Mundo global

Cristãos, voltem: muçulmanos recuperam uma igreja profanada pelo Estado Islâmico

Voluntários de Mossul, a terceira maior cidade do Iraque, ajudam a reconstruir um templo católico para apagar os vestígios de brutalidade terrorista

Grupo de voluntários trabalha para limpar a igreja de São Tomás em Mosul (Iraque), profanada pelo Estado Islâmico.
Grupo de voluntários trabalha para limpar a igreja de São Tomás em Mosul (Iraque), profanada pelo Estado Islâmico.Reuters

Mais informações

A imagem que projetam é poderosa: jovens muçulmanos ajudando a limpar os escombros e limpar uma igreja profanada pelo Estado Islâmico. Eles são voluntários de Sawaed al Museliya, um grupo de ativistas de Mossul que tenta apagar os rastros dos jihadistas na cidade, incluindo os locais de culto daqueles que não professam sua fé. A mensagem de inclusão busca encorajar o retorno dos cristãos que, como outras minorias religiosas, fugiram quando aqueles bárbaros tomaram a capital do norte do Iraque em 2014.

“Queremos dizer [aos cristãos]: voltem, Mossul não está completa sem vocês”, disse Mohammed Essam, um dos cofundadores do grupo, à AsiaNews, agência de notícias oficial do Pontifício Instituto para Missões Estrangeiras, que revelou seu trabalho na igreja de São Tomás (católica de rito siríaco) no início deste mês.

Desde a libertação da cidade, Sawaed al Museliya (um nome que poderia ser traduzido como “Ajudantes de Mossul”) prestou serviços comunitários, incluindo ajuda alimentar de emergência, e levantou fundos para a reconstrução das casas dos mais desfavorecidos. O fato de eles terem incluído vários templos cristãos entre os edifícios históricos que restauraram visa a curar as feridas abertas pelos seguidores do autodenominado Estado Islâmico.

Os jihadistas instalaram na terceira cidade do Iraque um regime de terror que deixou milhares de mortos e forçou dois terços de seus 1,8 milhão de habitantes a fugir de suas casas. As minorias (cristãos, yazidis, mandeus ou muçulmanos xiitas) foram desproporcionalmente mais afetadas. Muitos encontraram refúgio na região autônoma vizinha do Curdistão. Em sua tentativa de apagar a história multicultural da área, os seguidores vandalizaram vários locais de culto, incluindo o santuário do profeta Jonas, bem como sítios arqueológicos romanos e assírios. Em 2016, um vídeo sinistro deu a volta ao mundo mostrando estátuas e baixos-relevos sendo reduzidos a escombros em Nínive e no Museu de Mossul.

Santo Tomás, que data de meados do século XIX, foi saqueado no verão de 2014, no início do regime que os jihadistas descreveram como “califado”. Quando o Exército iraquiano, auxiliado por uma coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos, conseguiu expulsá-los de Mosul três anos e meio depois, o prédio ameaçava desabar. Os voluntários que se empenham em apagar a pichação que proclama a “terra do califado” esperam que ela se torne um símbolo do renascimento da cidade e estimule o retorno daqueles que fugiram da violência confessional.

Até agora, apenas 50 famílias cristãs voltaram a Mosul, ainda muito longe dos 45.000 cristãos que viviam na cidade até a demolição de Saddam Hussein em 2003.

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

Arquivado Em:

Mais informações

Pode te interessar

O mais visto em ...

Top 50