_
_
_
_
_

Recontagem manual de votos na Geórgia confirma a vitória de Biden

Em mudança de estratégia, Trump deixa de discutir os resultados e agora tenta manipular a eleição no Colégio Eleitoral, que votará em 14 de dezembro

Funcionários eleitorais da Geórgia durante a recontagem de votos desta semana em Atlanta.
Funcionários eleitorais da Geórgia durante a recontagem de votos desta semana em Atlanta.Megan Varner (AFP)

A possibilidade de contestar a realidade dos resultados eleitorais dos Estados Unidos terminou de desaparecer para Donald Trump nesta quinta-feira, quando o Estado da Geórgia anunciou, após uma recontagem manual de todos os votos, a mesma conclusão de uma semana atrás: que Joe Biden ganhou. A Geórgia é o Estado onde a vitória de Biden foi mais apertada (0,2 ponto percentual) e onde a campanha de Trump depositava suas esperanças de comprovar discrepâncias ou erros na apuração. Feita a recontagem, a vantagem de Biden foi praticamente a mesma.

Mais informações
President Donald Trump listens during an event on the coronavirus in the Rose Garden of the White House, Friday, Nov. 13, 2020, in Washington. (AP Photo/Evan Vucci)
A vitória de Biden explicada: poucos eleitores definiram a presidência de um país dividido
FILE - In this May 22, 2019, file photo, Christopher Krebs, director of the Cybersecurity and Infrastructure Security Agency, testifies on Capitol Hill in Washington. President Donald Trump on Tuesday, Nov. 17, 2020, fired Krebs, the director of the federal agency that vouched for the reliability of the 2020 election. Trump fired Krebs in a tweet, saying his recent statement defending the security of the election was “highly inaccurate.”  (AP Photo/Carolyn Kaster, File)
Trump demite diretor de segurança cibernética por desmentir suas acusações de fraude eleitoral
Arlington (United States), 11/11/2020.- US President Donald J. Trump and First lady Melania Trump (not pictured) participate in a National Veterans Day Observance at Arlington National Cemetery in Arlington, Virginia, USA, 11 November 2020. This is the first public appearance of Trump since 07 November when major news networks projected that he lost the 2020 Presidential elections. (Elecciones, Estados Unidos) EFE/EPA/Chris Kleponis / POOL
Nenhum rastro de fraude nas eleições presidenciais dos Estados Unidos

A lei eleitoral da Geórgia não exige uma recontagem obrigatória, mas permite que ela ocorra a pedido de uma das partes se a margem do resultado for inferior a meio ponto percentual. Biden venceu no Estado sulista por pouco mais de 12.000 votos, de um total de quase cinco milhões. Desde que os veículos de comunicação declararam a vitória de Biden na Geórgia, no dia 7, o secretário de Estado (a autoridade eleitoral) local, o republicano Brad Raffensperger, se viu no meio de uma tempestade de conspirações e denúncias sobre a limpeza do escrutínio.

Diante da inédita pressão do presidente dos Estados Unidos, das acusações de fraude e dos ataques ao seu profissionalismo por parte inclusive dos dois senadores republicanos do Estado, Raffensperger propôs uma auditoria manual de todos os votos da Geórgia, centrada na eleição presidencial. O encarregado eleitoral exigiu do seu próprio partido que deixe de estimular teorias conspiratórias e de lançar dúvidas sobre seu profissionalismo.

Os funcionários e voluntários da Geórgia recontaram manualmente os cinco milhões de votos em apenas 10 dias, bem a tempo para o fim do prazo, que ia até a meia-noite da quarta-feira. Nesta quinta, Raffensperger publicou um comunicado anunciando que a “histórica recontagem” (nunca havia sido feita no Estado) “reafirma o resultado original produzido pela apuração das cédulas feita por máquinas”. A recontagem encontrou erros mínimos, como já previam os especialistas. Por exemplo, foram localizados 5.800 votos que não haviam sido apurados. Mas o resultado final variou em apenas 0,1053% ponto percentual, cerca de 1.400 votos em favor de Trump, segundo o relatório. Entre todos os condados, a maior margem de erro encontrada foi de 0,73 ponto percentual.

Por lei, a Geórgia precisa certificar definitivamente seus resultados eleitorais nesta sexta-feira. Outros Estados-chaves onde Trump perdeu a eleição farão o mesmo ao longo da semana que vem, e, embora o dano à credibilidade do processo já tenha sido causado, terá se encerrado então a possibilidade de contestar legalmente esses resultados.

Pouco depois do anúncio do resultado, a campanha de Trump emitiu um comunicado desprezando a recontagem da Geórgia. “Esta suposta recontagem a mão terminou como se esperava, porque simplesmente voltaram a contar os votos ilegais que estavam já incluídos no total”, disse um autointitulado “assessor jurídico” da campanha.

O advogado de Donald Trump, Rudy Giuliani.
O advogado de Donald Trump, Rudy Giuliani. Europa press (ROD LAMKEY - CNP / ZUMA PRESS / )

À medida que ia se tornando mais evidente que não há nenhuma forma de provar erros ou fraudes nos resultados das urnas, uma equipe jurídica a serviço do presidente e capitaneada por Rudy Giuliani concedeu uma nova entrevista coletiva nesta quinta-feira, alegando coisas como que o software de apuração alterou milhões de votos de Trump para Biden, e que tudo isso tinha origem em uma conspiração vinculada à Venezuela.

Enquanto os Estados Unidos contemplavam atônitos à coletiva de Giuliani, em que gotas de tintura capilar escorriam por suas têmporas, a Casa Branca punha em marcha um novo passo em sua estratégia de deslegitimar a eleição, este potencialmente mais nocivo por suas implicações políticas. Trump convidou os dois líderes republicanos no Legislativo de Michigan para uma reunião na Casa Branca nesta sexta-feira. De acordo com a Reuters e o The New York Times, ele pretende pressionar diretamente os legisladores republicanos, que têm maioria em um Estado com governadora democrata, para subverter o resultado das eleições.

Os Estados votam no presidente através de uma lista de “eleitores” que se reúnem no Colégio Eleitoral. De acordo com o resultado, Biden tem 306 desses eleitores, e Trump, 232. O republicano parece apostar na ideia de que os resultados não sejam certificados e que caiba ao Legislativo apresentar sua própria lista. Já conseguiu em parte o primeiro passo, quando dois membros republicanos da junta de certificação dos resultados em Michigan se negaram a assinar os resultados. Trump convocou pessoalmente pelo menos um deles.

Ou seja, Trump parece estar explorando a possibilidade de que os legisladores republicanos de Michigan subvertam o voto de seus cidadãos e apresentem eleitores que votem nele. Embora seja uma teoria muito difícil de pôr em prática, já que essas listas têm de passar pelo filtro dos governadores e da Câmara de Representantes, trata-se de um inédito ataque ao processo eleitoral, partindo de ninguém menos que o presidente dos Estados Unidos.

O prazo para a resolução de qualquer disputa em torno das listas eleitorais termina em 8 de dezembro. O Colégio Eleitoral se reunirá no dia 14 para escolher Joe Biden presidente do país, e o democrata tomará posse em 20 de janeiro.

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_