_
_
_
_
_

Trump chama Biden de “socialista” e o acusa de querer “entregar tudo para Cuba, Venezuela e Nicarágua”

Na Flórida, presidente dos EUA retoma campanha com um grande comício após se curar da covid-19

Donald Trump durante seu comício desta segunda-feira na Flórida.
Donald Trump durante seu comício desta segunda-feira na Flórida.JONATHAN ERNST (Reuters)

Donald Trump voltou exultante aos comícios de campanha nesta segunda-feira, na Flórida, após passar 11 dias virtualmente isolado por ter covid-19. O presidente dos Estados Unidos retomou suas viagens pelo país com uma primeira parada no aeroporto de Sanford, onde uma multidão ― a maioria sem máscara e sem respeitar o distanciamento ― o recebeu com aplausos desde o momento em que o avião presidencial tocou a pista. “É ótimo estar de volta”, afirmou Trump ao subir ao palanque. “Vamos distribuir o que me deram em todos os hospitais”, acrescentou, sobre o tratamento experimental que recebeu para se recuperar, enquanto o público o aclamava.

Apenas uma hora antes do comício, o médico do presidente, Sean Conley, anunciou que Trump tinha dado negativo para o vírus “em dias consecutivos” e confirmou que o presidente já não estava contagioso. Mesmo assim, Trump não apertou mãos durante o encontro com seus seguidores e se limitou a saudá-los à distância à partir de um tablado que impedia o público de se aproximar. “Superei, agora dizem que sou imune. Sinto-me muito poderoso”, afirmou. O presidente norte-americano defendeu sua gestão da pandemia do coronavírus, que já alcançou 7,8 milhões de casos e 214.000 mortes no país, segundo dados da Universidade Johns Hopkins.

Mais informações
Supreme Court nominee Amy Coney Barrett is sworn in during a confirmation hearing before the Senate Judiciary Committee, Monday, Oct. 12, 2020, on Capitol Hill in Washington. (Caroline Brehman/Pool via AP)
Emergência sanitária salta ao centro da batalha pelo Supremo Tribunal dos Estados Unidos
U.S. President Donald Trump, with bandages seen on his hand, takes off his face mask as he comes out on a White House balcony to speak to supporters gathered on the South Lawn for a campaign rally that the White House is calling a "peaceful protest" in Washington, U.S., October 10, 2020. REUTERS/Tom Brenner     TPX IMAGES OF THE DAY  REFILE - ADDITIONAL CAPTION INFORMATION
Covid-19, sequestro de democrata e troca na Suprema Corte. O caos se apodera da campanha nos EUA
SALT LAKE CITY, UTAH - OCTOBER 07: U.S. Vice President Mike Pence participates in the vice presidential debate against Democratic vice presidential nominee Sen. Kamala Harris (D-CA) at the University of Utah on October 7, 2020 in Salt Lake City, Utah. The vice presidential candidates only meet once to debate before the general election on November 3.   Alex Wong/Getty Images/AFP
== FOR NEWSPAPERS, INTERNET, TELCOS & TELEVISION USE ONLY ==
Sobriedade de Pence é um ativo para Trump

A Flórida foi escolhida para a retomada da campanha de Trump por ser decisiva na eleição presidencial ― trata-se do maior dos chamados Estados-pêndulo, com direito a 29 dos 270 votos do Colégio Eleitoral que um candidato necessita para ser eleito presidente em 3 de novembro. “Ganhamos a Flórida na última vez, foi bonito”, recordou Trump sobre o resultado de 2016, quando derrotou Hillary Clinton por uma diferença de 1% dos votos aqui. Desta vez, porém, as pesquisas o colocam atrás do seu oponente o democrata, Joe Biden, com uma distância média de 4%.

Trump escolheu cuidadosamente suas palavras na Flórida para incentivar o eleitorado latino a votar. Cerca de 20% dos votantes da Flórida são hispânicos, a maioria com raízes na Venezuela, Cuba, Colômbia e Porto Rico. Assim, em seu discurso tornou a colocar sobre a mesa argumentos associando Biden ao socialismo. O presidente retomou nos últimos dias o fantasma dos governos autoritários de Cuba e Venezuela e declarou que os democratas procuram instaurar essa forma de Governo nos Estados Unidos. Assim, Trump apela aos grupos conservadores ligados à diáspora venezuelana e cubana, muito presentes neste Estado sulista. “Meu oponente quer entregar tudo a Cuba e aos Castro, e também quer entregar tudo à Nicarágua e à Venezuela”, sentenciou.

O presidente dos EUA e candidato à reeleição, Donald Trump, nesta segunda-feira na Flórida.
O presidente dos EUA e candidato à reeleição, Donald Trump, nesta segunda-feira na Flórida.Evan Vucci (AP)

Sanford, ao norte da cidade de Orlando, tem uma importante população porto-riquenha, por isso Trump também falou aos cidadãos da ilha sobre o respaldo que recebeu na semana passada da governadora de Porto Rico, Wanda Vázquez. Além disso, prometeu trabalhar na reconstrução da indústria farmacêutica da ilha para impulsionar a economia da região. “Sempre vou lutar por Porto Rico”, disse.

Trump não deixou nenhum cabo solto em sua agenda sobre a América Latina e inclusive abordou o assunto da fronteira com o México, apesar de ser um tema que desperta pouco interesse na Flórida. Insistiu em que o México pagará pela construção do muro, do qual apenas alguns quilômetros foram erguidos até agora, e mencionou também a cooperação do Governo mexicano para resguardar a fronteira. “Há 27.000 soldados mexicanos protegendo a fronteira. O México está agindo de forma excelente”, assegurou.

Donald Trump manterá uma intensa agenda de viagens no restante da semana, com comícios programados em Iowa, Pensilvânia e Carolina do Norte, outros Estados cruciais para as eleições que ocorrem daqui a três semanas.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_