ANGELA MERKEL

Merkel volta a sofrer tremores durante um ato oficial em Berlim

Chanceler alemã mantém sua agenda e embarca nesta quinta para a cúpula do G-20 no Japão

A chanceler alemã, Angela Merkel, voltou a sofrer tremores durante um ato oficial nesta quinta-feira em Berlim, segundo a agência de notícias alemã DPA e a agência Reuters. O corpo de Merkel começou a tremer nesta manhã durante a despedida da ministra da Justiça e a recepção à sua sucessora, no palácio presidencial da capital.

Mais informações

Nas imagens divulgadas pelas edições digitais de jornais alemães, pode-se ver Merkel tremendo, enquanto o presidente alemão, Frank Walter Steinmeier, discursa. Vê-se que ela recusa um copo d’água que lhe é oferecido. Consultado pela agência de notícias alemã, o porta-voz do Governo, Steffen Seibert, afirmou que não haverá mudanças na agenda da mandatária, incluindo a viagem desta quinta-feira ao Japão para participar da cúpula do G20. "A chanceler está bem. Tudo continua conforme o previsto", disse Seibert. Nas imagens no Parlamento depois do episódio, mas ainda durante a manhã, a chanceler aparecia sorridente e relaxada.

Há apenas nove dias, Merkel, que completa 65 anos no próximo dia 17, sofreu o mesmo problema durante a visita do presidente ucraniano, Volodimir Zelenski, à chancelaria. Naquela ocasião, Merkel afirmou que se recuperou após beber três copos d’água. A líder alemã atribuiu assim as convulsões a um suposto problema de desidratação. Berlim se encontra, como outras cidades europeias, sob os efeitos de uma intensa onda de calor. O ato desta quinta-feira, entretanto, ocorreu no interior do palácio presidencial, enquanto que o de Zelenski teve lugar no pátio da chancelaria. Os tremores da líder alemã já haviam sido visíveis em 2017, durante um encontro com o então presidente mexicano, Enrique Peña Nieto.

Merkel, sobre quem não se conhece nenhuma doença grave, chegou ao poder em 2005 e foi reeleita para um quarto mandato depois das eleições gerais de 2017. A chanceler anunciou em outubro passado que este será seu último mandato.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50