eleições estados unidos

Os EUA estão preparados para colocar Bernie Sanders na Casa Branca?

O surgimento do candidato socialista agitou as águas do Partido Democrata no final da “era Obama”

Obama e Joe Biden entram no Salão Oval.
Obama e Joe Biden entram no Salão Oval.Stephen Crowley ('The New York Times')

Os jovens, especialmente, estão seguindo o senador de 74 anos de Vermont (embora nascido no Brooklyn, Nova York) que ataca os “milionários de Wall Street” com um tom cru e sincero. Também aplaudem suas promessas se for eleito: fazer com que universidade seja gratuita, criar um sistema de saúde financiado pelo Estado que chegue a todos os cidadãos e eliminar a influência do dinheiro na política. Desde a grande recessão de 2008-2009, as desigualdades econômicas são uma questão central para os eleitores democratas, e as denúncias de Sanders são mais apaixonadas e críveis que as de Hillary Clinton, que recebeu milhões de dólares como conferencista no mundo empresarial, e até poucos meses, tinha praticamente garantida as primárias democratas.

Agora, a crescente popularidade de Sanders é também reflexo da profunda decepção da esquerda depois do mandato de Barack Obama. Quando tomou posse o primeiro presidente negro em 2009, tanto liberais quanto radicais esperavam – e, em muitos casos, previam – que ele ia lançar uma onda de reformas similares ao New Deal de Franklin D. Roosevelt nos anos trinta e à Grande Sociedade de Lyndon B. Johnson, em meados dos anos sessenta.

MAIS INFORMAÇÕES

Mas a reforma de saúde, a conquista legislativa mais importante de Obama, não conseguiu o apoio da maioria da população. E desde que os republicanos ganharam o controle da Câmara dos Deputados em 2010, o presidente teve que recorrer aos decretos – que têm alcance limitado e podem ser revogados nos tribunais – para conseguir muitos dos seus objetivos.

A popularidade crescente de Sanders também reflete a profunda decepção após o mandato de Obama

Enquanto isso, os republicanos tomaram o poder na maioria dos estados, em parte por assustarem os cidadãos brancos de renda modesta com a ideia de que o presidente vai tirar suas armas e anistiar os imigrantes ilegais. A ausência quase total de sindicatos no setor privado deixou os trabalhadores brancos de esquerda sem uma instituição que possa mobilizá-los para lutar por seus interesses.

Obama chegou à Casa Branca prometendo “restaurar a confiança vital entre o povo e seu governo” e sublinhando que “o país não pode prosperar por muito tempo se apenas favorece os prósperos”. No entanto, dentro de um ano ele vai voltar à vida privada com a tristeza de que a maioria dos norte-americanos, de todas as ideologias e que não estão de acordo em nada mais, acredita que não se pode confiar no Governo para satisfazer suas necessidades.

Ainda assim, os norte-americanos de esquerda tiveram algumas vitórias significativas com ajuda de Obama, e deveriam comemorar. O casamento gay já é lei, quando há menos de 10 anos foi proibido em todos os estados. Os fundos de investimento estão sujeitos, agora, a normas destinadas a tentar evitar que possam levar de novo o sistema financeiro ao caos. No ano passado, os EUA encabeçaram as negociações em Paris que possibilitaram um acordo promissor para combater a mudança climática.

Bernie Sanders durante um evento de campanha em Iowa.
Bernie Sanders durante um evento de campanha em Iowa. (EFE)

A frustração com o ritmo lento das reformas ajudou a inspirar novos movimentos sociais de esquerda, de BlackLivesMatter a campanhas estudantis para que as universidades se dissociem de empresas que produzem combustíveis fósseis. Os funcionários do McDonalds e outras redes de fast food que fizeram greves de um dia por um salário mínimo de 15 dólares por hora (o dobro do atual) mostraram que se os trabalhadores quiserem, podem conseguir melhorias, mesmo quando os sindicatos são, na maior parte, fracos. Enquanto as Câmaras de Deputados dos estados controlados pelos republicanos aprovaram leis que restringem o aborto, em todo o país as mulheres universitárias carregam em suas mochilas e laptops adesivos que dizem “É claro que sou feminista”.

Esses exemplos indicam que a cultura norte-americana está se inclinando mais para ideias nascidas na esquerda que as defendidas pelos conservadores. Este não é um fenômeno novo. Sempre houve esquerdistas de várias tendências que exigiram que os direitos individuais e as oportunidades fossem promessas que todos pudessem alcançar, independentemente de sua raça, seu sexo ou qualquer outro traço de identificação. Foi o esforço para tornar realidade esse objetivo que impulsionou os movimentos para abolir a escravidão, para obter o voto para as mulheres e os direitos civis e de voto para os afro-americanos, e o direito de casamento e adoção para os homossexuais. E são eles que também defenderam a ideia progressista de que homens e mulheres devem ser livres para buscar a felicidade, independentemente das hierarquias e dos preconceitos herdados.

Mas sempre foi mais difícil construir o tipo de sociedade que quer Bernie Sanders, levar os Estados Unidos do culto à liberdade individual para um lugar no qual os cidadãos possam adotar o evangelho da solidariedade proposto pelos partidos da social-democracia da Europa, tão poderosos no passado. Que milhões de norte-americanos agora aplaudam a tentativa de Sanders de imitar essas organizações talvez seja o elemento mais chamativo em uma eleição que tem desafiado as previsões dos especialistas bem pagos do país.

Michael Kazin, professor de história na Universidade de Georgetown, é autor de American Dreamers: How the Left Changed a Nation, e codiretor da revista Dissent (www.dissentmagazine.org).

Arquivado Em: