_
_
_
_
_

Comissão Europeia pede reabertura das fronteiras internas da UE a partir de 15 de junho

O órgão executivo da UE quer que viajantes de terceiros países comecem a chegar em 1º de julho. Brasil e demais países onde doença não foi controlada ficam de fora da lista

A comissária para o Interior, Ylva Johansson, durante a coletiva de imprensa em Bruxelas, nesta quinta-feira.
A comissária para o Interior, Ylva Johansson, durante a coletiva de imprensa em Bruxelas, nesta quinta-feira.Delmi Álvarez

A União Europeia se tornou um quebra-cabeça complexo para o viajante nesta fase de desescalada das medidas restritivas. Países como a Itália abriram as fronteiras a todos os cidadãos do espaço Schengen. Outros, como a Áustria, o fizeram apenas para alguns de seus vizinhos. E um terceiro grupo, em que a Espanha está incluída, ainda não removeu as travas para ninguém. A Comissão Europeia, órgão executivo da UE, quer acabar com essa anomalia e acredita que não há razão para esperar mais: “A Comissão incentiva fortemente os países membros que ainda não puseram fim aos controles nas fronteiras internas a que permitam a livre circulação a partir de 15 de junho”, pede o relatório apresentado nesta quinta-feira pela Comissão, em Bruxelas.

Mais informações
A woman wearing a protective mask walks past Rome's Olympic Stadium, the venue where the Euro 2020 tournament was scheduled to start on June 12 before being postponed due to the coronavirus disease (COVID-19) outbreak, in Rome, Italy, June 11, 2020. REUTERS/Guglielmo Mangiapane REFILE - CLARIFYING INFORMATION
AO VIVO | Notícias sobre o coronavírus, os protestos sociais e a crise no Brasil e no mundo
People wearing face masks to protect against coronavirus walk through the subway, with a portrait of Soviet founder Vladimir Lenin in the background, in Moscow, Russia, Wednesday, June 10, 2020. Moscow residents are no longer required to stay at home or obtain electronic passes for traveling around the city. All restrictions on taking walks, using public transportation or driving have been lifted as well. (AP Photo/Pavel Golovkin)
Moscou admite aumento na mortalidade por covid-19 que não aparece nos números oficiais russos
Jerome Powell, presidente de la Fed, en el anuncio sobre los tipos de interés en marzo.
Fed prevê que desemprego nos EUA só cai a menos de 5% em 2023

A Comissária para o Interior, Ylva Johansson, se expressou sem rodeios. “Recomendamos que as fronteiras internas sejam abertas o mais rápido possível”, disse ela, de modo taxativo. No caso de países de fora do bloco, Bruxelas quer que seja elaborada uma lista comum de Estados livres de restrições, e faz um chamado à mobilidade gradual, começando em 1 de julho com os Bálcãs ocidentais (Albânia, Bósnia-Herzegóvina, Kosovo, Montenegro, Macedônia do Norte e Sérvia). A escolha se deve ao vínculo especial com a região, da qual alguns países são candidatos à adesão à UE, mas também por razões de saúde, pois foram golpeados com menos virulência pela Covid-19.

Até o momento, além de ter causado mais de 170.000 mortes entre os quase 1,5 milhão de casos registrados na UE, a pandemia também prejudicou a circulação interna, ao bloquear como nunca antes o livre trânsito, uma das principais conquistas da construção europeia, ao lado da moeda única. A aceleração de Bruxelas, que até agora estava satisfeita com o prazo de 30 de junho, busca restaurar uma normalidade que já havia sido afetada pelas restrições ao espaço Schengen implementadas por alguns países para conter a imigração ou impedir a passagem de terroristas.

A reabertura é endossada pelo Centro Europeu de Controle de Doenças (ECDC), que não vê razão para manter o bloqueio ante a queda abrupta do número de infecções e mortes. "Nos últimos 14 dias, salvo em algumas regiões, a UE registrou menos de 100 novas infecções para cada 100.000 habitantes", argumenta o informe apresentado pela Comissão.

A mensagem se choca com a realidade. Enquanto a Alemanha, a França e Bélgica informaram que em 15 de junho porão fim às restrições, a Espanha, com uma abordagem mais conservadora, nem sequer permite a mobilidade entre suas regiões. Isso complica a retificação do calendário, dado o espaço de tempo tão curto para se adaptar às diretrizes. A Comissão Europeia reconhece que não há consenso nas datas, mas se apoia em uma maioria dos vinte e sete que é a favor de não esperar mais. O órgão Executivo do bloco europeu está ciente de que a coordenação não será simples: “Entendemos que a reabertura na segunda-feira para os países que ainda não a decidiram pode ser complicada e que alguns podem levar uma ou duas semanas a mais”, disse a comissária sueca.

A vice-presidente do Governo espanhol (vice-primeira-ministra), Nadia Calviño, confirmou que recebeu o pedido da Comissão, mas insistiu em que qualquer decisão sobre suspender os controles será baseada em critérios sanitários. Embora o gerenciamento de fronteiras seja uma competência nacional, as recomendações elevam a pressão sobre a Espanha para que não espere tanto tempo, embora exista certa compreensão em relação àqueles que precisam de margem extra. "O mais importante é que abramos completamente as [fronteiras] internas antes dos externas", conclui Johansson.

Para viajantes de países fora da UE, a Comissão estabelece três critérios: uma situação epidemiológica igual ou melhor que a do continente, capacidade de implementar medidas como o distanciamento seguro e outras precauções para evitar contágios no trajeto, e a reciprocidade, ou seja, que eles também permitam o livre trânsito de passageiros europeus. Em 15 de junho expira a proibição de entrada de cidadãos de países de fora, em vigor desde meados de março, e a Comissão propõe que só seja prorrogada por 15 dias, em vez de um mês, como acontecia até agora.

Num contexto de críticas à falta de coordenação no fechamento das fronteiras que se seguiu à disseminação da doença, o Executivo da UE teme que se repitam os erros do passado. E alerta contra a tentação de certos países do bloco de iniciar a reabertura por conta própria, sem esperar os demais. "Os anúncios de alguns Estados membros para levantar restrições sem consultar os outros ameaçam seriamente minar a integridade do espaço Schengen." A Comissão recorda que, quando um cidadão de um terceiro país entra no território comunitário, pode deslocar-se para outros, de modo que a decisão afeta não apenas quem a toma, mas todos.

Os viajantes de países onde a pandemia está longe de ser erradicada, como os latino-americanos, aparecem, de acordo com os critérios anunciados por Bruxelas, como os que terão que esperar mais tempo para entrar novamente na UE. Caso haja surtos que alterem o cenário nos Estados aos quais foi concedida permissão, a solução será recuar. “Se necessário, as restrições de viagem serão reintroduzidas para determinados países de fora da UE caso as condições não sejam mais cumpridas e, em particular, se a situação epidemiológica piorar ou se não houver mais reciprocidade”, estima o texto.

Informações sobre o coronavírus:

- Clique para seguir a cobertura em tempo real, minuto a minuto, da crise da Covid-19;

- O mapa do coronavírus no Brasil e no mundo: assim crescem os casos dia a dia, país por país;

- O que fazer para se proteger? Perguntas e respostas sobre o coronavírus;

- Guia para viver com uma pessoa infectada pelo coronavírus;

- Clique para assinar a newsletter e seguir a cobertura diária.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_