Mais de 40 anos de carreira e arrasando: como o Iron Maiden consegue vender mais que os ídolos juvenis

‘Senjutsu’, 17º álbum do mito do heavy metal, foi o mais vendido em 11 países, superando artistas como Drake, Kanye West e Billie Eilish, com excelentes críticas inclusive da mídia pouco afeita ao seu estilo

O Iron Maiden em 1983. Da esquerda para a direita: Dave Murray, Steve Harris, Bruce Dickinson, Nicko McBrain e Adrian Smith.
O Iron Maiden em 1983. Da esquerda para a direita: Dave Murray, Steve Harris, Bruce Dickinson, Nicko McBrain e Adrian Smith.Paul Natkin (Getty Images)

O primeiro fim de semana de setembro foi um marco por causa da coincidência dos novos lançamentos de Drake e Kanye West, algo assim como uma atualização do confronto Blur-Oasis levada ao novo pop. Mas o que poucos esperavam era que o pódio das listas seria disputado pelo Iron Maiden com seu 17º álbum. Senjutsu (A Arte da Guerra, em japonês) foi o primeiro em vendas na Espanha, Alemanha, Áustria, Bélgica, Croácia, Finlândia, Hungria, Itália, Portugal, Suécia e Suíça, superando os dois divos e artistas do momento, como Olivia Rodrigo e Billie Eilish. O disco ficou em segundo lugar na Inglaterra e em terceiro nos Estados Unidos, posição mais alta que o grupo obteve nesse país em toda a sua carreira.

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

Seus trabalhos imediatamente anteriores também foram sucessos de venda globais: The Book Of Souls (2015) liderou as paradas em 24 países, enquanto The Final Frontier (2010) realizou a façanha em 19, incluindo Argentina, Brasil, México e Colômbia (onde Senjutsu ainda não foi lançado). Mas a verdadeira novidade é a acolhida que o álbum vem tendo por parte da crítica especializada, incluindo publicações tradicionalmente pouco entusiastas do heavy metal. No agregador Metacritic, que reúne notas da crítica anglo-saxã, o disco obteve 86 pontos em 100, cinco estrelas em cinco no The Guardian, quatro no NME e na Rolling Stone, e 7,4 em 10 no site Pitchfork. Na Espanha, nessa mesma semana a Rockdelux publicou uma crítica elogiosa ao álbum. Algo insólito, pois a revista quase nunca havia escrito sobre a banda britânica.

O Iron Maiden, formado em Londres no Natal de 1975, viveu aparentemente sua época de glória na primeira metade dos anos oitenta, quando se tornou o grupo mais popular do heavy metal, estilo que naquela época surpreendeu o mundo todo. Até hoje, pode-se dizer que somente os Beatles, os Rolling Stones e o Queen o superam em números de vendas dentro do rock britânico. Mas ninguém esperava essa longevidade e, sobretudo, essa ressurreição. No alvorecer do século XXI, quando se começava a decretar a morte do rock pela primeira ou segunda vez —depois chegariam muitas outras—, o Iron Maiden parecia um grupo completamente acabado, que só poderia aspirar a viver da nostalgia do que conseguira nos anos 80. “Eles estavam em total decadência. Pessoas de toda a Galícia, León e Astúrias tinham vindo aqui para vê-los, mas o som era horrível, e eles estavam no ponto mais baixo que havíamos visto”, diz Henrique García Rodríguez, sociólogo e seguidor do grupo, lembrando-se do show no estádio Os Remedios, em Ourense, em maio de 1998.

O Iron Maiden nos bastidores, durante o 'Killer World Tour', em Lynwood, Illinois, em 1981.
O Iron Maiden nos bastidores, durante o 'Killer World Tour', em Lynwood, Illinois, em 1981. Paul Natkin (Getty Images)

Naquela turnê, os Maiden tocaram também na praça de touros de Laguna de Duero (Valladolid), nos velódromos de Valência e San Sebastián, no Palácio dos Esportes de Madri e no Pavilhão Vall d’Hebrón em Barcelona. Todos eles eram lugares com capacidade mediana, contrastando com os atuais. Seu último show na Espanha foi no estádio Wanda Metropolitano em Madri, em 2018, e a próxima visita, prevista para 29 de julho de 2022, será no Estádio Olímpico de Barcelona. Segundo Joe Pérez-Orive, chefe de marketing na Espanha da megaprodutora Live Nation, existem no máximo (sendo generoso) 20 artistas no mundo que podem lotar um lugar como esse atualmente. Qual é, então, o segredo para que os integrantes do Iron Maiden estejam hoje em um patamar tão alto?

“Eles apostaram em ser conservadores e fizeram muito bem”, afirma Tito Lesende, jornalista especializado em música, que foi fã da banda na adolescência. Lesende era daqueles que esperavam a distribuição na loja de discos para levar seu primeiro exemplar de cada novo álbum. “Souberam administrar seu patrimônio. Para eles, foi suficiente oferecer discos com uma qualidade mais do que aceitável, dosificar seus lançamentos e se fortalecer nas turnês, onde exploram sua própria legenda. Os anos foram passando, e eles aguentaram com dignidade, do punk e dos subúrbios de Londres até ver suas camisetas à venda nas lojas da Inditex. A iconografia do Iron Maiden é cultura pop há muitos anos. Mesmo quando a banda descansa, sua imagem está em todas as partes”, diz o jornalista.

Essa análise é apoiada por uma rápida lista de celebridades que foram vistas em algum momento exibindo roupas com o logotipo da banda: Madonna, Maradona, Lady Gaga, Rihanna, Taylor Swift, Nicole Kidman, Kirsten Dunst, Justin Bieber, Drew Barrymore, Charlize Theron, Lindsay Lohan, Paris Hilton, Selena Gomez, David Beckham, Cameron Diaz, Michael Fassbender, Paul Gascoigne, Pilar Rubio…

Miley Cyrus e Lady Gaga com suas camisetas do Iron Maiden.
Miley Cyrus e Lady Gaga com suas camisetas do Iron Maiden.Instagram

Lesende recentemente escreveu sobre o grupo em seu livro Los 100 Mejores Discos de Rock en Directo (Os 100 melhores discos de rock ao vivo), citando o LP Live After Death (1985). “Acredito que esse álbum reúne tudo aquilo pelo qual o Iron Maiden será lembrado. Tudo o que é importante está lá, e o que veio depois é uma extensão protocolar, uma versão mais entediante da mesma fórmula”, diz ele. Outro seguidor profissional, o ilustrador Juanjo Sáez (cuja paixão pelos Maiden é refletida em sua coleção Hit Emocional e em sua série de animação Heavies Tendres), chega a dizer que “eles são, juntamente com a Sonic Youth, o grupo com mais etapas marcantes ao longo de sua própria discografia.”

Sáez acompanhou toda a carreira dos britânicos, embora também já longe de seu fervor adolescente. “Não curti muito os dois últimos [discos], mas entendo por que agradam. Eles criaram um mundo que conecta com cada geração de jovens, como a saga de Harry Potter e O Senhor dos Anéis. Tocam temas universais como a liberdade, a rebelião, a luta pela identidade, e fazem isso sem medo de parecerem ingênuos. Além disso, é preciso considerar o fator nostalgia para todos os que temos quase 50 ou 50 e poucos anos. É um produto infalível”, afirma o artista.

“O rock é um gênero clássico, e muitas de suas referências se projetaram no tempo como parques temáticos de si mesmos”, acrescenta Lesende. “É isso que são os Rolling Stones, o AC/DC e o Iron Maiden desde o final dos anos 80, quando os espetáculos de rock começaram a se transformar em experiências sociais. Em contraste com os outros grupos que mencionei, o Iron Maiden concentrou sua pegada gráfica na criação de fantasia: o monstro Eddie [mascote com aspecto de zumbi que protagoniza todas as capas do grupo e os acompanha no palco]. Isto lhe permitiu desenvolver uma série de possibilidades conceituais que impulsionaram seu apelo e suas capacidades de marketing. Eddie pode viajar ao espaço, ao Egito, ao futuro, ao mundo dos mortos ou, como agora, ao Japão. Nesse sentido, cada um de seus lançamentos tem caráter próprio e se transforma numa espécie de objeto de coleção. É um grupo de rock, sem dúvida, mas também um produto comercial como Star Wars, Cirque du Soleil e Harry Potter.

Show do Iron Maiden em Sonisphere, em 2019.
Show do Iron Maiden em Sonisphere, em 2019.KIKE PARA

Dentro da narrativa do rock, se tornou padrão o clichê promocional de afirmar que certos grupos (isso vale tanto para os heavies como para Extremoduro, Marea, Camela ou El Barrio) conseguiram manter um grande impacto popular sem o apoio da grande mídia e operando sempre alheios às tendências da moda. No caso do Iron Maiden, isso é apenas meia verdade. “O algoritmo do Spotify me vende seu novo álbum todos os dias. Também a outros colegas, incluindo alguns que nunca haviam clicado em suas músicas. As mídias heavies se voltam para eles porque são apóstolos na ativa e a presença do Iron Maiden e do monstro Eddie está latente o tempo todo; basta um estímulo comercial para que o vulcão entre em erupção”, diz Lesende.

“Eles têm um bom logotipo, um bom nome e boas campanhas de marketing à margem do estabelecido”, explica Juanjo Sáez. “Continuam parecendo autênticos e underground, sem serem, e fazem isso não aparecendo na televisão. Mas também funcionam como empresa, tudo é muito calculado e, por exemplo, e ao contrário do Metallica, não são contra a pirataria porque sabem que dependem da garotada que não tem dinheiro para comprar os seus discos, e que precisam deles para renovar seu público e encher estádios em países onde o poder aquisitivo é menor. São pessoas inteligentes, criaram sua própria maneira de fazer negócios com música e compuseram ótimas canções.”

Há outros aspectos que atestam a visão empresarial da banda britânica. Já em 1984 fizeram uma viagem histórica ao outro lado da Cortina de Ferro, os países da órbita soviética, antes da queda da URSS, o que lhes garantiu uma fidelidade quase religiosa entre o público do Leste Europeu. A América Latina e a Índia foram outros territórios cruciais para eles nos últimos anos. “Ter uma visão global é fundamental para um artista. Encontrar seus mercados e concentrar esforços neles é decisivo para seus resultados financeiros e o engajamento com os fãs”, afirma Joe Pérez-Orive. “Mas eu ousaria dizer que um dos motivos do êxito do Iron Maiden e sua relevância ao longo dos anos tem a marca de seu baixista e compositor principal, Steve Harris”, acrescenta. “Ele é um cara persistente e inteligente, se inspirou na carreira dos Beatles e sempre usou três elementos que sustentam o sucesso mundial do grupo: em primeiro lugar, uma imagem poderosa e transgressora. Em seguida, algumas canções grandiosas com apetite de hino contínuo, com letras sobre não se render ao inimigo e ajudar os fracos, que inspiram e levantam o ânimo, apoiadas em guitarras que cavalgam e sons supermelódicos. E, por fim, um show ao vivo trabalhado e estrondoso. Mais do que se adaptar ao entorno, o entorno se adaptou ao Iron Maiden”, conclui.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: