“Quase 40% das pessoas sofrem com as consequências do apego inseguro”

Rafael Guerreiro e Olga Barroso reúnem em um livro 12 contos originais para ensinar aos adultos a importância do apego seguro e quais passos seguir para alcançar o bem-estar emocional

GETTY

Os Neuroduends, o MurbeM, o Desvão das Lembranças, a Emocicleta ou então o camaleão, o musaranho e o golfinho que compõem a tripulação cerebral são alguns dos personagens que povoam os Cuentos para el Desarrollo Emocional (Histórias para o Desenvolvimento Emocional). Um livro de histórias concebido para ajudar os adultos a desenvolver o apego seguro tanto para si mesmos quanto para seus filhos.  São 12 histórias que pretendem ensinar os leitores a aprender a entender e administrar corretamente as emoções. Conversamos sobre tudo isso com Rafael Guerrero, formado em Psicologia Clínica e da Saúde e coautor do livro.

Pergunta: Por que escrever um livro sobre desenvolvimento emocional?

Mais informações

Resposta: Por um duplo motivo. Em primeiro lugar, porque toda a pesquisa relacionada ao apego chega à conclusão de que 40% das crianças, adolescentes e adultos têm um "apego inseguro", ou seja, a maneira como se relacionam com os outros é insegura. E isso os leva a situações de ansiedade.

A ideia de que o apego só afeta bebês e crianças é um mito, pois começa no nascimento e dura toda a vida. Isso acontece porque os recém-nascidos e as crianças precisam de outras pessoas para sobreviver, enquanto os adultos, embora continuemos nos conectando, têm mais recursos e habilidades para enfrentar as situações do dia a dia. O recém-nascido não é consciente disso, mas sabe que sua sobrevivência depende de um terceiro; as crianças são dependentes da natureza, e os adultos tendem à independência.

Por outro lado, acreditamos que fazer um livro de histórias é uma maneira de sensibilizar as pessoas, com uma linguagem simples e clara, mas ao mesmo tempo científica, sobre a importância dos vínculos de apego. Em nosso consultório nos dedicamos a reparar vínculos de apego com pacientes de todas as idades. [No livro] damos os elementos-chave para nos vincularmos de maneira segura com nossos filhos (ou com os demais, que no fim é a mesma coisa).

P: E por que histórias?

R: O ser humano sempre precisou contar e ouvir histórias, porque a história envolve uma narrativa, um relato que coloca ordem e coerência em algo que é caótico. E o fato de incluirmos emoções, afetos e sentimentos nas histórias faz com que estes perdurem mais no tempo.

Além disso, nem sempre é fácil falar sobre nós. Quando uma pessoa tem de falar sobre seus traumas, lhe é muito difícil. Portanto, o fato de podermos contar a história de um terceiro ao qual aconteceu algo semelhante o torna mais fácil; ajuda a pessoa a se identificar com o personagem e, por exemplo, faz com que ela veja que não é a única que sofreu abuso sexual. Essas histórias também servem situações de abuso e maus-tratos. Você sabia que cerca de 20% das crianças na Espanha são vítimas de situações de maus-tratos?

P: O que as doze histórias do livro pretendem promover?

R: Elas falam de desenvolvimento emocional. A ideia é empoderar a criança, mas também o adolescente e o adulto. São histórias voltadas para os adultos, para que possam entender de maneira mais descritiva o que esse capítulo explicou de forma teórica, e promovem o vínculo e a segurança. O objetivo é fazer com que as pessoas entendam que as crianças são dependentes e precisam que nos vinculemos a elas para lhes proporcionar contextos de segurança e proteção.

Outro aspecto igualmente necessário é não superprotegê-las. É preciso escolher um ponto intermediário: em alguns momentos a autonomia deve ser incentivada (de acordo com a idade da criança, de maneira adequada) e, em outros, a proteção, o vínculo e o carinho. É importante que saibam que confiamos nelas e que sabemos que o erro é parte do processo... Tudo isso nos ajuda a entender a importância do vínculo seguro e da correta regulação das emoções.

P: O que é educação emocional?

R: Educar nas emoções, simplesmente. Quando o mamífero (não apenas o ser humano) nasce, tem a capacidade de expressar emoções, mas o que temos de ensinar aos nossos filhos, e eles aprender conosco e de nós, é identificar suas próprias emoções e as dos outros. Quando conseguem etiquetar uma emoção, passarão por diferentes fases antes de chegar à última, na qual aprenderão a autorregular suas próprias emoções. No princípio não podem fazer isso sozinhos, e essa função cabe aos pais, professores e à sociedade.

P: Então, a pergunta como pais é qual é a melhor maneira de fazer isso?

R: O problema da educação emocional é que se aprende com outra pessoa. Os livros oferecem alguns pilares teóricos para poder entender, mas para desenvolver essas habilidades (por exemplo, a empatia), se deve fazer isso socializando com outras pessoas, conversando, discutindo, tendo relações sexuais e assim por diante.

O processo envolve pais e filhos e pode ser resumido assim: a primeira coisa é saber o que é uma emoção, para depois aprender a identificá-la e reconhecê-la. É fundamental legitimar a emoção, normalizá-la e não tratá-la como algo disfuncional na criança, pois, como mamíferos, não decidimos o que sentimos e o que não sentimos; as emoções simplesmente ocorrem. O passo seguinte seria refletir sobre a emoção, pensar no que estou experimentando e por que estou sentindo isso. Todo esse processo possibilitará que eu possa me ocupar agora de regular essa emoção; são fases universais que valem para todas as idades. Se eu não tenho inteligência emocional suficiente, não posso ensiná-la aos meus filhos.

P: Por que isso é importante?

R: A população, em geral, sofre por muitas razões e existe pouca qualidade de vida. Quase quatro em cada 10 pessoas sofrem as consequências desse apego inseguro: insegurança, ansiedade, incerteza, baixa autoestima e má regulação das emoções, pouca capacidade de resiliência e dificuldade para resolver conflitos pessoais, profissionais ou sociais... Se um pai ou uma mãe, que são as primeiras figuras na vida da criança, não a ensinaram a se vincular consigo mesma e com os outros, não terão as habilidades necessárias para se relacionar com os outros.

Com um apego inseguro, você tende a evitar as emoções e tudo o que implique sentimentos. Não são pessoas que falam sobre suas emoções e as subestimam: a ideia clássica de que mostrar as emoções não é coisa de homem. São ideias absurdas, mas que ainda existem na sociedade.

P: De quais formas se expressa o apego inseguro?

R: Podemos falar de três tipos diferentes. Por um lado, existe o apego evitativo. Como o nome indica, uma pessoa nessa situação rejeita tudo o que tem a ver com as emoções. Está muito relacionado com o modelo de pai autoritário e machista, que representa 20% da população. Aqui não se promove absolutamente o vínculo, a parte emocional, ao contrário, se insiste exageradamente na autonomia.

Em segundo lugar, teríamos a situação oposta, a do apego ansioso-equivalente. Em vez de promover a autonomia, se insiste no vínculo. É o caso dos pais superprotetores, aqueles que estão sempre em cima da criança, hiperprotegendo-a. São pais muito imaturos, que respondem de acordo como estão eles, não seus filhos: se tiveram um bom dia, eles os atendem; do contrário, não. O pai ansioso-ambivalente projeta seus medos na criança e é condicionado por seus próprios meios, de maneira que vê situações de perigo que não o são tanto, e age em conformidade.

O último tipo é o do apego inseguro, cerca de 10% da população. Não se promove nem o vínculo nem a autonomia; é onde encontramos casos de abandono, maus-tratos, abuso, negligência... Uma porcentagem importante dos pais tem psicopatologias como esquizofrenia ou transtornos bipolares.

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: