Rússia envia mais navios de guerra à costa síria em plena tensão com a Turquia

Moscou afirma que suas forças não participaram do ataque em que 33 soldados turcos morreram e culpa Ancara por estar onde não deveria

Forças de Damasco na cidade síria de Darbasiyah, perto da fronteira com a Turquia, na segunda-feira.
Forças de Damasco na cidade síria de Darbasiyah, perto da fronteira com a Turquia, na segunda-feira.DELIL SOULEIMAN / AFP

Mais informações

A Rússia reforçou sua presença na costa síria. Moscou enviou dois navios de guerra equipados com mísseis de cruzeiro para as águas da Síria, sua aliada, no Mediterrâneo. As duas fragatas ampliarão o esquadrão naval russo nessa área estratégica em um momento em que as relações com a Turquia estão cada vez mais complicadas. E a tensão se agravou na noite de quinta-feira, depois da morte de 33 soldados turcos em um ataque na região de Idlib, no nordeste da Síria, o último reduto da oposição a Bashar al-Assad após nove anos de conflito. Ancara, que também quer o controle do enclave, acusou as forças do regime sírio e seus aliados russos pelo ataque. Moscou, por sua vez, afirmou que suas tropas não são responsáveis e culpou a Turquia por estar em uma área indevida.

O Ministério da Defesa da Rússia afirmou, em um comunicado, que os soldados turcos mortos no ataque estavam com “grupos terroristas” no destacamento sírio de Behun quando ocorreu o bombardeio por parte das forças de Assad, que tentavam impedir uma ofensiva dos grupos rebeldes −considerados terroristas por Damasco. “De acordo com as coordenadas fornecidas pelo lado turco ao Centro Russo de Reconciliação, não havia nem deveria haver unidades das Forças Armadas turcas na área de Behun”, enfatizou o ministério, acrescentando que “imediatamente após receber informações sobre tropas turcas feridas, as tropas sírias tomaram todas as medidas para um cessar-fogo”. Moscou insistiu em que foi proporcionada uma “evacuação segura” dos mortos e feridos.

No entanto, o ministro turco da Defesa, Hulusi Akar, afirmou que a Rússia tinha informações sobre a localização das tropas turcas na província de Idlib, uma região dominada por grupos jihadistas combatidos por Damasco e Moscou, que os consideram terroristas. “Os ataques contra o Exército ocorreram apesar da troca de coordenadas com a Rússia”, disse Akar, citado pela rede pública de TV turca TRT. “O ataque ocorreu mesmo depois que as coordenadas de nossas unidades foram comunicadas aos funcionários russos presentes no terreno. E continuou apesar de nossas advertências depois do primeiro ataque. Durante os ataques aéreos, as ambulâncias também foram atingidas”, acusou o ministro turco.

Ancara afirmou também que no momento do ataque não havia grupos armados com suas tropas, nem nas proximidades. A Turquia declarou que mais de 200 soldados sírios foram “eliminados” na resposta ao ataque sofrido.

Nesta sexta-feira, um alto funcionário turco afirmou que Ancara não vai mais evitar que refugiados sírios cheguem à Europa. E, segundo várias informações, está abrindo as fronteira com Síria em vários pontos. É uma forma de pressionar a União Europeia, buscando seu apoio ou sua ação, analisa Samuel Ramani, pesquisador da Universidade de Oxford. Para o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, a região de Idlib tem interesse especial devido à sua proximidade a Turquia, pois ele teme que a ofensiva das forças de Assad cause uma nova onda de refugiados para seu território, que já abriga 3,7 milhões de sírios. “Dado que 900.000 pessoas já foram deslocadas internamente desde dezembro em Idlib, um movimento em massa de refugiados através de fronteiras abertas continua sendo uma possibilidade clara, e é algo que a Europa teme bastante”, assinala Ramani por correio eletrônico.

Os 33 mortos de quinta-feira foram o maior número de baixas da Turquia desde que o país interveio pela primeira vez na Síria, em 2016. O ataque se soma a uma grave escalada no conflito direto que as forças sírias −apoiadas pela Rússia− e turcas travam desde o início de fevereiro. Pelo menos 50 soldados morreram desde então.

O ataque de quinta-feira provocou protestos diante da embaixada e dos consulados da Rússia na Turquia. Moscou intensificou, com forças especiais, a segurança de suas representações diplomáticas nesse país, segundo a agência russa Interfax.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, e seu colega turco, que mantêm uma aliança incômoda por seu apoio a lados opostos no conflito sírio, conversaram por telefone nesta sexta-feira sobre o que ocorreu em Idlib, informou o chanceler russo, Serguei Lavrov. Ambos concordaram em “tomar medidas adicionais” no noroeste de Síria e em discutir a realização, num futuro próximo, de uma reunião de cúpula sobre a situação no país. Rússia e Turquia compartilham acordos econômicos, e uma escalada de longo prazo no conflito não interessa a nenhum dos dois países.

A instabilidade da situação preocupa a OTAN, que manteve conversações de emergência nesta sexta-feira a pedido da Turquia. O secretário-geral da Aliança Atlântica, Jens Stoltenberg, disse em um comunicado que a reunião foi realizada nos termos do artigo 4 do tratado de fundação da OTAN, que permite a qualquer aliado solicitar consultas se considerar que sua integridade territorial, independência política ou segurança está ameaçada.

Depois da reunião, em uma entrevista coletiva, Stoltenberg apontou diretamente para Damasco e Moscou e pediu o fim da violência: “Pedimos à Rússia e ao regime de Assad que parem com os ataques aéreos indiscriminados e que apoiem e participem dos esforços liderados pela ONU em busca de uma solução política pacífica para a crise na Síria”.

Esquadrão no Mediterrâneo

A ajuda da Rússia tem sido fundamental para o regime de Assad. Sobre Damasco e seu aliado russo pesam graves acusações de violações de direitos humanos em Síria. E Moscou, que apesar disso atua como mediadora de paz no Oriente Médio, pretende aumentar, a partir de Damasco, sua influência na região. Além disso, segundo analistas, a Rússia espera obter vantajosos acordos energéticos na partilha da futura Síria depois do conflito. A aliança com Assad também deu ao Kremlin sua única base naval no Mediterrâneo, em Tartus. Nesse porto sírio −onde a Rússia espera investir 500 milhões de dólares (2,25 bilhões de reais), conforme anunciou em novembro−, os russos têm espaço para manter até 11 navios de guerra, incluindo os de propulsão nuclear, segundo o acordo de 49 anos de duração firmado em 2017 entre Moscou e Damasco.

No Mediterrâneo opera de forma contínua um esquadrão naval russo, ao qual se unirão agora os dois navios de guerra enviados nesta sexta-feira, Almirante Makarov e Almirante Grigorovich, equipados com mísseis de cruzeiro Kalibre. Um novo desdobramento que Samuel Ramani, especialista em política externa russa, vincula sem dúvida à escalada militar entre Turquia e Síria. “Os navios de guerra da Rússia são para proteger as instalações militares russas, como Tartus e Jmeimim, das represálias turcas. Também enviam uma mensagem simbólica à Turquia de que Moscou está disposta a defender seu aliado Assad contra uma ofensiva turca”, acrescenta o pesquisador da Universidade de Oxford.

O mais visto em ...Top 50