A moderadora Kristen Welker foi a vencedora do último debate entre Trump e Biden

Repórter da NBC na Casa Branca conseguiu pressionar os candidatos e direcionar, desta vez com eficácia, o último confronto direto entre os dois antes da eleição de 3 de novembro

A jornalista Kristen Welker durante o debate mediado por ela na noite desta quinta.
A jornalista Kristen Welker durante o debate mediado por ela na noite desta quinta.JIM BOURG (AP)
Mais informações

A setorista da rede NBC na Casa Branca, Kristen Welker, estava sob pressão. Depois do desastroso primeiro debate presidencial entre Donald Trump e Joe Biden, os olhares se voltavam para a capacidade da moderadora de fazer os candidatos respeitarem as regras, no último confronto direto entre eles antes das eleições de 3 de novembro. A jornalista superou amplamente o objetivo. Não só conseguiu que os aspirantes à Casa Branca comunicassem suas propostas aos telespectadores como também improvisou perguntas, deixou margem às réplicas sem perder o controle e comandou o encontro de forma eficaz. Uma vez acabado, perguntaram a Chris Wallace, moderador do primeiro debate, o que ele achou. “Estou com ciúme”, respondeu o veterano da Fox News.

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

Welker, de 44 anos, tornou-se nesta quinta-feira a segunda afro-americana a moderar um debate presidencial na história dos Estados Unidos. Antes do encontro, Trump a havia criticado publicamente. Descreveu-a como uma jornalista “terrível” e “parcial” e afirmou —falsamente— que ela tinha apagado sua conta no Twitter para ocultar mensagens que comprometiam sua objetividade. Entretanto, durante uma hora e meia de confronto, a moderadora não deu margem a julgamentos sobre seu profissionalismo. O mandatário inclusive a cumprimentou ao vivo: “Até agora, respeito muito a forma como está dirigindo isto, devo dizer”. E o Twitter concordou com o mandatário. Transformada em trending topic, tudo eram elogios à jornalista.

Um fator que contribuiu para que Welker pudesse fazer seu trabalho foi que a Comissão de Debates decidiu que neste encontro os candidatos teriam seus microfones silenciados quando não estivessem fazendo uso da palavra, evitando assim as interrupções e réplicas indevidas durante a exposição inicial de cada bloco temático, de dois minutos para cada aspirante. Trump desqualificou a medida quando foi anunciada, no começo da semana, afirmando que era “uma coisa de loucos” e que não havia “nada justo” na forma como o debate foi planejado. Pairavam dúvidas sobre se o presidente cumpriria as exigências, e em grande parte as cumpriu.

A moderadora sabia bem quem ela tinha pela frente. Durante sua carreira, cobriu a Administração de Barack Obama com Biden como vice-presidente e está há quase quatro anos fazendo o mesmo no Governo de Trump. Walker entrou para a NBC News em 2010, depois de trabalhar por cinco anos como repórter e apresentadora no canal WCAU, da sua cidade natal, Filadélfia (Pensilvânia). Depois de uma breve passagem pela sucursal de Los Angeles, em 2011 se tornou setorista da Casa Branca, onde continua. No começo deste ano, passou a ser uma das apresentadoras do jornalístico Weekend Today, que vai ao ar aos sábados.


Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: