Rússia

O xamã que percorreu 3.000 quilômetros a pé e juntou uma legião para exorcizar Putin

Rússia investiga por extremismo um siberiano que reuniu dezenas de seguidores em sua caravana a pé a Moscou e se transformou em uma celebridade nas redes sociais

Alexander Gabyshev posa em algum ponto do caminho, em uma fotografia de suas redes sociais.
Alexander Gabyshev posa em algum ponto do caminho, em uma fotografia de suas redes sociais.

Mais informações

Alexander Gabyshev começou a andar em março desse ano rumo a Moscou de sua cidade natal (Lacútia, no leste da Rússia). Autoproclamado “xamã guerreiro”, o siberiano de 51 anos tem como objetivo chegar à capital para exorcizar o “demoníaco” presidente russo, Vladimir Putin. Percorreu a pé quase 3.000 quilômetros, um pouco menos da metade do caminho, ganhando dezenas de seguidores em sua caravana quando foi preso na noite de quinta-feira no acampamento em que pernoitava em Buriatia. Agora, as autoridades russas, cada vez mais inquietas em relação a qualquer forma de protesto, investigam o xamã por extremismo, o que se transformou em uma celebridade nas redes sociais.

Gabyshev, com suas longas barbas e seu discurso de profeta, afirmou que só atende ao chamado da natureza. “Deus me disse que Putin não é um homem e sim um demônio e que devo exorcizá-lo”, disse várias vezes o xamã à imprensa russa, em que afirmou que seu objetivo é formar um “exército” de seguidores para que o ajudem em sua tarefa. “Não pode existir democracia com um demônio”, costuma dizer o homem, que se define como cristão e como “preservador” das tradições do povo iacuto. Em algumas comunidades culturais e religiosas da Sibéria, os xamãs são figuras muito respeitadas, e se acredita que têm acesso a outros níveis de consciência espiritual.

O grotesco do caso e sua prisão levantaram uma nuvem de pólvora nas redes sociais e na imprensa independente russa. Cada vez mais preocupada com qualquer sintoma de oposição, a repressão ficou mais forte na Rússia ao ritmo em que os protestos e o descontentamento social aumentaram. Tanto que até o caso mais surrealista é esmagado. E durante os últimos meses, o xamã guerreiro gerou mais atenção e reuniu seguidores a sua caravana. Um de seus encontros em Chita, pedindo para formar “assembleias locais” e gravado em vídeo, viralizou em poucos dias.

No começo desse mês, uma de suas reuniões em Ulan-Ude se transformou em um enorme protesto contra os resultados das eleições locais um dia antes. O resultado foi a prisão de vários dos admiradores do xamã, dos quais também foram confiscados vários veículos com os quais apoiavam a caravana.

Gabishev caminha com seu cão por Moscou.
Gabishev caminha com seu cão por Moscou.

Após a prisão, as autoridades colocaram Gabyshev em um avião e o enviaram diretamente à Lacútia. Lá, ficou algumas noites em um hospital psiquiátrico, de acordo com informações da imprensa local. Já recebeu alta, mas agora as autoridades o investigam por extremismo por suas mensagens sobre o presidente russo, de acordo com a organização Rússia Aberta, que se envolveu em seu caso.

“As ações do xamã podem ser excêntricas, mas a resposta das autoridades russas é grotesca. Têm realmente medo de seus poderes mágicos?”, disse a responsável da Anistia Internacional na Rússia, Natalia Zviagina, que criticou a prisão de Gabyshev, que define como um “sequestro”. A organização critica a violação de seus direitos humanos e o direito à liberdade religiosa. O advogado e blogueiro anticorrupção Alexei Navalny, uma das faces da oposição russa mais visíveis no ocidente, ironizou o caso do “xamã guerreiro”. “Putin está assustado”, disse em um vídeo publicado em suas redes sociais. “[O presidente] tinha tanto medo do xamã iacuto que o homem foi preso por 20 pessoas com metralhadoras”, disse.

Pouco se sabe da história pessoal do xamã guerreiro, que enfrentou a oposição das organizações de xamãs siberianos. Algumas dessas o tacharam de impostor. Outras chamaram sua atenção argumentando que os líderes espirituais não devem se envolver em política. Formado em História, já comentou que preferia se dedicar a outras tarefas: soldador, gari, eletricista, conta o site independente Meduza. Quando sua esposa morreu de câncer anos atrás foi viver nos bosques. Morou lá por três anos, até se impor a missão de retirar Putin do poder através de um exorcismo.

O xamã guerreiro disse agora que pretende “descansar” na Lacútia com sua família, durante uma temporada. Pelo menos até que se esclareçam “as ações de investigação e judiciais” contra ele. Em um vídeo publicado na Internet, pediu a seus seguidores que não continuem sua caminhada sem ele. Pode ser que logo a retome.