_
_
_
_

“A vida do jogador não vale nada?”, questiona capitão da Bolívia em crítica à Copa América

O artilheiro Marcelo Moreno arremete contra a Conmebol depois da detecção de meia centena de contágios de covid-19. A organização abriu uma ação disciplinar para puni-lo

José Pablo Criales
Marcelo Martins Moreno Bolivia Copa América
O jogador Marcelo Moreno, da Bolívia, depois de marcar um gol contra o Chile nas eliminatórias da Copa do Mundo.Alberto Valdés POOL (EFE)
Mais informações
BRA100. BRASÍLIA (BRASIL), 12/06/2021.- Empleados trabajan hoy, en el campo del estadio Mané Garrincha que acogerá la inauguración de la Copa América en la ciudad de Brasilia (Brasil). La Copa América 2021 ser realizará en cuatro ciudades de Brasil del 13 de junio al 10 de julio. EFE/Joédson Alves
Brasil sedia uma Copa América marcada pela pandemia, a ameaça de boicote e a polarização
People protest Brazil's hosting the soccer Copa America tournament amidst the COVID-19 pandemic and against Brazil's President Jair Bolsonaro in Brasilia, Brazil, Sunday, June 13, 2021. (AP Photo/Ailton de Freitas)
Xico Sá | A pátria em chuteiras calça as pantufas dos isentões
Copa América 2021
Copa América, o futebol sem comunidade

A mensagem ficou por algumas horas no Instagram e depois desapareceu. “Obrigado a vocês da Conmebol por isso. A culpa é totalmente de vocês!!! Se morre uma pessoa, o que vocês vão fazer? O que importa é somente o DINHEIRO. A vida do jogador não vale nada? (sic)”, escreveu Marcelo Martins Moreno (Santa Cruz de la Sierra, 33 anos) contra a organização da Copa América.

Moreno, capitão da seleção boliviana, arremeteu contra a Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) na terça-feira depois da detecção de 52 contágios de coronavírus entre as delegações de Bolívia, Colômbia, Peru e Venezuela. O maior artilheiro de todos os tempos de sua seleção, que deu positivo no fim de semana e não jogou na estreia da Verde na derrota por 1 x 3 para o Paraguai, acompanhou a mensagem com a fotografia de um companheiro de equipe sendo submetido a um teste de PCR. Depois de um segundo teste e outro resultado positivo, o maior jogador da seleção andina perderá o segundo jogo da fase de grupos, nesta sexta-feira, contra o Chile. Depois da mensagem de Moreno, a Comissão Disciplinar da Conmebol abriu uma ação contra o atacante por ter infringido o código de conduta e afetado a “lealdade, integridade e esportividade” da competição.

O Ministério da Saúde do Brasil informou na terça-feira que a detecção de alguns contágios isolados subiu para pelo menos 52 positivos entre jogadores, pessoal técnico e trabalhadores da organização do torneio. Dos casos, 33 correspondem a jogadores e membros das seleções e os outros 19 a funcionários do torneio. A mais afetada até o momento foi a delegação venezuelana, que teve 13 casos, enquanto a Bolívia confirmou o contágio de três jogadores e uma pessoa da comissão técnica. A Conmebol, até agora, não se manifestou a esse respeito.

A Federação Boliviana de Futebol não revelou os nomes dos jogadores infectados, mas o pai de Moreno, habitual na imprensa esportiva local, confirmou que o atacante boliviano-brasileiro era um deles. “Estava ansioso e feliz por jogar a Copa América e no final isto caiu como um balde de água fria, mas Deus sabe por que faz as coisas; talvez seja uma baixa agora, mas a Bolívia pode se classificar para a Copa do Mundo, que é o mais importante”, disse Mauro Martins ao diário El Deber.

Moreno é uma ave rara na seleção boliviana. Quarto dos sete filhos de um jogador de futebol brasileiro que desembarcou na Bolívia nos anos setenta, o atacante estreou aos 16 anos no futebol local e migrou para o país do pai antes de completar a maioridade. Com dupla nacionalidade, disputou 15 partidas e marcou 11 gols nas divisões inferiores da seleção brasileira. Foi o primeiro estrangeiro em mais de 63 anos a conquistar um lugar em uma seleção brasileira. Moreno foi bicampeão baiano com o Vitória, clube que então disputava a terceira divisão brasileira, e assinou como promessa com o Cruzeiro no final do verão de 2007. Um ano depois se tornou o boliviano “mais caro da história” ao ser contratado pelo Shakhtar Donetsk, da Ucrânia, por 14 milhões de dólares. Enquanto a seleção principal do Brasil brilhava com Ronaldinho e Adriano no comando, Moreno aceitou que não seria mais convocado para jogar com a camisa canarinho e optou pela oferta da seleção do país de sua mãe.

Em 17 de novembro de 2020, Moreno, que completa 34 anos nesta sexta-feira, tornou-se o maior artilheiro da seleção boliviana. Enquanto sua equipe acumula decepções e passou os últimos 30 anos sonhando em voltar a uma Copa do Mundo desde o fundo da tabela de classificação das eliminatórias, Moreno está no nível de Lionel Messi, Luis Suárez e Neymar entre os artilheiros. O Flecheiro, como é chamado em seus dois países, já marcou seis gols nas eliminatórias para a Copa do Mundo do Qatar 2022 e é o artilheiro da competição.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_