A ‘tempestade’ Ítalo Ferreira conquista o 1º ouro do Brasil na Olimpíada de Tóquio

Ele aprendeu a surfar em um pedaço de madeira quando era criança. Hoje, o potiguar protagoniza a consolidação do favoritismo brasileiro na modalidade de estreia nos Jogos Olímpicos

Ítalo Ferreira celebra a conquista da medalha de ouro no surfe masculino na praia de Tsurigasaki, no Japão.
Ítalo Ferreira celebra a conquista da medalha de ouro no surfe masculino na praia de Tsurigasaki, no Japão.Francisco Seco (AP)
Felipe Betim
São Paulo -
Mais informações
Brazil's Fernando Scheffer dives to start in a semi-final of the men's 200m freestyle swimming event during the Tokyo 2020 Olympic Games at the Tokyo Aquatics Centre in Tokyo on July 26, 2021. (Photo by Oli SCARFF / AFP)
Fernando Scheffer, a medalha de bronze nos 200m livre da natação que superou o fechamento do clube e o treino em açude na pandemia
Silver medal winner Rayssa Leal of Brazil holds her medal after winning the women's street skateboarding finals at the 2020 Summer Olympics, Monday, July 26, 2021, in Tokyo, Japan. (AP Photo/Ben Curtis)
A mágica de Rayssa Leal garante ao Brasil mais uma medalha de prata na Olimpíada de Tóquio 2020
Enoshima (Japan), 26/07/2021.- Sailors compete under a dark sky during the Laser Radial Class discipline in the Sailing events of the Tokyo 2020 Olympic Games in Enoshima, Japan, 26 July 2021. (Japón, Tokio) EFE/EPA/CJ GUNTHER
Tufão Nepartak ameaça os Jogos de Tóquio

Ítalo Ferreira entrou para a história do esporte mundial. O surfista potiguar conquistou a medalha de ouro na estreia do surfe como modalidade esportiva nos Jogos Olímpicos. Aos 27 anos, o surfista natural de Baía Formosa, no Rio Grande do Norte, confirmou o favoritismo do Brasil e levou o país ao topo do pódio na praia de Tsurigasaki, no Japão, após uma emocionante disputa na tarde desta terça-feira (madrugada no Brasil). A onda brasileira só não foi maior porque o bicampeão mundial Gabriel Medina, número um no ranking do esporte, terminou em quarto lugar, sem medalha. Coube a Ítalo Ferreira vingar Medina: ele desbancou o algoz do paulista nas semis, o japonês Kanoa Igarashi, e se consolidou campeão olímpico com a nota 15.14 a 6.60. Com a conquista no surfe, o Brasil soma cinco medalhas nesta Olimpíada: um ouro, duas medalhas de prata no skate e um bronze no judô.

O potiguar fez parecer fácil a conquista de ouro, com seus aéreos num mar revolto, numa final antecipada pelo temor da passagem de um tufão. Mas fora da água, a subida ao pódio pareceu uma odisseia. Na viagem para Tóquio, Ítalo Ferreira teve suas pranchas extraviadas e as primeiras ondas no litoral japonês, antes da competição, foram com equipamentos emprestados de colegas. Na final, viu sua prancha partir ao meio logo na primeira onda. Correu para a areia, pegou outra prancha e voltou ao mar, inabalável, concentrado em seu objetivo.

“Eu vim com uma frase para o Japão: ‘Diz amém que o ouro vem’. E ele veio! Eu treinei muito nos últimos meses e realizei o meu sonho. Agradeço a Deus em primeiro lugar, de poder fazer o que eu amo, de poder ajudar as pessoas, de poder ajudar a minha família. Eu consegui o que eu quis, graças a Deus”, disse à TV Globo, após conquistar a vitória olímpica, muito emocionado e emocionando o jornalista que o entrevistava.

O brasileiro avançou para a final após desbancar o australiano Owen Wright na semi, em uma bateria que começou devagar, com muitas quedas e notas baixas para os dois lados —mas ainda assim disputadíssima e apertada. Ítalo Ferreira conseguiu manter a vantagem, mesmo quando os dois atletas estavam empatados —o critério de desempate é a maior nota da bateria, que era do brasileiro. Ferreira ainda aumentou a vantagem, ao marcar 6,67. Wright seguiu próximo e descontou, mas precisava de mais 6,70 para virar o jogo. Não teve sucesso.

O menino que aprendeu a surfar num pedaço de madeira

Nascido em 1994, o surfista pegou suas primeiras ondas em um pedaço de madeira quando ainda tinha oito anos, na Baía de Formosa. “Só que não dava para ficar em pé [no pedaço de madeira]. Aí eu pegava as tampas da caixa de isopor que meu pai usava para vender peixes”, relatou Ferreira ao UOL antes de viajar a Tóquio. Com o tempo conseguiu ficar em pé na tampa e viu que levava jeito para o esporte. “Aquilo era minha diversão. Enquanto meu pai trabalhava, eu não tinha o que fazer, não podia ajudar... Ele tinha que vender o peixe, falar com os caras... Para mim era meio que um saco ficar ali olhando só”.

De origem humilde, contou com o apoio de seu pai Luisinho, um pescador local, e de sua mãe Katiana, que trabalhava numa pousada, para juntar dinheiro e comprar sua primeira prancha. Ao conquistar o ouro, Ítalo Ferreira chorou muito e o dedicou a sua avó, já falecida. “Eu só queria que a minha avó estivesse viva para ver o que eu me tornei.”

Ítalo Ferreira comemora a vitória no Japão. Brasileiro é o primeiro campeão olímpico da história.
Ítalo Ferreira comemora a vitória no Japão. Brasileiro é o primeiro campeão olímpico da história.Miguel Gutiérrez (EFE)

Não deu dobradinha

Por muito pouco o potiguar não teve a companhia de Gabriel Medina no pódio. O sonho da dobradinha brasileira, entretanto, foi prejudicado por uma arbitragem considerada polêmica pelo competidor e por outros atletas da modalidade. Um dos favoritos na competição, Medina perdeu para o japonês Kanoa Igarashi na semifinal e foi derrotado pelo o australiano Owen Whright na disputa pelo bronze.

Com um mar bastante revirado, o australiano conseguiu abrir vantagem logo no início, mas a diferença se manteve estreita durante toda a bateria de 35 minutos. Faltando cinco minutos para o final, Gabriel Medina conseguiu pegar uma boa onda e realizar um aéreo, mantendo-se em pé no final da manobra. Ele precisava de pouco mais de seis pontos para virar, algo que, para os comentarias que acompanhavam a disputa, parecia certo. Mas a nota veio baixa, para a surpresa de torcedores e analistas. O australiano acabou vencendo por 11,97 a 11,77.

“É triste quando isso acontece. Muita gente mandou mensagem. É difícil passar o ano treinando e se esforçando, chegando nisso. A minha parte, eu fiz. Agora é continuar trabalhando. Tem coisas que não dá para entender, mas é assim”, lamentou. Assim, a passagem da brazilian storm pela Olimpíada no Japão terminou com o ouro de Ítalo Ferreira, a quarta colocação de Gabriel Medina, e com a surfista cearense Silvana Lima eliminada nas quartas de final, e Tatiana Weston-Webb nas oitavas. Nada mal para o início de uma tempestade olímpica.


Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS