Nicholas Negroponte

Diretor do media lab do MIT: “As ciências humanas são a coisa mais importante que você pode estudar”

Nicholas Negroponte antevê um salto para a humanidade graças à bioengenharia, a produção de alimentos artificiais e ao surgimento de uma energia limpa

Nicholas Negroponte durante a entrevista nesta quarta-feira em Madri.
Nicholas Negroponte durante a entrevista nesta quarta-feira em Madri.ULY MARTIN

Ele tem motivos para se gabar de dons proféticos, porque esteve na primeira fila do despertar digital e viu com clareza o que viria depois. Nos anos oitenta e noventa, quando a maioria da população desconhecia ou apenas começava a se aproximar da Internet, Nicholas Negroponte (Nova York, 1943), informático e arquiteto, fundador e diretor do Media Lab do Instituto Tecnológico de Massachusetts (MIT), vaticinou que teríamos computadores nos bolsos, telas táteis, televisão sob demanda, como a Netflix, alto-falantes inteligentes e lares conectados. E entendeu que profundas mudanças sociais ocorreriam. Seus artigos na última página da Wired e seu livro O Mundo Digital (1995) eram seguidos como um oráculo.

O tempo lhe deu a razão em quase tudo. Negroponte falou ao EL PAÍS em Madri, onde participa nesta quinta-feira do evento Cruce de Caminos, organizado pelos bancos Caminos e Bancofar. Continua confiante nas suas visões do futuro, que hoje soam atrevidas demais. Claro que também era atrevido o que dizia há 30 anos.

Pergunta. Qual é o próximo marco para a humanidade?

Resposta. O mundo digital se integrou às nossas vidas. O que virá agora já não serão extrapolações da informática, como o que vimos até este momento.

P. A bioengenharia é a próxima revolução?

Mais informações

R. Essa será uma das grandes coisas que virão, sim. Teremos seres humanos geneticamente modificados e corrigiremos os erros da natureza. Será um futuro muito diferente.

P. Poderemos realmente viver 150 ou 200 anos? Nós ou os nossos descendentes?

R. Isso acontecerá com segurança na próxima geração. É um pouco tarde para nós, porque reverter o envelhecimento é mais difícil. Mas não há dúvida de que seus filhos e meus netos viverão até os 150 anos. E vamos fazer com que os deficientes possam andar, e poderemos também eliminar as doenças raras ...

P. E o mundo será alimentado com comida artificial.

R. Criar carne que não proceda dos bois é um projeto maravilhoso. Poderemos replicar as células dos bois sem causar danos aos animais, sem o CO2 que eles emitem, economizando água, cuidando do meio ambiente e fazendo com que as pessoas tenham carne.

P. A tecnologia também nos salvará das mudanças climáticas?

R. A tecnologia é a única solução para as mudanças climáticas. Não há outra. Temos que encontrar uma maneira de produzir energia, não necessariamente de fontes renováveis, como o vento ou o sol, mas fazendo com que a fusão nuclear funcione. Em 50 anos teremos uma economia diferente e um mundo melhor graças a ela.

P. O senhor prevê enormes avanços para a humanidade. Não teme que as misérias humanas, ou os interesses políticos e econômicos, impeçam que beneficiem a maioria?

R. Os interesses corporativos costumam frear alguns avanços, mas não por muito tempo. É bem sabido que aqueles que têm interesse no petróleo podem forçar um atraso nas tecnologias alternativas. Por isso é tão difícil fazer prognósticos sobre quando chegarão algumas coisas, porque os atrasos muitas vezes têm origem em forças externas que nada têm a ver com a tecnologia.

P. O 5G, o sistema que dominará as comunicações móveis, está sendo o centro desta Segunda Guerra Fria, um campo de batalha entre os Estados Unidos e a China por essa tecnologia. Quem ganhará?

R. Já se passaram 15 anos desde que os EUA se renderam nas tecnologias da telecomunicação. Os principais atores não são mais empresas americanas. Acho incrível o repentino interesse pelo 5G, e em particular da Huawei. Porque o 5G não é tão importante quanto estão vendendo. É apenas uma mudança incremental sobre o 4G. O marco foi o 3G. Isto não é a fusão nuclear. Se alguém dominar a fusão nuclear, mudará as regras do jogo. O 5G não será inovador. E se observamos o que a China faz em áreas como a 5G, está muito à frente dos EUA.

P. O senhor representa o otimismo em relação às mudanças tecnológicas. Mas tudo indica que a opinião pública vem passando do entusiasmo ao pessimismo.

R. Ainda sou otimista, mas isso é verdade. Há um sentimento crescente de ceticismo em todo o mundo, de que a tecnologia criou muitos dos problemas que temos de resolver. Se você olhar objetivamente e com perspectiva, a tecnologia trouxe muitas soluções, como na medicina, e os problemas se devem principalmente ao modo como usamos a tecnologia.

P. Os gigantes da Internet agora são vistos como um grande oligopólio que faz negócios sem controle com nossos dados. Uma espécie de Big Brother.

R. Vou dar outro exemplo. Quando surgiram as revelações de Snowden, muitos americanos como eu ficaram surpresos que o Governo estivesse nos vigiando. Se você for à China, e eu acabei de ir lá, você vê centenas de câmeras na rua fazendo reconhecimento facial e criando uma segurança quase perfeita. E as pessoas estão satisfeitas. Dizem: OK, talvez viole o que vocês, ocidentais, consideram intimidade, mas não temos crime. São coisas que cada cultura vê de modo diferente.

P. A China tem uma vantagem na corrida tecnológica em razão da falta de garantias de intimidade? Lá você pode criar uma gigantesca base de dados genéticos que no Ocidente não seria viável.

R. A Europa talvez seja a líder mundial em proteção da intimidade. Por outro lado, há muitas pessoas que morrem na Alemanha porque é ilegal compartilhar dados que permitiriam que fossem salvas. É um equilíbrio difícil. Se eu for atropelado por um carro, não quero que minhas informações médicas sejam protegidas, quero que quando a ambulância chegar saibam tudo.

P. O senhor acredita que os gigantes do Vale do Silício devem ser divididos como outros monopólios no passado, como propôs a senadora Elizabeth Warren?

R. Não tenho certeza de que dividir essas empresas garanta questões como a privacidade. Ninguém gosta que uma empresa cresça tanto e seja dominante, mas o que temos de olhar é o que obtemos delas, quem está contribuindo mais para o conhecimento e a ciência. É surpreendente como muitas dessas grandes empresas contribuem pouco. Os jovens querem ser Mark Zuckerberg, não querem ser Alan Turing. É decepcionante. Precisamos de pessoas que inventem e sejam imaginativas como Turing.

P. As redes sociais estão afetando a qualidade da democracia? Nelas, se expandem as ideais extremistas, mensagens de ódio ...

R. Eu não uso muito as redes sociais. Sou mais um observador. É claro que estão tendo impacto. Em alguns lugares, elas estão criando democracia, em outras partes a estão enfraquecendo. O balanço é provavelmente a favor da democracia.

P. Vários estudos alertam para a destruição de milhões de empregos pela robotização, mesmo nas atividades mais intelectuais. Isso está gerando ansiedade na população e abrindo debates como o da renda universal. Qual é o futuro do emprego?

R. É mais fácil automatizar a maioria das atividades intelectuais do que a maioria das tarefas de serviço, como a preparação de comida rápida. É mais fácil ter um robô advogado ou contador. O deslocamento do emprego não dependerá de habilidades intelectuais. Em algum momento teremos que repensar o conceito de trabalho. Uma parte do conceito tem a ver com ter um sentido, um propósito. As pessoas sempre terão um propósito, mas talvez não seja levar um salário para casa, que é o que define o emprego hoje.

P. Vamos ter algum dia uma autêntica inteligência artificial, que tenha consciência?

R. Essa é a pergunta, a consciência, e a maioria das pessoas não a faz. Não tenho certeza de que verei isso em minha vida. Mas antes disso veremos máquinas que terão senso de humor, e será espantoso. Outra questão que não parece interessante é: por que os homens apreciam a música?

P. Temos que enaltecer as ciências humanas, e a filosofia, em uma sociedade hipertecnológica?

R. As ciências humanas são a coisa mais importante que você pode estudar.