Cuba retoma o cargo de primeiro-ministro após mais de quatro décadas

Manuel Marrero, ministro do Turismo desde 2004, assume a função recuperada pela Constituição aprovada este ano

O primeiro-ministro de Cuba, Manuel Marrero, cumprimenta o presidente do país, Miguel Díaz-Canel (de costas), neste sábado.
O primeiro-ministro de Cuba, Manuel Marrero, cumprimenta o presidente do país, Miguel Díaz-Canel (de costas), neste sábado.Y. Lage (AFP)

Cuba recuperou a figura do primeiro-ministro como parte do processo de reorganização institucional que o país vive após a recente aprovação da nova Constituição. O Governo quer adotar medidas para renovar as estruturas de poder e dividir as responsabilidades que durante décadas estiveram concentradas na figura do presidente, cargo que Fidel e Raúl Castro ostentaram de forma sucessiva. O novo primeiro-ministro será Manuel Marrero, até agora titular da pasta do Turismo.

O novo cargo de primeiro-ministro – que o próprio Fidel ocupou desde o triunfo da revolução – foi eliminado em 1976 e agora é reinstaurado por proposta do presidente cubano, Miguel Díaz-Canel. Para acompanhá-lo no Governo ele escolheu Manuel Marrero, o homem que nos últimos 17 anos dirigiu o Ministério do Turismo, o setor mais dinâmico da economia da ilha.

Mais informações

O Parlamento cubano, reunido ontem em Havana, aprovou por unanimidade o nome de Marrero, que será acompanhado, como vice-primeiros-ministros, pelo histórico comandante Ramiro Valdés (87 anos); por Roberto Morales, atual vice-presidente do Conselho de Estado e ex-ministro da Saúde; pela ministra Inés María Chapman; Ricardo Cabrisas, um dos pesos-pesados da economia cubana; Alejandro Gil, atual ministro da Economia; e José Luis Tapia.

A designação de Marrero, de 56 anos e arquiteto de formação, causou surpresa nas esferas diplomáticas, pois, apesar de ele ser um homem de confiança de Díaz-Canel – e também de Fidel Castro – e de estar à frente do importante setor turístico, especulava-se com outros nomes mais políticos para o cargo, como os de Roberto Morales e Inés María Chapman.

Marrero ocupou diversos cargos no setor: da corporação turística Gaviota até a direção deste Ministério fundamental para a economia, cuja contribuição ao PIB é de grande importância numa época de enorme dificuldade econômica e de graves danos provocados pela lei Helms-Burton, que consolidou o embargo dos Estados Unidos a Cuba. Díaz-Canel destacou ante o Parlamento a “honestidade, capacidade de trabalho e fidelidade ao Partido e à Renovação”, além da “rica experiência em negociação com contrapartes estrangeiras” de Marrero, segundo a agência Efe.

Na etapa do presidente norte-americano Barack Obama, o turismo teve um aumento considerável em Cuba. No entanto, com a eliminação dos cruzeiros e dos voos diretos por parte da Administração de Donald Trump, as expectativas de crescimento caíram sensivelmente. E Marrero foi justamente uma das pessoas encarregadas de enfrentar essa situação.

O Parlamento também designou os novos ministros de Trabalho e Seguridade Social (Marta Elena Feito), Indústria Alimentícia (Jorge Santiago Sobrino), Indústria (Eloy Álvarez) e Minas e Energia (Nicolás Arrente). Todas essas pastas são consideradas de grande importância para a atual conjuntura económica da ilha.

Além disso, Martha Sabina será a ministra-presidenta do Banco Central de Cuba, dirigido desde 2017 por Irma Margarita Martínez.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: