Cori Gauff, rumo ao destino das heroínas

A norte-americana de 15 anos, que fez história ao ser a mais jovem classificada da história para o torneio britânico, vence Venus Williams, 39 anos e cinco vezes campeã em Wimbledon

Cori Gauff celebra a vitória diante de Vênus Williams.
Cori Gauff celebra a vitória diante de Vênus Williams.TOBY MELVILLE (REUTERS)
Mais informações
Jogar futebol com pistola na cintura
Audiência da Copa feminina bate recordes históricos pelo mundo

“Olho, porque esta garota joga bem, mas muito bem, hein?”

A descrição feita no início da manhã na entrada do vestiário por uma pessoa que tem uma vida inteira dedicada ao circuito e sabe muito sobre tênis coincide com o que foi visto algumas horas mais tarde em Wimbledon Center 1. Lá, no nível da grama, a jovem Cori Gauff, uma garota que já havia feito barulho tornando-se a mais jovem jogadora que a conseguir acesso ao Grand Slam britânico, com apenas 15 anos e 110 dias, continua a dar o que falar e escrever. Vence com equilíbrio impróprio para a idade a veterana Venus Williams, 24 anos mais velha, e garante o seu lugar na segunda rodada para destacar-se definitivamente: a seguir por essa linha, a raquete terá ganho uma nova heroína.

Quando tudo isso acontece, a inexperiência surge e ela pula o protocolo. Incrédula, primeiro aperta a mão do árbitro e depois se ajoelha ao lado de seu banco, tentando digerir o que aconteceu. Acabou de derrubar (duplo 6-4) Venus, uma tenista imperial que, aos 39 anos, reúne sete Grand Slams, cinco deles obtidos no tapete da Catedral; quatro antes que Gauff tivesse nascido. O nascimento foi em 13 de março de 2004. Por isso, seus pais se abraçam e batem na grade inglesa, que assiste à vitória mais precoce do torneio desde 1991. Na ocasião, quem derrubou a porta foi sua compatriota Jennifer Capriati, 15 anos e 96 dias.

"Neste momento eu não sei explicar o que sinto ...", diz Gauff nervosamente, com a voz tremendo. Ou seja, nada a ver com o que foi visto antes na quadra, onde ela joga como se tivesse passado a vida inteira no circuito. Às vezes, não é fácil dizer quem é o mestre e quem é o aprendiz, porque enquanto ela não perde o foco em nenhum momento, Venus gesticula, grita e lamenta porque sabe muito bem qual será o resultado, faça o que fizer. Williams já não brilha há algum tempo, mas em suas costas carrega um currículo sem igual: com seus 83 majors disputados, é o tenista, homem ou mulher, que jogou mais torneios até hoje.

Um híbrido das Williams

Vênus felicita Gauff após a partida.
Vênus felicita Gauff após a partida.Tim Ireland (AP)

Nem por isso tremeu o pulso de Gauff, uma novata à qual as marcas já encontraram faz tempo. Quando tinha 10 anos, já havia assinado seu primeiro contrato, com a multinacional norte-americana Nike, e hoje ela acumula um milhão de dólares em lucros de patrocínio. Sabem muito bem o que fazem Roger Federer e sua equipe, a empresa Team 8, que desde cedo perceberam em Gauff talento e a recrutaram. "É uma concorrente incrível", a define Patrick Mouratoglou, o treinador de Serena e por cuja academia passou a jovem norte-americana, nascida em Atlanta e testemunha em seus primeiros anos do sucesso das irmãs Williams, que ela pretende emular.

Nos bastidores, as vozes são discordantes sobre o estilo. Algumas pessoas comparam-na a Serena pela determinação no jogo e a ascensão midiática que protagoniza há um par de anos, e há aqueles para quem ela se assemelha à própria Venus, por sua fisionomia longilínea e sua postura. Em qualquer caso, Gauff parece um híbrido das duas. É gelo e fogo ao mesmo tempo. Joga com a cabeça e não acelera, mas tem um golpe duro. "A ideia era ter em mente que esta quadra de tênis se mede da mesma forma que qualquer outra, embora o que me rodeie seja muito maior do que em outros jogos. Agora eu estou vivendo um sonho", disse ela.

Enquanto isso, sua adversária, Venus, oferecia uma margem mais que generosa à projeção da jovem. "Acho que o céu é o limite", disse Williams, que entrou no circuito profissional dez anos antes de Gauff (1,76 de altura) nascer. "Ela me disse para continuar assim. Eu agradeci a ela por tudo que fez. Eu não estaria aqui se não fosse por ela. Venus me inspirou e sempre quis dizer a ela, mas nunca tinha sido capaz de fazê-lo", disse a debutante feliz, que de repente tem todos os olhos do mundo do tênis nela.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS