Preço da energia sobe na OCDE no ritmo mais alto desde setembro de 2008

Consumidores dos 38 países do clube pagaram em média 18,6% a mais em maio. No Brasil, agência aprova alta na bandeira vermelha da luz e Petrobras anuncia que gasolina e gás ficarão mais caros

Manifestantes cobram análise do marco legal da energia solar em protesto em frente ao Congresso, em 9 de junho.
Manifestantes cobram análise do marco legal da energia solar em protesto em frente ao Congresso, em 9 de junho.ADRIANO MACHADO (Reuters)
Mais informações
Maria Félix de Carvalho, 58 anos, comerciante, moradora do residencial Macapaba, durante o apagão de energia no Amapá.
O que liga o aumento na conta de luz ao desmatamento da Amazônia e à emergência climática? Tudo
BRA01. RIO DE JANEIRO (BRASIL), 29/04/21.- Un hombre lleva uno de los paquetes con alimentos que fueron entregados a un grupo de personas que compró gas a mitad de precio durante una campaña promovida por una federación de trabajadores en Río de Janeiro. La Federación Unitaria de Trabajadores Petroleros, con motivo de la campaña "Combustible a precio Justo ” vende cilindros de gas para cocinar por menos de la mitad del valor que cobran los distribuidores en todo el país, además repartirá alimentos y mascarillas de protección contra la covid-19. EFE/Antonio Lacerda
Crescimento do PIB enfrenta ameaças do atraso da vacinação, terceira onda e crise energética
BRA50. RÍO DE JANEIRO (BRASIL), 04/06/2021.-Fotografía tomada el 2 de junio de 2021, que muestra a un refrigerador que flota en las aguas de un arroyo cubierto por una gran cantidad de basura, en la región sur de Manaos. Brasil celebra el día Mundial del Medio Ambiente entre una exuberante naturaleza y los peligros de la deforestación de la Amazonía. EFE/Raphael Alves
Há paralelo entre a crise ambiental e a da covid-19. Só estadistas podem evitar esse precipício

A escalada do custo da energia continua sendo o grande catalisador da inflação no mundo inteiro. Nesta segunda-feira, a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) informou que os preços aumentaram em média 3,8% entre seus membros durante o mês de maio. E destacou um fator-chave: os preços da energia aumentaram 18,6%, a taxa mais alta desde setembro de 2008, pouco antes de a Grande Recessão provocar seu colapso.

O impacto da alta da energia continuará sendo percebido nos próximos meses, já que o petróleo continua subindo desde então, com o Brent europeu cotado acima dos 76 dólares (385 reais), 10% a mais que os cerca de 70 dólares do final de maio. O embate entre a Arábia Saudita e os Emirados Árabes no seio da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), sobre os aumentos de produção para este ano e o próximo, está elevando as incertezas. E ameaça provocar novos aumentos de preço caso as posições continuem acirradas.

No Brasil, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou um reajuste de 52% na bandeira tarifária vermelha 2, o mais alto do sistema, de 6,24 reais para 9,49 reais para cada 100 kWh consumidos. Esta taxa é cobrada quando existe um aumento nos custos da geração de energia, como explica o repórter Gil Alessi. A Petrobras também anunciou que vai aumentar os preços da gasolina, do diesel e do gás de cozinha a partir desta terça-feira. Segundo a estatal, os reajustes acompanham a elevação nos patamares internacionais de preços de petróleo e derivados, informa a Agência Brasil.

Entre as maiores economias, os Estados Unidos são, de longe, o país em que a pressão inflacionária é mais sentida. Os preços subiram 5% em maio, o que tornou mais audíveis as vozes dos falcões —como são chamados aqueles que sustentam as posições mais duras e ortodoxa— pedindo a retirada dos grandes estímulos concedidos pela Casa Branca. A inflação levou o Federal Reserve a agir para evitar o superaquecimento excessivo: antecipou em alguns meses —até o final de 2023— sua previsão do primeiro aumento das taxas de juros.

A alta na Alemanha, país europeu onde a inflação é tradicionalmente percebida de forma mais negativa entre seus dirigentes, foi a metade da dos Estados Unidos, 2,5%, após cinco meses ininterruptos de avanço resultante em parte da decisão do Governo alemão de retirar a redução do IVA, para encorajar o consumo durante a pandemia. Com exceção do Japão, onde ainda permaneciam ligeiramente negativos, apesar da abundante liquidez injetada no sistema, os aumentos de preços foram generalizados em maio. Na Espanha, subiram 2,7%, o seu nível mais elevado em quatro anos, e na zona do euro, 2%. Em outras grandes economias europeias, como a França (1,4%) e a Itália (1,2), a alta dos preços é mais contida.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Embora a energia seja o item sempre citado primeiro, existem outras variáveis na equação. Matérias-primas como cobre e ferro beiram recordes históricos, o boom da demanda mundial causou gargalos nas cadeias de abastecimento e escassez de chips, essenciais para a produção de automóveis, consoles de videogame, telefones, computadores e equipamentos médicos. E a redução da oferta geralmente conduz a aumento de preços. Além disso, a poupança feita durante a pandemia, quando as restrições sufocaram o consumo, começam a circular, sobretudo em países que se encontram em fase mais avançada de recuperação, como os Estados Unidos.

Na Argentina, 48,8% de inflação

Se considerarmos apenas o núcleo da inflação, que exclui os elementos mais voláteis (energia e alimentos), nos 38 países da OCDE os preços aumentaram, em média, 2,9% em maio, ante 2,4% em abril. É preciso voltar a agosto de 2002 para encontrar porcentuais como esses, que excedem a meta de 2% estabelecida pelos grandes bancos centrais.

Em seu comunicado, a OCDE lembra que esse fenômeno também ocorreu em alguns Estados que não integram. Em casos como Argentina (48,8% de alta de preços), de forma estratosférica, mas também com força no Brasil (8,06%), Rússia (6%), Arábia Saudita (5,7%), Índia (5,3%) e África do Sul (5,2%). A China, embora tenha saído da crise pandêmica com muito mais rapidez, também contorna a inflação, de 1,3% em maio.

Em situações de elevação de preços, há duas visões opostas sobre a magnitude do problema. A primeira, compartilhada por instituições como o Federal Reserve e o Banco Central Europeu, minimiza os perigos da inflação, aponta para o seu caráter temporário e a atribui em parte ao efeito comparativo com 2020, quando os confinamentos derrubaram os preços. A segunda tese, defendida pelos falcões, traça um cenário muito mais sinistro, de inflação sustentada ao longo do tempo, e eles pedem aos bancos centrais mudanças na política monetária para contê-la.

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS