Estados Unidos

‘The New York Times’ anuncia apoio às presidenciáveis democratas Elizabeth Warren e Amy Klobuchar

Jornal norte-americano nega estar “se desviando” dos seus valores tradicionais, mas argumentar ser hora de “se abrir a novas ideias”

A pré-candidata Elizabeth Warren.
A pré-candidata Elizabeth Warren.REUTERS

Como é tradição, o conselho editorial do The New York Times anunciou seu apoio explícito à candidatura democrata para as eleições presidenciais de novembro. Neste ano, o jornal norte-americano decidiu respaldar duas pré-candidatas: Elizabeth Warren, senadora por Massachusetts e representante das ideias mais radicais do Partido Democrata, e Amy Klobuchar, senadora por Minnesota, de propostas mais moderadas. “A competição nas primárias democratas frequentemente é retratada como uma briga entre moderados e progressistas, mas a semelhança de suas plataformas em temas fundamentais é surpreendente”, diz um editorial publicado pelo jornal na noite deste domingo, acrescentando que a decisão foi tomada após “entrevistas esclarecedoras” com os principais candidatos.“

A história do conselho editorial sugeriria que estaríamos do lado do candidato com um enfoque mais tradicional para impulsionar a nação adiante (...). Mas os acontecimentos dos últimos anos abalaram a confiança inclusive dos institucionalistas mais comprometidos. Não estamos nos desviando dos valores que abraçamos, mas estamos perplexos com a fragilidade das instituições nas quais confiamos para respaldar esses valores”, afirma o jornal. “Se alguma vez houve um momento de se abrir a novas ideias, esse momento é agora.”

O The New York Times observa que desta vez os norte-americanos não escolherão entre dois modelos para governar o país, e sim três: o republicano, o democrata moderado e o democrata progressista. “Tanto os modelos radicais como os realistas merecem uma séria consideração”, afirma o conselho editorial, que por isso decidiu apoiar as “defensoras mais efetivas” de cada enfoque. O editorial não entra em detalhes sobre as ideias de Warren e Klobuchar, mas destaca que qualquer delas que for indicada representará uma das propostas mais progressistas das últimas décadas em assuntos como economia, atribuições de recursos públicos e saúde pública. “Onde diferem mais significativamente não é no que, mas no como.”

Se por um lado não esmiúça as candidaturas apoiadas, o conselho editorial do NYT dedica quase três parágrafos completos ao socialista Bernie Sanders. O senador por Vermont aparece em segundo lugar na disputa, atrás do ex-vice-presidente Joe Biden, que representa o establishment democrata e não é nem mencionado no artigo. Sobre Sanders, o conselho editorial considera suas ideias são em sua maioria “muito rígidas, não provadas e divisoras” e, afinal, vê “poucas vantagens em substituir uma figura divisora muito promissora em Washington por outra”, referindo-se ao presidente Donald Trump. Também aponta que chegaria ao cargo com 79 anos e recorda o ataque cardíaco que sofreu no final do ano passado. Entretanto, reconhece que várias de suas propostas outrora tachadas de radicais, como aumentar o salário mínimo e limitar as intervenções militares, hoje são ideias convencionais que podem atrair eleitores que ajudaram Trump a chegar à Casa Branca.

Mais informações

O mais visto em ...

Top 50