A febre do ouro na Venezuela miserável encontra o drama da malária

Nas zonas mineiras de Bolívar, no sul, moradores sofrem as consequências de uma doença que se considerava já controlada. Foram de 320.000 casos em 2019

Rosa Sabina Briceno, de 22 anos, junto a seu bebê no ambulatório de Santo Domingo, após dar a luz em um táxi.
Rosa Sabina Briceno, de 22 anos, junto a seu bebê no ambulatório de Santo Domingo, após dar a luz em um táxi.Adriana Loureiro Fernández
Bolívar (Venezuela) -

Quando se pensa em uma nação que está passando por uma grande crise política e econômica, a primeira coisa que vem à mente provavelmente não é ouro. Mas, em Bolívar, o maior estado da Venezuela, a mineração ilegal vem se desenvolvendo há anos e o metal amarelo tornou-se uma motivação para muitos venezuelanos seguirem para o sul do país, como uma última chance de ganhar a vida antes de voltar para casa ou fugir para o Brasil. Luis Henrique Ripa, por exemplo, vem diretamente da capital venezuelana, Caracas. Ele deixou sua família para trás para trabalhar como mineiro em Las Claritas, uma pequena cidade localizada no município de Sifontes, no estado de Bolívar. "É a segunda vez que venho aqui", diz ele quando alguém pergunta se já havia visitado a região. "Para ser sincero, não gosto muito, mas a oportunidade é muito tentadora. No primeiro dia em que cheguei, encontrei ouro. Algumas pessoas procuram durante meses até achar algo. Mas levou apenas um dia e eu interpretei isso como um sinal. Estar aqui é uma aventura, e o que você ganha vale a pena."

Mais informações

O fato de Luis agora estar de cama, com um grande gesso cobrindo a maior parte da perna direita, parece não ter mudado seu sentimento sobre a viagem. O homem continua sorrindo e tenta esquecer sua dor. No início da semana, ele quebrou a perna após sofrer uma queda livre de 11 metros dentro de uma mina de ouro. Luis pergunta a um médico local quando uma ambulância virá buscá-lo. Seus ferimentos são muito graves para serem tratados no ambulatório local onde ele está agora; terá que ser transferido para um hospital para receber tratamento adequado. Deitado na cama ao lado dele está outro jovem, chamado Yordan Pentoja. Yordan não caiu, mas ficou doente. O paciente de 27 anos de idade também está sendo tratado no ambulatório para um tipo grave de malária. Ele diz que foi diagnosticado com a doença uma dúzia de vezes desde que começou a trabalhar na mina, há mais de um ano e meio.

“A malária é como uma praga aqui. Tenho tantos amigos e colegas que já pegaram a doença que parei de contar”, observa. Ele fecha os olhos e acrescenta: “Vim ao ambulatório hoje de manhã porque comecei a me sentir muito mal. Minha cabeça e estômago doem como o inferno." Cinquenta anos atrás, a Venezuela foi apontada como um dos principais países da América do Sul na batalha contra a malária. E, embora a doença não tenha sido completamente erradicada, foram feitos esforços para reduzir drasticamente o número de casos no país. Mas, nos últimos anos, a malária reapareceu na Venezuela. De fato, em 2019, o país foi classificado como o mais afetado da América Latina, com mais de 320 mil casos diagnosticados. “Veja, este lugar é onde tudo começou. Ou onde tudo terminou, tudo depende de como você olha para isso”, explica Yorvis Ascanio, um inspetor de saúde pública que trabalha para o programa nacional de malária em Bolívar. Lá, no município de Sifontes, a malária agora é endêmica. “Quando a crise econômica atingiu a Venezuela, também afetou muito as pessoas em Sifontes. No princípio, começamos a ter cada vez menos medicamentos em nosso estoque. Logo tivemos que escolher a quem dar o pouco que tínhamos e focar apenas em casos graves. E foi a mesma situação em outros ambulatórios e pontos de diagnóstico. Trabalho nesta região há 12 anos. Eu vi os altos e baixos deste lugar. Mas esse período foi extremamente difícil para nós".

Em 2016, Médicos Sem Fronteiras (MSF) começou a intervir em Bolívar em apoio ao Programa Nacional de Malária, em colaboração com o Ministério da Saúde. Desde então, a organização apoia vários pontos de diagnóstico em Bolívar e ajuda no fornecimento de tratamento adequado para pacientes com malária. Por um ano, MSF também trabalhou com o Instituto de Malária em Carúpano, no estado de Sucre, ampliando sua capacidade de combater a doença no país. "Em Bolívar, também ajudamos no que chamamos de controle vetorial: fumigamos casas e distribuímos mosquiteiros à população, para reduzir o risco de infecção", explica Josué Nonato, promotor de saúde de MSF. "Meu trabalho é explicar às pessoas como identificar os sintomas da malária e o que fazer quando começarem a ficar doentes, para garantir que possam ser tratadas antes que a doença se torne grave demais". Em 2019, MSF sensibilizou mais de 55 mil pessoas por meio de sessões de promoção de saúde na área.

A organização também tratou mais de 85 mil pessoas contra a malária, distribuiu mais de 65 mil mosquiteiros, pulverizou 530 casas e ajudou a realizar mais de 250 mil testes de diagnóstico da malária. Desde então, o número de casos diminuiu aproximadamente 40% no município de Sifontes. Para alcançar esses objetivos, a estratégia de MSF tem sido chegar o mais próximo possível das pessoas que podem ser afetadas pela malária. É por isso que a maioria dos pontos de diagnóstico e tratamento que a organização monitora em associação com o Programa Nacional de Malária está localizada diretamente nas minas. "Às vezes, tínhamos mais de 200 pessoas na fila em frente aos pontos de diagnóstico e muitos infectados com malária tiveram que ir ao ambulatório porque não havia tratamento disponível".

"Agora a situação é um pouco mais estável", diz Monserrat Barrios, bioanalista do MSF encarregada de treinar novos técnicos em microscópios nos pontos de diagnóstico. Neste ano, o MSF também começou a apoiar um ambulatório local em Las Claritas, chamado Santo Domingo. Inicialmente construído para uma população de 20 mil pessoas, agora precisa atender às necessidades de mais de 75 mil pessoas que vieram morar na área nos últimos anos. Lá, o MSF tem apoiado a prevenção, o diagnóstico e o tratamento da malária, mas também está ampliando seu apoio para atender a outras necessidades.

Fanny A. Castro, coordenadora de atividades médicas do MSF, explica: “Sabemos que outros departamentos também precisavam de ajuda para lidar com o número de pacientes, incluindo pessoas com doenças crônicas ou caso precisassem de encaminhamento para outros hospitais. Agora estamos concentrando mais esforços em cuidados de saúde sexual e reprodutiva, com serviços como planejamento familiar e partos. Em geral, queremos fazer a diferença aqui e aumentar as chances da população de acessar serviços de saúde. Também instalamos um sistema de gestão de resíduos e pontos de água limpa em torno do ambulatório, o que melhora muito a qualidade dos cuidados prestados."

No entanto, as necessidades vão muito além de Las Claritas e do município de Sifontes. A crise econômica da Venezuela impactou profundamente o sistema de saúde em geral e é sentida em quase todo o país. MSF tenta responder às necessidades mais latentes de diferentes estados da Venezuela. A organização está presente no país desde 2015 e, além de Bolívar, suas equipes trabalham atualmente na capital, Caracas, e nos Estados de Sucre, Amazonas, Anzoátegui e Delta Amacuro. Além disso, prestam assistência médica e psicológica aos refugiados e solicitantes de asilo venezuelanos que cruzaram a frontera com o Brasil e a Colômbia.

Jean Hereu é coordenador-geral de Médicos Sem Fronteiras na Venezuela.

A seção Em Primeira Linha é um espaço no Planeta Futuro para que membros de ONGs ou instituições que trabalham no terreno narram suas experiências pessoais e profissionais com relação ao impacto de sua atividade. Sempre são escritos em primeira pessoa e a responsabilidade do conteúdo é dos autores.

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: