S MODA

Os truques de beleza do TikTok que não devem ser seguidos

Beber clorofila ou aplicar protetor solar só como ‘contouring’. A criatividade do TikTok não tem limites. O potencial perigo também não

FOTO: © GETTY IMAGES
FOTO: © GETTY IMAGES

Mais informações

Imagine utilizar a internet e as redes sociais para procurar um truque de maquiagem ou cosmética e acabar provocando um problema, até então inexistente, na sua pele. Foi isso que aconteceu com um número muito grande de usuárias do TikTok e de outras plataformas (como o Instagram) capazes de transformar um remédio caseiro em uma tendência viral. Se aplicar os unguentos que nossas avós usavam já é desaconselhado há anos por especialistas e dermatologistas, os perigos se multiplicam quando temos todos os tipos de ingredientes e ferramentas ao nosso alcance.

Nesta linha se encontra um dos últimos procedimentos que surgiram: o slugging. Trata-se de uma técnica de beleza coreana que consiste em aplicar uma camada de vaselina no rosto ao fim da rotina noturna, com o objetivo de manter hidratada a pele seca. Faz sentido? Segundo os especialistas: “Sim, porque cria uma barreira hidrofóbica que impede a evaporação de água. Embora não acrescente nem retenha água, evita que se perca”, explica a dermatologista Rosa del Río, diretora da Unidade de Estética Facial do Grupo Pedro Jaén, em Madri. Mas será que isso é útil e, acima de tudo, saudável? O “não” é retumbante. Principalmente levando em conta a quantidade de métodos e produtos desenvolvidos especialmente para alcançar esse objetivo. Como confirma a doutora Del Río, e a Academia Espanhola de Dermatologia e Venereologia (AEDV) já esclareceu em várias ocasiões: “Não é a técnica mais adequada, porque essa função oclusiva pode ser contraproducente. Interromper essa perda de água interromperia também as funções naturais da pele, que devem continuar se desenvolvendo”. Essa técnica pode ser extremamente prejudicial principalmente para peles propensas à acne, ao favorecer a proliferação bacteriana, como ocorre, atualmente, com as máscaras faciais.

Nos últimos meses, o consumo de clorofila — e sua consequente popularidade no TikTok —disparou: um número interminável de usuárias e influencers atribui a ela propriedades milagrosas e afirma que ajuda não só a perder peso, como também a melhorar a aparência da pele. Será verdade? Talvez algumas pessoas tenham observado resultados por um ou diversos fatores, mas todos os especialistas que se pronunciaram sobre o assunto concordam que nenhuma dessas propriedades é apoiada pela ciência e que, muito provavelmente, o efeito se deve ao fato de a clorofila ser bebida dissolvida em água ou sucos, e o consumo de líquidos sempre é favorável para esses fins.

A hashtag #chlorophyll tem mais de 362 milhões de visualizações no TikTok
A hashtag #chlorophyll tem mais de 362 milhões de visualizações no TikTok

Seja como for, beber clorofila e untar o rosto com vaselina são, com toda a probabilidade e além de jogar dinheiro fora — um frasco de 200 miligramas de clorofila líquida custa cerca de 15 euros (92 reais) na Amazon espanhola —, duas das tendências mais inofensivas que estão viralizando no TikTok. No entanto, algumas outras poderiam ser realmente perigosas. A mais recente e uma das mais arriscadas: o contouring com protetor solar. É difícil entender o conceito simplesmente lendo, mas é o que aparece mais vezes quando recorremos à hashtag #beautyhack, e todas as pessoas que proclamam suas maravilhas estão convencidas de que funciona.

Trata-se de aplicar protetor solar facial simulando a técnica de contouring nas áreas em que, ao nos maquiarmos, passamos iluminador, para que as áreas protegidas fiquem mais claras do que as não protegidas, que ficariam mais escuras, como diz uma quantidade incrível de tiktokers. A esta altura, nem seria preciso consultar um especialista sobre se esse truque é positivo ou negativo: é claro que é muito prejudicial para a pele. De qualquer forma, vários dermatologistas se pronunciaram sobre o assunto, dando, como se os motivos óbvios fossem poucos, mais razões para evitar completamente essa técnica. “Mesmo no nível teórico, esse truque é uma idiotice. Nem todas as áreas do rosto recebem a mesma quantidade de luz solar, por isso é impossível tentar controlar essa exposição aplicando diferentes níveis de protetor solar. E, em todo caso, o que você estaria fazendo seria escolher áreas do rosto (nas quais não aplica protetor) para que envelheçam antes e fiquem mais enrugadas ou mais flácidas que as demais”, explicaram vários médicos em um artigo no site Byrdie.

O vídeo da modelo Eli Withrow, publicado originalmente em 2020, voltou a ganhar popularidade e já tem mais de 12 milhões de visualizações.
O vídeo da modelo Eli Withrow, publicado originalmente em 2020, voltou a ganhar popularidade e já tem mais de 12 milhões de visualizações.

Se essa espécie de contouring, que na verdade é um potencial câncer de pele, parece pouca coisa ou, de tão absurda, previsivelmente pouco imitada, muito cuidado com dois procedimentos mais perigosos e agressivos para a pele que já são perpetrados há anos. Um deles é o microneedling (com mais de 240 milhões de visualizações), que consiste em furar as camadas superficiais da pele com ajuda de microagulhas ou de um dermaroller (atenção, porque não é um rolinho de pedra que favoreça a circulação do rosto, muito pelo contrário). Segundo os usuários que aplicam essa técnica, ela atua estimulando a geração de colágeno e elastina ao provocar pequenas lesões na pele que pedem uma regeneração. No entanto, segundo os especialistas, procedimentos desse tipo feitos em casa nada mais são do que uma agressão à pele que gera danos impossíveis de recuperar. Como se não bastasse, também podem danificar a barreira cutânea: “Essa barreira mantém a umidade da pele e evita que os alérgenos e as bactérias penetrem nela. Realizar esse procedimento em casa pode provocar infecções, alergias e irritações”, explica a Clínica Mayo sobre essa técnica.

Embora não tão agressivo, um procedimento similar é o face shaving (com 33 milhões de visualizações no TikTok) ou dermaplaning (28 milhões). A técnica não é nova e já começou a se popularizar em 2019, como já documentamos em um artigo. No entanto, é uma dessas tendências que não param de ganhar adeptos e que, apesar de tudo, continuam recebendo opiniões negativas de dermatologistas e especialistas em cuidados com a pele. “Se você faz a barba uma vez, deve saber que está se comprometendo em um relacionamento de longo prazo com a lâmina. Em alguns casos, o procedimento pode ser contraproducente em peles sensíveis, com acne ou com outras patologias da pele facial”, confirmavam dermatologistas no artigo citado.

Três milhões de curtidas e 15.000 comentários nesta publicação sob a hashtag “ASMR Beauty”.
Três milhões de curtidas e 15.000 comentários nesta publicação sob a hashtag “ASMR Beauty”.

A história de horrores não acaba aqui e basta uma busca rápida em qualquer rede social para encontrar uma quantidade enorme de resultados horripilantes sob o conceito de #beautyhacks. É claro que também há espaço para muitos menos perigosos e mais divertidos, como um colorido painel repleto de unhas acrílicas feitas com cascas de frutas tropicais. A criatividade do TikTok não tem limites.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Arquivado Em:

Mais informações

Pode te interessar

O mais visto em ...

Top 50