Coluna
i

Somente uma diplomacia de paz e não de guerra pode reconstruir a imagem do Brasil no mundo

O Brasil está em uma encruzilhada, e precisa embaixadores capazes de pressionar o Governo ultradireitista atual para não ultrapassar os limites da democracia

ADRIANO MACHADO (REUTERS)

Desde os tempos da ditadura militar, nunca a imagem do Brasil no mundo se encontrou tão deteriorada como hoje. No passado foi uma diplomacia séria, preparada e de paz e não de guerra que projetou no mundo o rosto amável, festivo e multicultural do Brasil. Hoje essa imagem está deformada. Como recuperá-la? Somente com uma diplomacia como a do passado, reconhecida e respeitada no exterior.

Se esse país hoje é visto aos olhos do mundo como em guerra contra si mesmo, com a política e a cultura surradas por ideias obscurantistas, com políticos e intelectuais que querem deixar o país, o que ele precisa é de uma diplomacia capaz de devolver sua melhor face, a deteriorada por políticas de exclusão e esquecimento do social. Até o Presidente do Congresso, Rodrigo Maia, de centro, criticou o Presidente da República, Jair Bolsonaro, ao afirmar que “não tem uma preocupação, uma palavra ao brasileiro pobre”. De acordo com ele, Bolsonaro “só se preocupa pelas corporações, as que não passam fome e não ficam desempregadas”.

Mais informações

Com um Brasil assim, existe o perigo de que sua diplomacia se endureça com diplomatas ideologizados, com mais vontade de guerrear do que de criar um clima de paz. Desde os tempos mais antigos até hoje a diplomacia foi se forjando, em todo o mundo, com bandeiras de paz e diálogo, não de confronto e divisões. Um exemplo atual vem das Coreias do Norte e do Sul. Somente uma diplomacia à altura de sua missão, que é forjar a paz e evitar a guerra, tornou possível que os dois países não tenham entrado em um horroroso conflito armado.

Procurem todas as definições de diplomacia e verão que se resumem nessa: “Agir com diplomacia é respeitar o próximo, sabendo lidar pacificamente diante das diferentes situações e comportamentos”. A diplomacia sempre aparece associada a uma missão de paz e não de guerra. No Código de Manu, o monumento mais antigo do Direito Internacional chegado até nós do Antigo Oriente, já aparece que “a arte da diplomacia é capaz de impedir as guerras e fomentar a paz”.

Não parece que no Brasil de hoje a diplomacia que se quer implantar seja a da paz. É a do confronto, guiada por diplomatas que querem que o país volte às teocracias do passado dando mais importância à Bíblia do que à Constituição. O último exemplo visto pelo país da mudança em sua missão diplomática, que só preocupa, é que o Presidente Bolsonaro tenha indicado como embaixador em Washington seu filho Eduardo, de 35 anos, deputado federal, sem nenhuma preparação no mundo diplomático e conhecido por suas ideias ultradireitistas beligerantes e suas bravatas que chegaram a constranger seu próprio pai que acabou pedindo desculpas por ele. Foi quando ao final da campanha eleitoral em que Bolsonaro já aparecia como favorito seu filho Eduardo afirmou que se fosse preciso fechar o Supremo Tribunal Federal bastavam “um cabo e dois soldados”, o que lhe valeu a conotação de “golpista” por parte do decano do Supremo, Celso de Mello.

Na mesma campanha a favor de seu pai, dirigindo-se às mulheres de seu partido, o PSL, disse textualmente: “As mulheres de direita são mais bonitas do que as de esquerda”, e acrescentou: “As de direita são mais higiênicas. Elas não mostram os peitos e não defecam na rua”.

O Brasil está em uma encruzilhada quando o que mais precisa é de embaixadores no exterior, capazes de pressionar o Governo ultradireitista atual para não ultrapassar os limites da democracia. Os governos passam e o país, em seu interior, é sempre melhor do que as caricaturas apresentadas pelos políticos. E serão os diplomatas, de forte componente democrático e diálogo, de direita e esquerda, os encarregados de manter vivos no exterior os resquícios das melhores e mais ricas essências da brasilidade.