Oposição húngara se une pela primeira vez e derrota partido de Orbán em Budapeste

Partidos de oposição se aliaram em torno de candidaturas únicas nas grandes cidades e garantiram vitória inédita em Budapeste sobre partido do atual primeiro-ministro

Gergely Karacsony, vencedor das eleições de Budapeste, vota neste domingo.
Gergely Karacsony, vencedor das eleições de Budapeste, vota neste domingo.ATTILA KISBENEDEK (AFP)

A oposição húngara governará Budapeste. Com 74% das urnas apuradas, o sociólogo ecologista Gergely Karácsony, 44 anos, conseguiu 50,1% dos votos nas eleições municipais deste domingo, derrotando o atual prefeito István Tarlós, 71 anos. Este último era candidato do partido Fidesz, do ultradireitista primeiro-ministro, Viktor Orbán. Trata-se de uma vitória insólita e de grande potência simbólica, já que nem Orbán nem seu partido conheceram a derrota em nenhumas eleições da Hungria nos últimos nove anos.

Mais informações

A perda do controle da capital, o centro político e econômico do país, significa um avanço considerável para uma oposição que, depois de anos dividida e debilitada, decidiu se unir em torno de candidatos únicos nas grandes cidades. A estratégia funcionou na capital, onde as últimas pesquisas tinham previsto um empate. Isso por si só já era extraordinário. A batalha de Budapeste foi pedida por Orbán e seu partido, arranhando consideravelmente seu domínio político no país.

Budapeste é a cidade mais povoada da Hungria, com 1,7 dos quase dez milhões habitantes do país. Diferente do forte apoio que Orbán tem no campo, na capital milhares de pessoas ocuparam as ruas no início deste ano para se manifestar contra uma reforma trabalhista e contra o autoritarismo do primeiro-ministro desde que chegou ao poder, por maioria absoluta, em 2010. Desde então, enfrentou Bruxelas, fragilizou a independência de todas as instituições do país, desde os juízes à imprensa e o mundo acadêmico, e lidera uma cruzada xenófoba na Europa.

Durante a campanha para as eleições municipais deste domingo, o partido de Orbán, Fidesz, limitou-se a explorar a retórica contra os imigrantes que tão bem estava funcionando desde 2015. Centrou-se em alertar contra a imigração em um país onde mal há imigrantes e que se nega a acolher refugiados. Mas a oposição mudou de estratégia: uniu-se contra um adversário comum, algo que não conseguia em todos estes anos de derrotas. Também focou sua mensagem no plano simbólico. Na campanha, o próprio Karácsony, recém eleito prefeito, comparava no diário britânico Financial Times a oportunidade que tinha neste domingo com a vitória da oposição turca em junho em Istambul contra o partido do presidente, o autoritário Recep Tayyip Erdogan.