Como Ghislaine Maxwell recrutava as vítimas de Epstein

Padrão de conduta da acusada de colaborar com o tráfico sexual era se tornar “amiga” das menores de idade

Na foto, o anúncio das autoridades sobre o caso de Jeffrey Epstein. Em vídeo, a detenção de Ghislaine Maxwell, amiga de Epstein acusada de colaborar em uma trama de pedofilia.
Na foto, o anúncio das autoridades sobre o caso de Jeffrey Epstein. Em vídeo, a detenção de Ghislaine Maxwell, amiga de Epstein acusada de colaborar em uma trama de pedofilia.JASON SZENES (EFE)

Ghislaine Maxwell, de 58 anos, tem duas nacionalidades e três passaportes. Nesta quinta-feira ela foi detida sob a acusação de seis crimes de colaboração com o tráfico sexual. O FBI a considera “um dos vilões” da trama que durante anos permitiu ao bilionário Jeffrey Epstein liderar uma rede piramidal para recrutar e abusar de adolescentes e meninas, segundo a acusação que pesava contra ele e foi arquivada devido ao seu suicídio, há cerca de um ano. Entre 1994 e 1997, segundo a acusação, era Maxwell quem instruía às menores de idade, tirava as roupas diante delas, as olhava quando elas se despiam e, eventualmente, ficava no quarto enquanto Epstein abusava delas. Assim detalha a acusação federal contra ela revelada pelo tribunal distrital sul de Nova York. Seu papel era “normalizar o abuso para uma vítima menor”, segundo a peça acusatória.

Mais informações

Desde que o magnata nova-iorquino apareceu morto em sua cela, quando enfrentava a possibilidade de ser condenado a 45 anos de prisão pelas acusações de tráfico sexual de menores e abuso de dezenas de adolescentes, os pesquisadores perderam a pista de Maxwell. Nesta quinta-feira, um ano depois, encontraram-na escondida em uma casa em New Hampshire. Acusaram-na de incitação a menores para participar de atos sexuais, transporte de menores com finalidades de ato sexual, conspiração e perjúrio.

Segundo a acusação, a “vítima menor número 2” tinha menos de 18 anos quando a levaram ao Novo México a convite de Epstein. Uma vez lá, Maxwell, transformada em uma espécie de cafetina, “preparou-a” para o abuso a ser cometido por seu amigo e ex-namorado, segundo os documentos judiciais. Entre 1994 e 1995, a filha do magnata britânico Robert Maxwell se tornou amiga de uma garota que depois apresentou a Epstein. Incitou-a a fazer massagens no financista, “sabendo que Epstein participaria de atos sexuais com a vítima menor [número] 3 durante essas massagens”.

Uma das vítimas que Maxwell apresentou a Epstein tinha 14 anos. A britânica aparentou interessar-se por ela. Perguntou-lhe sobre sua família e, na companhia do bilionário, a levou a compras e ao cinema. Fizeram-na acreditar que queriam ser seus amigos. Um dia, Maxwell se despiu na frente na menina. Segundo os promotores, este era o padrão de conduta para preparar o terreno antes dos abusos que Epstein cometia em qualquer de suas mansões da Flórida, Novo México, Nova York ou Londres. A suposta aliciadora de menores chegou a participar ativamente de alguns dos abusos sexuais, segundo a acusação.

Um advogado interrogou Maxwell em 2016 como parte de uma investigação contra Epstein. Ela disse desconhecer que seu amigo mantivesse relações sexuais com menores e, sobre se o magnata tinha um plano para recrutar meninas para massagens, ela respondeu: “Não sei do que você está falando”. A procuradora federal interina Audrey Strauss narrou uma história diferente nesta quinta-feira a jornalistas em Manhattan. “Maxwell atraiu meninas menores, fez que confiassem nela e depois as entregou à armadilha que ela e Epstein tinham preparada. Fingiu ser uma mulher em que podiam confiar o tempo todo, enquanto as preparava para que Epstein abusasse delas.”

As dezenas de supostas vítimas de Epstein não puderam vê-lo cumprir sua pena. Enquanto esperava seu julgamento no Centro Correcional Metropolitano no Baixo Manhattan, o homem dos mil contatos apareceu morto em sua cela após se enforcar com um lençol. Gloria Allred, advogada que representa várias das menores e jovens que dizem ter sofrido abusos, afirma que suas clientes só esperam que Maxwell seja responsabilizada pelo que fez.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: