ALEMANHA

Neonazista alemão confessa assassinato de político que defendeu abrir as portas aos refugiados

"As investigações não acabaram. Temos que continuar trabalhando para determinar se ele teve cúmplices”, disse o ministro do Interior, Horst Seehofer

O neonazista Stephan Ernst (centro), em agosto de 2002 em Kassel (Alemanha).
O neonazista Stephan Ernst (centro), em agosto de 2002 em Kassel (Alemanha).NSU Watch

As suspeitas mais temidas acabaram se concretizando. O extremista de direitista Stephan Ernst confessou ser o assassino de um político conservador, Walter Lübcke, conhecido por sua defesa dos refugiados. Isso foi confirmado nesta quarta-feira pelo ministro do Interior, Horst Seehofer, após deixar a reunião de uma comissão no Parlamento, em Berlim. "O promotor público nos informou que o suposto assassino confessou", disse Seehofer.

O filho de Walter Lübcke encontrou-o na noite de 2 de junho com um tiro na cabeça no terraço de sua casa em Kassel, no oeste da Alemanha. O assassinato deste político da União Democrata Cristã (CDU), de 65 anos, chocou o país, que assiste, segundo os especialistas, ao ressurgimento da violência da extrema direita com a qual convive há décadas. Vários políticos municipais receberam novas ameaças de morte nos últimos dias, nos quais a violência da extrema direita esteve na linha de frente do debate nacional.

Mais informações

Restos do DNA de Stephan Ernst, de 45 anos, foram detectados nas roupas do político assassinado. Em sua confissão, o suspeito afirma ter agido sozinho, mas o ministro do Interior, Seehofer, alertou nesta quarta-feira que a investigação está longe de terminar. "As investigações não acabaram, temos que continuar trabalhando para determinar se Stephan E. teve cúmplices", disse o ministro.

O Ministério Público da República continuará a conduzir o caso, o que significa que há uma motivação política no crime. Nos últimos dias, a imprensa alemã revelou que o suspeito mantém relações com o ambiente neonazista há anos.

O assassinato de Lübcke também intensificou o debate na Alemanha sobre as consequências do discurso anti-imigração do partido de extrema-direita Alternativa para Alemanha (AfD). A legenda conseguiu entrar no Parlamento por meio de um discurso excludente, após a chegada de mais de um milhão de requerentes de asilo na Alemanha a partir de 2015. Foi nesse ano que Lübcke, durante um debate municipal em Lohfelden, no Estado de Hesse, defendeu a acolhida dos refugiados. "É preciso defender esses valores e quem não os represente pode deixar o país se não estiver de acordo. Essa é a liberdade de todo alemão ", disse o então chefe da CDU em Kassel. Vários extremistas de direita participaram desse encontro. A edição digital do Der Spiegel garante que Stephan Ernst também estava presente naquele dia. Depois disso, as ameaças contra o político conservador afloraram na Internet e acabaram sendo consumadas em 2 de junho.

Mais informações

O mais visto em ...

Top 50