AMÉRICA LATINA

CAF elege novo presidente, com candidato colombiano como favorito

Sergio Díaz Granados, que foi ministro do ex-presidente Juan Manuel Santos na Colômbia, tem o apoio do Brasil e de outros países para chegar nesta segunda-feira à direção do Banco de Desenvolvimento da América Latina

Sergio Díaz Granados, Presidente do Banco de Desenvolvimento de América Latina.
Sergio Díaz Granados, Presidente do Banco de Desenvolvimento de América Latina.CORTESÍA

Mais informações

O Banco de Desenvolvimento da América Latina, a versão ampliada da Corporação Andina de Fomento (CAF), terá a partir desta segunda-feira um novo presidente. Os sócios escolherão no México, em uma votação semipresencial, entre o colombiano Sergio Díaz-Granados, renomado ministro do Comércio, Indústria e Turismo durante o Governo de Juan Manuel Santos, e o argentino Christian Gonzalo Asinelli, representante suplente de seu país no conselho do banco e membro da Secretaria de Assuntos Estratégicos em Buenos Aires. O candidato colombiano é o grande favorito, com o apoio aberto do Brasil, Colômbia, Peru, Equador e Uruguai. O argentino tem até agora os votos de Venezuela, Bolívia, México, Espanha e Portugal. O vencedor comandará o segundo maior banco de desenvolvimento regional, atrás do BID, durante cinco anos, com opção de uma reeleição. A votação, além disso, significa a normalização institucional da entidade depois da renúncia do peruano Luis Carranza, que antecipou sua saída por denúncias de assédio laboral.

A CAF nasceu há 53 anos como um banco multilateral integrado por países andinos, mas diversas ampliações o transformaram pouco a pouco em uma instituição regional. Em 2002 e 2009, Espanha e Portugal entraram como acionistas, dando à CAF um perfil ibero-americano. Hoje a instituição conta com 19 países acionistas, 14 não andinos, e uma carteira de crédito e investimento de 28 bilhões de dólares (142 bilhões de reais), que serão fundamentais para impulsionar a recuperação dos sócios depois da crise econômica gerada pela pandemia de covid-19.

A Colômbia, convulsionada pelos recentes protestos, busca marcar um ponto na diplomacia econômica. Até agora nenhum colombiano presidiu a instituição, embora o país seja um de seus fundadores e uma das grandes potências econômicas da região. A aposta em Díaz-Granados é bem vista em amplos círculos econômicos e diplomáticos. Além de ter um sólido apoio em seu país, o candidato oferece uma trajetória de alto nível. “É uma grande oportunidade, uma CAF liderada pela Colômbia manteria as prioridades que a crise social, econômica e sanitária da região exige”, escreveu o jornal El Tiempo em um editorial. Outro jornal colombiano, El Espectador, seguiu a mesma linha: “Um colombiano deveria presidir a CAF”, assinalou em seu editorial. “Díaz-Granados fez a melhor campanha”, concluiu.

Sergio Díaz-Granados foi ministro do Comércio, Indústria e Turismo durante o Governo de Juan Manuel Santos, em uma gestão aplaudida por acordos comerciais da Colômbia com os Estados Unidos e a União Europeia. E também por normalizar as relações com a Venezuela e o Equador, muito afetadas depois dos Governos de Álvaro Uribe. Antes disso, foi congressista na época de Uribe, e também vice-ministro de Luis Guillermo Prata (o atual embaixador na Espanha). Além disso, presidiu a Associação Colombiana de Viagens e Turismo (Anato).

Díaz-Granados teve uma atividade frenética na última semana para reunir apoio. Obteve o de Uruguai e Brasil, além dos países que promoveram sua candidatura — a própria Colômbia, Peru e Equador. Nos últimos dias, reuniu-se com representantes dos governos do Paraguai e do Panamá. O candidato argentino também sondou esses países. Depois de perder o apoio do Brasil e Uruguai, seus parceiros no Mercosul, Asinelli aguarda a decisão do Paraguai. Antes de sua chegada ao México, a comitiva argentina fez uma escala no Panamá. Todos os esforços diplomáticos, no entanto, foram centrados no Peru, que tem voto duplo. O candidato presidencial Pedro Castillo manifestou seu apoio a Asinelli, mas a demora em sua proclamação em Lima como presidente eleito deixará o voto dos representantes peruanos, que respondem ao Governo interino de Francisco Sagasti, do lado do colombiano Díaz-Granados.

A direção da CAF é uma aposta importante para a Argentina, que aspira a ser o primeiro país não andino a ocupá-la. Uma vitória teria sabor de revanche. Buenos Aires liderou no passado a oposição no Banco Interamericano de Desenvolvimento à nomeação como presidente do americano Mauricio Claver-Carone, candidato indicado por Donald Trump. A eleição de Claver-Carone romperia a tradição do BID de reservar sua direção a um latino-americano. As tentativas argentinas acabaram fracassando e Claver-Carone ocupa hoje a presidência dessa instituição. Asinelli, em entrevista ao EL PAÍS, prometeu trabalhar pela capitalização da CAF, fundamental diante da necessidade de dinheiro fresco por parte de seus sócios, devido à pandemia, e acabar com os problemas de governança que se seguiram à renúncia de Carranza.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Arquivado Em:

Mais informações

Pode te interessar

O mais visto em ...

Top 50