Investigação do ‘The Washington Post’ revela 18 anos de mentiras na guerra do Afeganistão

Jornal publica com exclusividade milhares de páginas de entrevistas com os protagonistas do conflito, desmontando a narrativa oficial de que havia progressos no terreno

Soldados norte-americanos transportam os restos de um companheiro morto em Cabul (Afeganistão).
Soldados norte-americanos transportam os restos de um companheiro morto em Cabul (Afeganistão).cliff owen / AP

Durante três governos, e ao longo de uma campanha de 18 anos, as autoridades norte-americanas ocultaram dos seus cidadãos a verdade sobre a guerra no Afeganistão, o conflito armado mais longo da história da grande potência mundial, que sabiam que havia se tornado impossível de vencer. É o que revela um conjunto de milhares de páginas de documentos obtidos e publicados com exclusividade pelo The Washington Post, após uma batalha judicial de três anos com o Governo dos Estados Unidos.

Militares, diplomatas, cooperantes e oficiais afegãos. São até 2.000 páginas de anotações relativas a mais de 400 entrevistas com pessoas que desempenharam um papel direto na guerra e que, amparadas pelo suposto anonimato, ofereceram uma versão excepcionalmente sincera sobre tudo o que ia dando errado no Afeganistão. Os documentos são o resultado de um projeto federal chamado Lições Aprendidas, iniciado em 2014 para diagnosticar os erros no conflito ― iniciado como represália à Al Qaeda pelos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001 ―, para que não se repetissem na próxima vez que os Estados Unidos decidissem invadir ou reconstruir um país.

“Carecíamos de um conhecimento fundamental sobre o Afeganistão, não sabíamos o que estávamos fazendo. O que queríamos fazer aqui? Não tínhamos a mais remota noção do que estávamos atacando”, afirmou em 2015 o general de Exército Douglas Lute, que exerceu funções de alto comando na guerra durante os Governos de George W. Bush e Barack Obama. “Se o povo norte-americano conhecesse a magnitude da disfunção… 2.400 vidas perdidas! Quem vai dizer que isso foi em vão?”

Mais de 775.000 militares norte-americanos foram mobilizados no Afeganistão a partir de 2001. Mais de 2.300 morreram, e 20.589 ficaram feridos, segundo cifras do Departamento de Defesa. Esse departamento, junto com o Departamento de Estado e a Agência para o Desenvolvimento Internacional (Usaid) ― mas sem incluir outras agências, como a CIA e o Departamento de Assuntos de Veteranos ― dispenderam desde 2001 entre 934 e 978 bilhões de dólares (3,87 a 4,05 trilhões de reais, pelo câmbio atual), segundo estimativas ajustadas à inflação calculadas em um projeto da Universidade Brown, de Rhode Island.

Ano após ano, presidentes, diplomatas e comandantes militares declaravam aos norte-americanos que havia progressos na guerra e que valia a pena continuar a travá-la. Os documentos, porém, contradizem essa narrativa: muitos dos entrevistados descrevem os esforços das autoridades para enganar deliberadamente os cidadãos. Os documentos, reconhece ao Post John Spoko, chefe da agência federal que conduziu as entrevistas, "mostram que se mentiu constantemente ao povo norte-americano".

“Cada dado foi alterado para apresentar o melhor quadro possível”, relatou em entrevista Bob Crowley, coronel que atuou como assessor de contrainsurgência entre 2013 e 2014. “As pesquisas, por exemplo, eram nada confiáveis, mas reforçavam a ideia de que tudo o que fazíamos era o certo.”

A agência do inspetor-geral especial para a Reconstrução do Afeganistão (SIGAR), criada em 2008 e que seis anos depois se encarregou do projeto Lições Aprendidas, publicou até sete relatórios que apontavam problemas no Afeganistão e recomendavam mudanças. Mas esses relatórios deixavam de fora as críticas mais duras e omitiam 90% dos nomes dos entrevistados, aos quais havia sido prometido o anonimato.

Sob a proteção da lei de liberdade da informação, o The Washington Post começou em agosto de 2016a buscar os registros das entrevistas do projeto Lições Aprendidas. O jornal recorreu duas vezes à Justiça contra a agência SIGAR para poder publicar os documentos. As autoridades acabaram entregando uma parte das transcrições, algumas delas sem identificar ao entrevistado. Ainda se espera uma resolução judicial que poderia obrigar a identificar todos os entrevistados. Mas o Post decidiu publicar agora os documentos em seu poder, “para informar ao público enquanto a Administração Trump negocia com os talibãs e avalia a retirada dos 13.000 militares que continuam no Afeganistão”.

A revelação do jornal é completada com centenas de outras páginas agora liberadas do sigilo oficial, que consistem em anotações que o então secretário de Defesa, Donald Rumsfeld, ditava várias vezes por dia a seus subordinados, entre 2001 e 2006, chamadas pelo próprio chefe do Pentágono e sua equipe de “flocos de neve”. “Não tenho nenhum tipo de visibilidade sobre os quais são os maus”, diz o republicano numa das notas, datada de 2003.

A publicação do conjunto de documentos recorda inevitavelmente os chamados Papéis do Pentágono, o grande vazamento que contava a história secreta do Departamento de Defesa sobre a Guerra do Vietnã. Publicados em 1971, causaram enorme comoção ao revelar como o Governo tinha enganado o público durante anos, ocultando que as autoridades, enquanto enviavam soldados ao país asiático, sabiam que o conflito havia virado um atoleiro do qual não poderiam sair vitoriosos.

Ao contrário dos Papéis do Pentágono, os documentos do Lições Aprendidas não contêm apenas revelações a respeito de operações militares concretas. Oferecem mais uma esmagadora avalanche de críticas autorizadas que desmentem o relato oficial oferecido ao mundo durante 18 anos.

Mais informações

O mais visto em ...

Top 50