Wimbledon 2019

Um Djokovic de titânio bate Federer

Número um se impõe a Federer na final mais longa da história de Wimbledon, após salvar dois match points. Conquista seu 16º torneio de Grand Slam, o quinto em Londres

Djokovic celebra seu triunfo contra Federer.
Djokovic celebra seu triunfo contra Federer.Clive Brunskill (Getty)

Novak Djokovic bate no peito como Tarzan, porque acaba de desembaraçar o novelo e acabar com a agonia de uma tarde épica. Acaba de se impor diante do majestoso Roger Federer na final mais longa da história de Wimbledon – 7-6, 1-6, 7-6, 4-6 e 13-12, em 4h57m, superando dessa forma as 4h48m entre o suíço e Rafael Nadal em 2008 – e obtém assim um triunfo que já o faz levitar com 16 taças de Grand Slam, cinco delas conquistadas no santuário britânico. E acelera a corrida para ser o tenista mais vencedor e derrota Federer pela terceira vez em uma final de Londres, também pela terceira ocasião em um duelo decisivo terminado após uma maratona de cinco sets.

MAIS INFORMAÇÕES

Não haviam se passado cinco minutos e a pele dos presentes já havia arrepiado. Cabelos em pé na Catedral. Federer começou produzindo zumbidos, esse som persuasivo que se ouve cada vez que seu cordame solta um revés seco e trisca repetidamente o topo da rede. Então se escuta o murmúrio, porque a carícia não é mais do que a antessala da intervenção violenta de sua direita, sempre afiada e sempre cortante, Djokovic que o diga. O homem de borracha cansou de se contorcer para devolver todas e cada uma das bolas da primeira parcial, jogando ao ritmo imposto pelo suíço e encantado pela magnifica exibição de habilidades do rival.

Disputava duas partidas ao mesmo tempo. Diante dele estava Federer, e por dentro os demônios tentando abrir o cadeado e escapar da jaula, porque a arquibancada torcia descaradamente por seu adversário e ele, pessoa de caráter, mas também muito orgulhoso, fica bem irritado com isso. O homem de Basel o castigava com slices de efeito e golpes milimétricos, planos e angulados em profusão, mas ele chegava em todos, uma ode à elasticidade. Não há tenista que domine essa faceta como o de Belgrado, que resistiu ao assédio e salvou um game envenenado para guiar a disputa a um pântano enganoso, um tie break resolvido a seu favor após uma mudança dupla de ritmo.

Djokovic esconde mil truques na manga, e ainda que tenha caído na armadilha – de 3-1 a favor a 4-5 adverso – o ardil lhe saiu bem: envolveu Federer e virou o set (7-5), infligindo teoricamente maior dano. Já com um set de desvantagem, muitos previam uma queda física e psicológica do suíço que não veio, porque longe de desmontar o rei da grama reagiu como um furacão: queda de adrenalina do adversário e 25 minutos de tênis orgástico. O duelo retornava então ao ponto de partida e a sequência teve os mesmos parâmetros, Federer tentando aprofundar e Djoko, eterno insurgente, excepcional na devolução.

Surgiu o competidor feroz, o combatente aguerrido que não se curva nunca por pior que a situação esteja, e resolveu uma situação limite que desequilibrou novamente a partida. Com 5-4 e Federer tocando com a ponta dos dedos seu segundo set, deu um saque soberbo e apagou as chamas. Djokovic domina todas as leis, mestre do resto e de tantas outras variáveis, o tenista total que talvez não tenha o carisma de Nadal e o virtuosismo inato de gênio, mas que possui mais ferramentas do que qualquer um porque conjuga pausa, aceleração e personalidade: técnica, físico e um caráter indômito; atributos do tênis clássico com a velocidade da modernidade.

Voltou a vencer o desempate (7-4) e então a Catedral se pronunciou novamente sem nenhum tipo de contenção: “Let’s go, Ro-ger, let’s go!”. E o Aladdin da raquete, sempre fiel ao chamado de seus fiéis, se refez pela segunda vez. Duas quebras no quarto set, tirando partido de outra indecifrável queda de Djokovic, e caminho traçado à comemoração final. Quinto set. Bofetada de Djokovic e resposta imediata (4-3). Mirka Vavrinec, esposa e maior de fã de Federer, não conseguia olhar, com o coração na boca durante a troca de bolas. O suíço voltou a quebrar o saque e parecia ter resolvido a partida, mas de repente teve um apagão e Djokovic salvou dois match points, contra-atacando com outra quebra (8-8).

Federer devolve de revés durante o final.
Federer devolve de revés durante o final.Laurence Griffiths (Getty)

Mais dinamite. Antes, com 6-5, Djoko se confundiu e perguntou ao juiz se havia desempate. Depois, com 11-11, salvou uma dupla quebra e recebeu as vaias da torcida, e um aviso do árbitro após bater em um microfone ambiente. A tensão disparou a mil em Wimbledon, mas o balcânico de sangue quente se manteve frio como gelo e o imutável Federer perdeu a precisão. Devolveu a bola com o cabo, em forma de home-run, e a interminável final caiu do lado do campeão de titânio após o desempate (7-3), pela primeira vez após o inédito limite de 12-12.

Já são 16 títulos de Grand Slam para Djoko, cinco deles em Londres. Os mesmos que um tal Björn Borg, mas isso para ele não basta: Djokovic só quer ser o melhor.

Arquivado Em: