Rússia proíbe entrada de cidadãos chineses em seu território para deter o coronavírus

Moscou, que recebe milhares de cidadãos do país asiático, já ordenou o fechamento das fronteiras terrestres

Trabalhadores na porta de seu escritório em Pequim.
Trabalhadores na porta de seu escritório em Pequim.Kevin Frayer / Getty Images

O impacto no setor de turismo e educação na Rússia pode ser enorme, mas o Governo russo decidiu na terça-feira suspender a entrada de cidadãos chineses no país devido ao coronavírus. A decisão afeta viagens de negócios, estudos, turismo e trabalho. Ou seja, basicamente todas aquelas que não tenham um caráter especial ou diplomático. A Rússia já ordenou o fechamento das fronteiras terrestres com a China na tentativa de conter a epidemia de Covid-19, que matou 1.770 pessoas no país vizinho e infectou mais de 73.000 no mundo inteiro. O veto entra em vigor na próxima quinta-feira, 20 de fevereiro, e não afetará os viajantes em trânsito. Outros países impuseram restrições de viagem e de entrada, mas a decretada pela Rússia é por enquanto a medida mais rigorosa.

Mais informações

O Executivo russo justificou a decisão “devido à deterioração da situação epidemiológica na China e à chegada contínua de cidadãos” daquele país à Rússia, conforme explicou a vice-primeira-ministra Tatiana Golikova, responsável pelo dispositivo especial para estudar e conter o coronavírus. Ela não especificou quanto tempo durará a suspensão, assinada pelo primeiro-ministro Mikhail Mishustin. Somente que é “temporária”.

Em 2019, 2,3 milhões de cidadãos chineses entraram na Rússia, de acordo com dados do Serviço Federal de Fronteiras da Rússia. Destes, 1,5 milhão chegou para fazer turismo. Desde que o Ocidente impôs sanções à Rússia por anexar a península ucraniana da Crimeia, em 2014, Moscou deu uma guinada para a Ásia, apostando em negócios com o gigante asiático. O presidente russo, Vladimir Putin, e seu colega chinês, Xi Jinping, mantêm excelentes relações. Mas isso não impediu a Rússia –que ofereceu a Pequim seus especialistas e meios científicos para combater o vírus– de tomar uma decisão drástica que, além disso, pode afetar sua economia, já prejudicada por sanções e pela queda no preço do petróleo.

No entanto, alguns especialistas russos correram para minimizar a gravidade da medida. Como a União Russa da Indústria de Viagens, que apontou que as viagens procedentes da China já tinham sido reduzidas devido à epidemia.

Entretanto, atualmente não há nenhum caso relatado de Covid-19 em território russo. Duas pessoas de nacionalidade chinesa, que foram detectadas nas regiões de Tyumen e Transbaikalia semanas atrás, já receberam alta. Contudo, cerca de vinte pessoas permanecem em quarentena em hospitais russos, alguns dos quais foram evacuados pelas autoridades russas desde a região de Hubei, o epicentro da epidemia. Outros chegaram por conta própria da China e foram ao hospital quando começaram a se sentir mal. Nenhum testou positivo ao vírus por enquanto.

A medida russa veio quando os números publicados pela Comissão Nacional de Saúde da China apontam para um cauteloso otimismo sobre a evolução da epidemia. Pela primeira vez, na terça-feira, os novos casos caíram de dois mil. O número de infectados fora da província de Hubei cai a cada dia de duas semanas para cá.

Um cálculo do The New York Times estima que, entre os habitantes da China (1,4 bilhão), pelo menos 750 milhões sofrem algum tipo de restrição à liberdade de circulação. Destes, 150 milhões só podem sair de casa com frequência limitada.

Enquanto isso, o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse na terça-feira em uma entrevista coletiva que uma “crise global mais ampla” do novo coronavírus ainda pode ser evitada.

Além do fechamento de seus quase 4.300 quilômetros de fronteiras terrestres com a China (cerca de 16 postos fronteiriços, que permaneceram vigiados e com entradas extremamente restritas), a Rússia reduziu o tráfego aéreo para o gigante asiático no mês passado. Apenas a empresa de bandeira russa Aeroflot e quatro companhias aéreas chinesas foram autorizadas a voar de e para a China. E todos os passageiros que chegam daquele país passam por um terminal específico no aeroporto Sheremetievo, em Moscou, onde escâneres de temperatura estão sendo usados.

O mais visto em ...Top 50