Coquetel da Regeneron, o tratamento experimental contra a covid-19 recebido por Donald Trump

Presidente americano é tratado com um coquetel de anticorpos monoclonais. Os primeiros estudos indicam que isso pode ajudar a tratar pacientes com coronavírus na primeira etapa da infecção

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, na chegada, sexta-feira, ao hospital militar Walter Reed.
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, na chegada, sexta-feira, ao hospital militar Walter Reed.JOSHUA ROBERTS (Reuters)

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, está sendo tratado com uma terapia experimental de anticorpos para combater o coronavírus, desenvolvida pela empresa de biotecnologia Regeneron Pharmaceuticals. Especificamente, o presidente americano recebeu sexta-feira uma dose de oito gramas do coquetel de anticorpos monoclonais. Os primeiros estudos sobre esse tratamento indicam que pode ajudar os pacientes a reduzir os níveis do coronavírus no corpo, principalmente quando ministrado na primeira etapa da infecção.

A agência americana de medicamentos (FDA) não autorizou o uso generalizado desse coquetel, chamado de REGN-COV2, mas tem autoridade para permitir seu uso pontual, estudando caso a caso. O diretor executivo da Regeneron, doutor Leonard S. Schleifer, disse ao The New York Times que a equipe médica de Trump tinha solicitado à empresa permissão para usar o medicamento e recebeu autorização da FDA. “Tudo que podemos dizer é que pediram para usá-lo, e ficamos contentes em satisfazê-los”, afirmou Schleifer.

Mais informações

Em geral, os pacientes não têm acesso a tratamentos experimentais, a menos de que façam parte de um ensaio clínico. A Regeneron afirma que seu trabalho está focado em pacientes com infecções graves ou potencialmente letais que não têm outra opção de tratamento viável e não podem participar de um ensaio.

Trump também está tomando vitamina D, zinco, melatonina, aspirina e famotidina (um antiácido), segundo Sean P. Conley, médico da Casa Branca. O nova-iorquino tem 74 anos e pesa 110 quilos, dois fatores que podem agravar seu quadro. O doutor Conley acrescentou que o presidente “completou a infusão sem incidentes” e “continua com fadiga, mas de bom humor”.

Até o final de julho, o líder republicano se negou a usar máscara em eventos públicos e se misturou com multidões na campanha eleitoral em meio à emergência sanitária. Horas antes de Trump anunciar que testou positivo para Covid, ele participou de um evento de arrecadação de fundos em Nova Jersey, onde disse: “O fim da pandemia está à vista”. Os médicos recomendaram que todos os participantes do evento façam o teste. Depois de apresentar febre, congestão nasal e fadiga, Trump foi levado para o Centro Médico Militar Nacional Walter Reed, onde ficará internado durante “alguns dias”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: