Crise na Bolívia

A senadora Jeanine Áñez assume a presidência da Bolívia sem quórum no Parlamento

A segunda vice-presidenta do Senado recebe apoio dos partidos da oposição enquanto dois terços da Câmara, fiéis a Evo Morales, rejeitam a sucessão. Brasil reconhece nova presidenta

Jeanine Añez, senadora e líder da oposição, em uma coletiva depois da saída de Morales do país.
Jeanine Añez, senadora e líder da oposição, em uma coletiva depois da saída de Morales do país.MARCO BELLO / REUTERS

Mais informações

A Bolívia tem desde a noite desta terça-feira, pelo menos no papel, um novo presidente após a renúncia de Evo Morales. É a segunda vice-presidenta do Senado, a opositora Jeanine Áñez. Sucedeu de forma provisória ao ex-presidente, mas a transição foi aprovada apenas por um terço do Parlamento, o órgão responsável pela formalização da transferência. A senadora assumiu o cargo sem quórum após uma avalanche de demissões entre os sucessores previstos pela Constituição. O Movimento ao Socialismo (MAS), o ex-partido do governo e maioria na Câmara e no Senado, não participou da votação num gesto de rejeição.

O chanceler Ernesto Araújo, já anunciou que o Brasil reconhece Áñez como presidenta interina. "Essa é a nossa percepção, de que a Constituição boliviana está sendo seguida", disse o chanceler brasileiro, destacando o compromisso da senadora de convocar eleições. "Então nossa primeira percepção é que está sendo cumprido o rito constitucional boliviano, e queremos que isso contribua para pacificação e a normalização no país", disse Araújo.

Já o ex-presidente boliviano aplaudiu a decisão de sua bancada e, do México, onde chegara algumas horas antes, atacou seus adversários. “Parabenizo nossas irmãs e irmãos da assembleia do MAS-IPSP por agirem com unidade e dignidade para rejeitar qualquer manipulação do direito racista, de golpe e de vender a pátria. Continuamos unidos na defesa da democracia, do Estado de Direito, da vida e do país ”, escreveu ele no Twitter.

Morales pediu asilo a Andrés Manuel López Obrador, deixou a Bolívia e, após sua renúncia, também renunciou o vice-presidente Álvaro García Linera, presidente do Senado, os primeiros vice-presidentes e o chefe da Câmara dos Deputados. No entanto, era lá, no ramo legislativo, onde estava a solução que deveria levar, segundo a Constituição, à convocação urgente de novas eleições. Nesse processo, os representantes do MAS que finalmente questionaram a legitimidade do voto seriam decisivos.

A Câmara discursou sobre a transição com o nome de Añez na mesa. A senadora foi eleita nas fileiras da oposição e foi responsável por tecer o consenso necessário para o desbloqueio, mas não obteve êxito, o que agora gera um cenário muito incerto e aprofunda o choque de forças. Ela jogou algumas mensagens que colidiram entre si. Por um lado, garantiu que os parlamentares do MAS haviam se comprometido a participar da sessão e estava convencida de que a votação teria o quórum. Por outro lado, lançou uma acusação genérica e denunciou uma tentativa de bloquear a sessão. "Sabemos e infelizmente eles querem boicotar as sessões já convocadas", afirmou. Durante seu discurso, ela prometeu "convocar novas eleições o mais rápido possível" com instituições independentes.

A senadora fez um chamado pela governabilidade e pediu para que o paiía deixe o bloqueio. No entanto, ela agora encontrará a perfeita resistência dos seguidores de Morales e de seus representantes políticos, que acreditam que a renúncia do líder indígena, forçada pelo comandante em chefe das Forças Armadas, é o resultado de um golpe de Estado.

"Um golpe de Estado ocorreu antes de 20 de outubro", disse a líder da bancada do MAS na Câmara, Betty Yañíquez, em declarações à mídia. "Prova disso é que atualmente temos as Forças Armadas em nossas ruas", acrescentou antes de garantir que sua bancada não pretendia impedir a transição. “Sempre trabalharemos pela viabilidade de uma saída constitucional. Em nenhum momento iremos trabalhar contra o povo. Para nós não há diferenças. Estamos predispostos a dar uma saída constitucional. Eu quero que isso seja muito claro. Solicitamos as mais amplas garantias para poder atender, porque é de conhecimento público que as barricadas continuam”, continuou.

A demissão de Morales, anunciada no domingo à noite, acelerou os eventos e a tensão que levou ao caos e episódios de violência descontrolada. As Forças Armadas foram às ruas para apoiar a polícia nos tumultos, especialmente em La Paz e no município contíguo de El Alto. A apreensão diminuiu na manhã de terça-feira, apesar de o principal centro sindical, que inicialmente apoiou a saída de Morales, ameaçar convocar uma greve. Enquanto isso, todos aguardavam a chegada do ex-presidente no México, onde ele entrou como asilado político. Antes de partir, prometeu voltar com mais força e energia e, ao conhecer os procedimentos da sucessão, iniciou seus ataques a Áñez: “O golpe mais astuto e desastroso da história foi consumado. Uma senadora de direita golpista se declara presidenta do Senado e depois presidenta interina da Bolívia sem um quórum legislativo, cercada por um grupo de cúmplices e apoiada pelas Forças Armadas e polciais que reprimem o povo.”

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50