_
_
_
_

Dose de reforço da vacina contra a covid-19 é ampliada para toda a população adulta

Ministro da Saúde também anunciou a redução de seis para cinco meses do intervalo para o reforço. Brasil ultrapassou os Estados Unidos em taxa de vacinação completa

Uma mulher recebe a vacina contra a covid-19 em São Paulo.
Uma mulher recebe a vacina contra a covid-19 em São Paulo.Sebastiao Moreira (EFE)
Beatriz Jucá

Aviso aos leitores: o EL PAÍS mantém abertas as informações essenciais sobre o coronavírus durante a crise. Se você quer apoiar nosso jornalismo, clique aqui para assinar.

O Ministério da Saúde anunciou que ampliará a dose de reforço da vacina contra a covid-19 para todos os brasileiros com 18 anos ou mais de idade. Também informou que, a partir de agora, o intervalo para a dose de reforço será reduzido de seis para cinco meses após o fim da imunização completa. Antes, a dose de reforço estava autorizada apenas para a população idosa, para imunossuprimidos e para profissionais de saúde. “Temos doses suficientes para garantir que essas vacinas cheguem tempestivamente a todas as 38.000 unidades básicas de saúde do Brasil”, afirmou o ministro Marcelo Queiroga, durante o anúncio.

A decisão acontece no momento em que o Brasil ultrapassa os Estados Unidos em taxa de vacinação completa contra a covid-19. Dados compilados pela plataforma Our World in Data mostram que 59,8% dos brasileiros já estavam com o esquema vacinal completo contra o coronavírus. Já o índice dos Estados Unidos chegou a 57,6%.

O ministro Marcelo Queiroga mencionou o marco durante coletiva de imprensa na manhã desta terça-feira e celebrou o atual momento da pandemia. Mesmo assim, técnicos da pasta destacaram que tudo pode mudar e que o momento ainda é de prudência. “Temos que avançar ainda mais para que não aconteça o que está acontecendo em alguns países da Europa”, argumentou Queiroga. A Alemanha, por exemplo, considera implantar novas medidas restritivas para a população não vacinada diante do aumento de casos. Em Amsterdã, autoridades decidiram frear os preparativos para as festas de réveillon diante do recrudescimento da pandemia. Já a França voltou a exigir o uso de máscaras nas escolas.

O Ministério da Saúde também prepara uma campanha de vacinação para estimular que as pessoas aptas a tomar a segunda dose busquem os postos de saúde e, assim, completem o esquema vacinal e fiquem de fato protegidas contra o vírus. Segundo a secretária Extraordinária de Enfrentamento à covid-19 do Ministério da Saúde, Rosana Melo, mais de 21 milhões de pessoas estão aptas no país a receber a segunda dose, ainda sem atraso. E, do público que mais tem apresentado dificuldade de voltar para completar o esquema, estão jovens de 25 a 34 anos. Para ela, os motivos para isso são múltiplos e envolvem desde o medo dos efeitos adversos à questão econômica, com muita gente voltando a trabalhar e sem conseguir ir até o posto. “Temos discutido com Conass e Conasems para tentar diminuir este quantitativo”, afirmou. “Para o indivíduo garantir a sua imunidade, ele precisa tomar o imunizante conforme estabelecido”, acrescentou.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_