Seleccione Edição
Login

Tentativa de extorsão a Assange: “Este material vale três milhões”

EL PAÍS teve acesso às gravações feitas pela polícia dos extorsionários que tentaram vender áudios e vídeos do ciberativista

julian assange
Julian Assange, em um corredor da Embaixada de Equador em Londres.

“O senhor trabalha de graça? O material vale três milhões. Nós também temos que comer”. A reunião no hotel Reina Victoria, em Madri, onde o jornalista espanhol Jose Martín Santos e dois especialistas em computação tentaram vender ao WikiLeaks imagens, vídeos e documentos pessoais da suposta espionagem a Julian Assange durante sua permanência na Embaixada do Equador em Londres foi gravada com a ajuda da polícia. Nos áudios, aos quais o EL PAÍS teve acesso, os supostos extorsionários afirmam que havia microfones na Embaixada e que todo o material era entregue ao embaixador. Martín e um de seus colaboradores de Alicante foram presos e estão sendo investigados por um tribunal.

A reunião foi realizada no dia 3 de abril às 19h. Um dia antes, Kristinn Hrafnsson, editor-chefe do WikiLeaks, e Aitor Martinez, advogado de Assange, tinham se encontrado com Martín e os dois especialistas em computação no mesmo hotel. Dias antes estes tinham lançado uma isca no Twitter oferecendo pela melhor oferta os arquivos sobre a vida de Assange na Embaixada do Equador, na qual permaneceu refugiado durante sete anos. Mas nessa segunda reunião apareceram convidados inesperados para os vendedores, vários agentes da seção de Sequestros e Extorsões que monitoraram a conversa. Martín, condenado a três anos por fraude por outro caso, começou a conversa dizendo que queria ajudar o ciberativista.

Aitor Martínez: “Se vocês são bons benfeitores da liberdade de expressão e da batalha judicial de Assange, por que querem dinheiro?”

Alejandro Mollá (especialista em computação): “Cara... porque também temos que comer”.

José Martín Santos: “Vamos dar a alguém para que outros se beneficiem? Alguém terá que dizer: olha, se isso sair, alguém terá que pagar, como todo mundo... Ou o senhor trabalha de graça?”

Martínez: “Cara, tampouco posso considerar isso um trabalho, afinal é uma espionagem ilegítima contra uma pessoa em uma situação muito delicada, advogados que vão fazer o seu trabalho são espionados, o que é grave também, a relação advogado-cliente não se pode espionar”.

Martín Santos: “Bem, mas eu não espionei.”

Martínez: “Médicos que também têm uma cobertura de privacidade foram espionados... porque essa trama eu não sei, sai da Embaixada para vocês e aí se gesta um negócio... Se vocês finalmente entregarem à imprensa, por que têm de violar minha privacidade como advogado... Além das minhas considerações ético-morais, Kristinn me mostra um e-mail que diz ‘from three millions’ [de três milhões], não sei se há um erro, mas de três milhões para cima!”.

Martín Santos: “A equipe disse esse montante, ele e eu não negociamos... A Televisa disse que estava disposta a pagar 9 milhões”.

Martínez: “E vocês não venderam”.

Martín Santos: “Não”.

Martínez: “Por quê?”.

Mollá: “Porque existe um acordo ainda melhor”.

Martínez: “Com meios de comunicação?”

Mollá: “Não, não, com vocês”.

Martín Santos: “Isso começa a ser destruído por uma rede americana que recebe o material e começa a fazer programas especiais, colocando publicidade... e eles não ganham três, ganham 300”.

O advogado, cujas anotações foram fotografadas durante uma de suas visitas a Assange na Embaixada, pergunta por uma das pastas que os vendedores lhe mostram com a etiqueta “Comunicações Baltasar Garzón”. E Martín Santos responde que há escritos da Embaixada para ele (Garzón) e referências onde aparece, assim como comunicações e cartas.

O editor do WikiLeaks e o advogado tentaram arrancar de seus interlocutores se as câmeras instaladas na Embaixada gravavam áudios. A resposta foi afirmativa.

Martín Santos: “Agora sim”.

Martínez: “Gravam áudio?”

Martín Santos: “Neste momento sim”.

Daniel Sánchez (especialista em computação): “Há relativamente pouco tempo”.

Martínez: “Se você está em uma sala e uma das câmeras está focalizando”.

Sánchez: “Agora está gravando... mas antes não”.

Martínez: “Tem microfones também?”

Mollá: “Sim, sim, sim, tem microfones”.

Martín Santos: “Em alguns, a gravação foi feita com microfones”.

Os representantes de Assange questionaram se os supostos extorsionários tiveram acesso ao material sem a colaboração de alguém da Embaixada, mas não conseguiram decifrar o mistério. Martín insistiu em se apresentar como “jornalista” e negou que fossem espiões.

“Mas quem está fotografando meus documentos legais?”, espeta o advogado. “Sem dúvida alguém que está dentro da Embaixada... não me veio desse alguém, esse alguém entrega a outra pessoa que faz chegar a mim”, explicou o jornalista. E o especialista em computação Mollá acrescentou outro dado. Afirmou que os dois funcionários que estavam no dia em que o arquivo do advogado foi fotografado “fazem fotografias de tudo, escaneiam e passam ao embaixador... Para que ele verifique toda a documentação... esse é o modus operandi deles”.

Os áudios mostram que Martín Santos ofereceu ao editor do WikiLeaks ter acesso em tempo real a todas as informações do que acontecia na Embaixada. “Em vez de ser espionado por eles, espione-os. Parece loucura, mas não é”, insistiram em sua oferta.

Assange, de 47 anos, apresentou uma queixa a um tribunal e depois entrou com uma ação na Audiência Nacional contra Martín, seus colaboradores, o pessoal da Embaixada do Equador em Londres e membros da empresa Promsecurity que puderam participar da espionagem. Ele os acusa de uma longa série de crimes. A empresa substituiu a espanhola Undercover Global S. L.

Depois de prender o jornalista e um dos especialistas em computação, o Tribunal Nº 8 de Madri acaba de se declarar incompetente em favor da Audiência Nacional, alegando que existe uma ligação entre o crime de ameaça com outros crimes contra a privacidade e a própria imagem cometidos em território internacional. Anteriormente, a Audiência Nacional havia se declarado incompetente em favor do Tribunal Nº 8.

O Reino Unido acaba de aprovar a entrega de Assange aos Estados Unidos, que reclama sua extradição por revelação de segredos. O fundador do WikiLeaks enfrenta 18 acusações de divulgação de material secreto dos Estados Unidos. O ciberativista permaneceu sete anos refugiado na Embaixada do Equador em Londres, sob a proteção do Governo de Rafael Correa. Quando Lenin Moreno achegou à presidência do Equador, em 2017, Assange perdeu apoio até sua recente expulsão e entrega às autoridades britânicas.

MAIS INFORMAÇÕES