise sanitária, com mais de 63.000 óbitos nos 26 primeiros dias, quase o dobro do registrado em novembro. Um dos fatores que explicam a lenta distribuição da vacina é que cada Estado decide como cadastrar e priorizar seus habitantes, como preparar os centros de imunização e como arregimentar os profissionais necessários. Alguns hospitais a oferecem a médicos e outros grupos prioritários por ordem alfabética, e outros utilizam sistemas mais complexos. Também há Estados, como Maryland, onde o conselho de medicina local advertiu que os departamentos de saúde “ainda não anunciaram um calendário ou detalhes” do processo de vacinação.

Trump ressaltou nesta quarta-feira a responsabilidade das autoridades estaduais na distribuição das vacinas, uma vez que o Governo federal as teria distribuído aos centros designados pelos Estados. Mas os governadores se queixam de que não contam com recursos federais suficientes para enfrentar a gigantesca operação, enquanto os funcionários dos departamentos estaduais de saúde continuam tendo de lidar com a descontrolada onda de novos casos, que já beiram os 20 milhões em todo o país. O pacote de recursos assinado pelo presidente norte-americano no domingo passado inclui oito bilhões de dólares (41,5 bilhões de reais) para reforçar a distribuição das vacinas. Esta quantia se soma ao orçamento de 18 milhões destinado a fabricar e enviar as vacinas aos pontos de distribuição.

O general Gustave Perna, responsável pela logística da Operação Warp Speed, o programa da Administração Trump para fazer frente à pandemia, atribuiu nesta quarta-feira o atraso aos feriados do fim de ano e a três tempestades de neve que açoitaram algumas áreas do país. Perna observou que apenas 14 dos 50 Estados começaram na semana passada a vacinar em asilos para idosos, os focos mais afetados pela pandemia. Espera-se que outros 13 façam o mesmo esta semana. O país enfrenta também o desafio de distribuir a segunda dose necessária da vacina.

A cifra de vacinados crescerá grandemente “quando começarmos a ver as drogarias CVS e Walgreens distribuírem as vacinas nos asilos”, disse Claire Hannan, diretora da Associação de Administradores de Imunização. Nas próximas semanas, novas vacinas poderiam estar disponíveis, incluída a de dose única desenvolvida pela Johnson & Johnson. As autoridades disseram estimar que em abril os grupos que não são considerados de risco poderão começar a ter acesso à vacina.

Na terça-feira, Biden se comprometeu a administrar 100 milhões de doses nos 100 primeiros dias de seu mandato, o suficiente para 50 milhões de pessoas, levando-se em conta que necessitam de duas injeções para ser efetivas. O presidente-eleito disse que aplicaria a Lei de Produção de Defesa para “ordenar à indústria privada que acelere a fabricação dos materiais necessários para as vacinas, assim como os equipamentos de proteção”. A Administração Trump já lançou mão desta normativa para acelerar a fabricação. O democrata não deu detalhes de como seu plano vai se diferenciar da iniciativa do atual Governo.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: