México aciona Interpol contra ex-diretor da Pemex pelo caso Odebrecht

Emilio Lozoya é investigado por receber supostos subornos da construtora brasileira entre 2012 e 2016

Emilio Lozoya, em 2017, com seus advogados.
Emilio Lozoya, em 2017, com seus advogados.DIEGO SIMÓN SÁNCHEZ (Cuartoscuro)
Mais informações

O México emitiu nesta sexta-feira a primeira ordem de prisão relacionada ao caso Odebrecht. O Ministério Público anunciou que um juiz determinou a detenção de Emilio Lozoya, ex-diretor da empresa estatal Petróleos Mexicanos (Pemex). As autoridades mexicanas seguiram o rastro das finanças do ex-executivo e concluíram que Lozoya recebeu milionários subornos da empreiteira brasileira enquanto esteve à frente da petroleira estatal, entre 2012 e 2016. Em troca, a Odebrecht teria conseguido contratos relacionados com a refinaria de Tula (Estado de Hidalgo).

Além de Lozoya, o juiz pediu a detenção de três de seus familiares: sua mãe, sua irmã e sua esposa. A Promotoria seguia a pista das contas bancárias das três mulheres, que supostamente teriam dividido os pagamentos da empreiteira brasileira. As autoridades pediram à Interpol que emita uma notificação vermelha para estender ao nível mundial a busca do ex-diretor da Pemex. Até agora se desconhece seu paradeiro, embora seus advogados digam que ele permanece no México.

As autoridades mexicanas também investigam o vínculo entre a compra de uma fábrica de fertilizantes da Altos Hornos de México (AHMSA) pela Pemex com um ágio de 500 milhões de dólares durante a gestão de Lozoya. A transação ocorreu ao mesmo tempo em que Odebrecht e a AHMSA realizaram movimentos em contas offshore para distribuir subornos. O vínculo com a construtora brasileira se estabeleceu com a aquisição de uma casa na Cidade do México no valor de 13,36 milhões de reais, que o ex-diretor da Pemex não teve como justificar.

Os advogados de Lozoya pediram à Justiça que amplie o foco da investigação e intime o ex-presidente Enrique Peña Nieto e o ex-ministro de Fazenda e Relações Exteriores Luis Videgaray a deporem. Segundo a defesa, o ex-executivo da Pemex só podia aprovar projetos para a petroleira sob o consentimento do presidente. A defesa do ex-diretor insistiu em que Lozoya não chegará a um acordo com a promotoria, nem negociará uma delação premiada para oferecer mais informação que desvende a trama da Odebrecht no México.

Até agora, o México foi o único país da América Latina onde as investigações em torno do caso Odebrecht não prosperaram depois de serem iniciadas. A investigação sobre Lozoya começou em 2017, mas foi arquivada durante os últimos meses do governo do Enrique Peña Nieto, por iniciativa do próprio Ministério Público. O Governo de Andrés Manuel López Obrador, através da nova promotoria, garantiu que a trama será revelada “em um caso que por muito tempo esteve congelado em forma tão criticável”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: