Trump concede indulto a 20 pessoas, entre eles dois condenados no caso de elo com a Rússia na eleição

Presidente dos EUA perdoa também quatro prestadores de serviços culpados de uma chacina de civis em Bagdá em 2007

George Papadopoulos, ex-assessor de Trump, em uma imagem de arquivo.
George Papadopoulos, ex-assessor de Trump, em uma imagem de arquivo.Carolyn Kaster (AP)

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, indultou nesta terça-feira 20 condenados, entre eles duas pessoas de seu entorno consideradas culpadas na investigação sobre os vínculos de sua campanha eleitoral com a Rússia, quatro prestadores de serviços da empresa militar privada Blackwater, condenados por uma chacina de civis em Bagdá em 2007, e três ex-parlamentares republicanos que cumprem pena por corrupção.

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

Mais informações

Com o indulto a George Papadopoulos, de 33 anos, que se declarou culpado em 2017 de mentir ao FBI sobre suas negociações com agentes russos que estão na origem da investigação da trama russa, e que passou 12 dias na prisão, o presidente arremete novamente contra as investigações do promotor especial Robert Mueller, cuja sombra marcou parte do mandato de Trump. Também indulta Alex van der Zwaan, 36 anos, condenado a 30 dias de prisão e ao pagamento de uma multa de 20.000 dólares (103.200 reais), no âmbito da mesma investigação. Mueller não encontrou indícios para acusar Trump de conspiração com a Rússia, mas constatou uma ingerência maciça de Moscou na campanha de 2016 e apresentou acusações contra meia dúzia de pessoas do entorno do presidente. “O perdão de hoje ajuda a corrigir o mal que a equipe de Mueller infligiu a tanta gente”, afirmou a Casa Branca.

Ambos os indultos, segundo pessoas do entorno do presidente citadas pelo The New York Times, Trump se dispõe a conceder o perdão também a outros condenados na investigação. No mês passado, o presidente —que deixa o cargo em 20 de janeiro —indultou o ex-assessor de Segurança Nacional, Michael Flynn, que se declarou culpado duas vezes de mentir ao FBI na mesma investigação, e antes tinha comutado a sentença imposta a seu colaborador Roger Stone, livrando-o de uma iminente pena de prisão.

Outra parte do grupo de indultos anunciados nesta terça-feira é composta por quatro prestadores de serviços do Governo, funcionários da empresa Blackwater, condenados pela morte de 12 civis em Bagdá, num caso que causou consternação internacional e um debate sobre a mobilização de militares terceirizados em zonas de guerra. Os quatro indultados, Nicholas Slatten, Paul Slough, Evan Liberty e Dustin Heard, mandados pela Blackwater ao Iraque em 2007, tinham recebido severas penas, inclusive de prisão perpétua em um dos casos.

Os ex-parlamentares indultados são Duncan Hunter, Chris Collins e Steve Stockman. O primeiro, deputado pela Califórnia, declarou-se culpado em 2019 por desvio de verbas de campanha num valor superior a 200.000 dólares (206.400 reais). Condenado a 11 meses de prisão e três anos de liberdade condicional, nunca chegou a pisar numa penitenciária. Não foi o caso de Collins, ex-deputado republicano por Nova York, sentenciado a 26 meses por mentir ao FBI e por fraude. Por último, Steve Stockman, ex-deputado pelo Texas, foi condenado a 10 anos de reclusão por quase uma dúzia de delitos fiscais, entre eles fraude, lavagem de dinheiro e malversação de recursos benéficos. Neste caso, a Casa Branca explicou em seu comunicado que a idade do político, de 64 anos, foi o principal motivo para liberá-lo da prisão onde está há dois anos, já que “seu estado de saúde corre o risco de piorar durante a pandemia do coronavírus”, doença que já contraiu na prisão, segundo o texto.

Entre os perdoados, entretanto, não figura por enquanto nenhum dos colaboradores mais próximos de Trump. Esta rodada pré-natalina de indultos não será, segundo os especialistas, a última concedida por Donald Trump antes de deixar a Casa Branca, em menos de um mês.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: