Rotina de segurança do condomínio de Bolsonaro envolve dois porteiros por vez

Por ora, investigação sobre Marielle ouviu apenas um funcionário, que citou casa do presidente, o que não aparece em gravações em poder das autoridades. Promotora que fez campanha para mandatário se afasta do caso

Carmen Carvalho, da equipe do MP do Rio que investiga o caso Marielle, com camisa da campanha de Bolsonaro.
Carmen Carvalho, da equipe do MP do Rio que investiga o caso Marielle, com camisa da campanha de Bolsonaro. Reprodução/Instagram

No condomínio Vivendas da Barra, na zona nobre do Rio de Janeiro, moradores e até mesmo vendedores ambulantes das redondezas sabem qual foi o porteiro que mencionou o presidente Jair Bolsonaro ao depor aos investigadores do caso Marielle Franco. Trata-se de um homem que é o mais antigo funcionário do local, que falou às autoridades durante suas férias, que ainda estão em curso. Embora só ele tenha prestado depoimento, a rotina regular do condomínio conta com dois porteiros por turno. Quando um visitante chega de carro, um porteiro caminha até o veículo para ser informado qual o número da casa de destino; recebida a resposta, outro porteiro da guarita se encarrega de interfonar para o morador e receber a autorização de entrada.

MAIS INFORMAÇÕES

Os relatos que o EL PAÍS obteve sobre a rotina de segurança do condomínio dão conta, portanto, de que pelo menos dois porteiros atuam por vez a cada nova entrada no Vivendas de Barra, levantando a hipótese de que mais de um funcionário pode ter participado da recepção do ex-policial militar Élcio de Queiroz, preso acusado de participar diretamente no assasinato de Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, em março de 2018. Segundo o depoimento que o porteiro mais experiente do local deu à polícia, Queiroz solicitou e foi autorizado a entrar por alguém na casa 58, lar do então deputado federal Jair Bolsonaro, que foi identificado pelo porteiro em depoimento como "Seu Jair". Queiroz acabou, no entanto, se dirigindo à propriedade de Ronnie Lessa, acusado de ter atirado na vereadora, que fica a poucos metros da casa de Bolsonaro. De acordo com os investigadores, momentos depois, Queiroz e Lessa partiram juntos do local para assassinar a política do PSOL.

Até agora, a Promotoria do Rio só falou publicamente a respeito do depoimento de um porteiro, o mesmo que anotou manualmente a solicitação de Queiroz para supostamente entrar na casa de Bolsonaro. Se ficar confirmado que outro funcionário atuou no episódio e ainda não foi ouvido, haverá uma nova lacuna em uma investigação com falhas já apontadas. De acordo com as promotoras do caso, o porteiro que falou à polícia mentiu, porque nem suas declarações nem o que anotou manualmente no livro de controle de visitantes condizem com as gravações da sistema de segurança em poder das autoridades. Um laudo anexado aos autos do caso, no entanto, mostra que a Promotoria não examinou a possibilidade de que os arquivos de áudio que tratam da entrada de visitantes no Vivendas da Barra tenham sido alterados antes de terem sido enviados às autoridades. Além disso, a perícia aponta que a voz que autoriza a entrada de Élcio Queiroz é a de Ronnie Lessa, mas a voz do porteiro que conversa com o antigo morador não foi analisada. Era a do mesmo funcionário que depôs e mencionou o presidente Jair Bolsonaro?

Os elos do porteiro e afastamento da promotora

Uma fonte que conhece o trânsito do condomínio disse que o presidente e o porteiro demonstravam boa convivência. “Eles tinham bom relacionamento”, afirmou. “Armaram pro porteiro”, acrescentou sem apresentar hipóteses ou dados para corroborar a afirmação. Corre pelo Vivendas da Barra a informação de que o porteiro, que se tornou peça chave na investigação, prestou três depoimentos sem a presença de seus advogados e durante suas férias — que ainda estão em curso, o que indica que seu comparecimento foi recente. As promotoras que conduzem o caso, porém, falaram em apenas dois depoimentos.

O EL PAÍS também apurou que o funcionário se dava bem com o clã Bolsonaro — que é de forma geral bem visto pelos moradores do condomínio. Por que ele teria mentido, sendo um funcionário tão antigo, se arriscando em um caso tão grave como a morte de Marielle e Anderson? Ao serem questionadas sobre por que razões o porteiro teria pra mentir, as promotoras disseram que isso ainda ia ser apurado. Elas não responderam se ele poderia ter sido ameaçado por Lessa ou seu entorno.

A resposta, que ainda precisa ser esclarecida pelo Ministério Público, pode também estar nas falhas da própria investigação. Os investigadores só souberam da existência da planilha de visitas do local em outubro deste ano, depois que receberam dados extraídos do celular de Ronnie Lessa em uma perícia feita pela empresa israelense Cellebrite, solicitada pela Promotoria. Questionada se a planilha poderia ter sido apreendida antes, quando Lessa foi preso, a promotora Letícia Emile admitiu: "Foi um erro de análise".

Nas mensagens extraídas do celular de Lessa, os investigadores observaram que sua mulher, Elaine, enviou para ele uma foto da planilha de visitantes do condomínio referente ao dia do assassinato de Marielle, demonstrando preocupação com isso, e afirmou: "Fala com o Elcio". A foto da planilha foi enviada em fevereiro deste ano, praticamente um mês antes de Lessa ser preso acusado de matar Marielle. Os investigadores ainda não esclareceram se Lessa e sua mulher tentaram fazer algo com a planilha do condomínio ou se agiram para cooptar alguém no local. A mulher de Lessa também foi presa recentemente, acusada de obstrução de Justiça, porque foi identificado que ela estava ajudando a descartar no mar armas adquiridas pelo ex-policial.

Nesta sexta-feira, o grupo que atua na elucidação do crime e está sob forte escrutínio sofreu uma baixa. A promotora Carmen Carvalho decidiu se afastar das investigações do assassinato após ser revelado por Leandro Demori, do The Intecercept, que ela havia feito campanha para Jair Bolsonaro e posado ao lado do deputado estadual Rodrigo Amorim (PSL-RJ), que quebrou a placa em homenagem à política executada. "Minha opção de me afastar do caso reside no profundo respeito aos pais da vítima, que já sofrem com a mais dura dor, que é a perda de um filho. Não me permito que a esse sentimento se some qualquer intranquilidade motivada pela condução da ação penal, que se espera exitosa", disse em nota.