EUA elevam a mais de 100 o número de militares com lesões cerebrais após ataque iraniano

Novo dado, revelado pela Reuters, representa um aumento de quase 50% sobre a última cifra noticiada

Um soldado norte-americano caminha diante de um drone na base aérea de Ain al Assad, no Iraque, em 13 de janeiro.
Um soldado norte-americano caminha diante de um drone na base aérea de Ain al Assad, no Iraque, em 13 de janeiro.AYMAN HENNA / AFP

O Exército dos Estados Unidos deve anunciar oficialmente nesta segunda-feira que mais de cem militares sofreram lesões cerebrais por causa do ataque iraniano de 8 de janeiro contra duas bases aéreas no Iraque onde havia presença de tropas norte-americanas, informaram fontes militares à agência Reuters sob a condição de anonimato. O novo número de afetados representa um aumento de quase 50% sobre último relatório, divulgado no mês passado, quando se soube que 64 soldados haviam sofrido “comoções cerebrais e TBI (lesão cerebral traumática)”, segundo a descrição do Pentágono.

Três semanas atrás, quando o presidente Donald Trump se encontrava no Fórum Econômico Mundial de Davos, se pronunciou sobre as lesões cerebrais: “Ouvi dizer que tinham dores de cabeça e algumas coisas mais”, afirmou. “Mas diria, e posso informar, que não é muito grave”, acrescentou o mandatário. Vários oficiais do Pentágono disseram que não houve nenhuma intenção de minimizar ou reter a informação sobre as novas cifras de vítimas.

Mais informações

O Departamento de Defesa não fez comentários sobre o quinto aumento nas cifras de afetados, mas em 30 de janeiro advertiu que os números iriam crescer. O general Mark Milley, chefe do Estado-Maior Conjunto, revelou então que o aumento se devia a que em algumas ocasiões os sintomas demoram a aparecer, ou os próprios militares esperam um tempo para relatá-los. Os sintomas de lesões desse tipo incluem dores de cabeça, náuseas, tontura e sensibilidade à luz. Dos 64 soldados afetados mencionados no relatório anterior, 39 voltaram ao serviço.

Em meados de janeiro, o Exército dos EUA admitiu que 11 militares ficaram feridos nos ataques iranianos. Uma semana depois, elevou a cifra a mais de 30. Jonathan Hoffman, porta-voz do Pentágono, disse a jornalistas que se tratava de casos de “comoções cerebrais e TBI (lesão cerebral traumática)”, mas não deu mais detalhes. Os ataques iranianos atingiram as bases de Ain al Assad, no oeste do país, e de Erbil, no Curdistão iraquiano. Chegaram como represália à morte do general Qasem Soleimani, comandante da força de elite Al Quds da Guarda Revolucionária iraniana, unidade encarregada das operações no exterior. A resposta iraniana não provocou a morte de nenhum militar dos EUA.

Washington matou o poderoso general em um ataque com drones no aeroporto de Bagdá na madrugada de 3 de janeiro. O Irã ameaçou retaliações desproporcionais, mas não voltou a realizar ataques contra bases onde há presença militar norte-americana. Trump advertiu de que tem 52 locais iranianos como “alvos” e os atacará “muito rápido e muito forte” se Teerã atingir cidadãos ou interesses norte-americanos. Em 10 de janeiro os Estados Unidos impuseram sanções adicionais ao Irã por ordem executiva do presidente, impactado setores cruciais da economia iraniana, como indústria, mineração e produtos têxteis, além de uma série de altos funcionários do regime.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50