Pena de morte

Texas executa supremacista branco pelo linchamento de um homem negro

John William King morreu por injeção letal por assassinar James Byrd em 1998, após acorrentá-lo e arrastá-lo com uma caminhonete

John William King, ao centro, após ser condenado à morte, em 1999. Em vídeo, declarações das autoridades texanas e da irmã da vítima de King após sua execução (em inglês). PAUL BUCK (AFP) / VÍDEO: REUTERS-QUALITY

Eram 19h08 desta quarta-feira (21h08 em Brasília) quando John William King morreu por injeção letal na penitenciária do Huntsville. Segundo o agente carcerário Jeremy Desel, King manteve os olhos fechados e respondeu com um "não" ao prefeito quando este lhe perguntou se desejava proferir suas últimas palavras antes que uma dose letal de barbitúricos fosse injetada em sua veia e acabasse com sua vida.

A execução de King, o homem que orquestrou um dos crimes raciais mais brutais das últimas décadas, não serviu para levar a paz a alguns membros da família de James Byrd, a vítima, cuja irmã declarou não sentir “nenhum alívio". Clara Byrd Taylor definiu a execução como "um simples castigo".

Tatuagens racistas de John William King.
Tatuagens racistas de John William King.

MAIS INFORMAÇÕES

A história começa há mais de 20 anos. O crânio de James Byrd estava virtualmente intacto, embora seu corpo tivesse sido despedaçado durante quase cinco quilômetros em que foi arrastado com uma corrente prendendo seus pés a uma caminhonete. Segundo os legistas, Byrd tentou proteger a cabeça com as mãos durante seu assassinato, e as provas forenses indicaram que forçou a se mexer de um lado para outro enquanto se chocava com o asfalto, numa tentativa de minimizar a dor. As descrições dos ferimentos sofridos por esse homem negro de 49 anos tiram o fôlego e não pertencem à época da escravidão, da segregação ou dos linchamentos da Ku Klux Klan.

Seu sofrimento só parou quando seu corpo já mutilado se chocou contra um bueiro e se partiu em dois. Os restos de Byrd foram abandonados por John William King, então com 23 anos, por Lawrence Russell Brewer, de 31, e por Shawn Berry, de 23, nos arredores de uma igreja frequentada por negros, onde foram encontrados na manhã do domingo, 7 de junho de 1998, quando os paroquianos se dirigiam à missa.

James Byrd foi massacrado em Jasper (Texas) por três homens brancos quando faltavam dois anos para acabar o século XX, pelo simples fato de ser negro. Sua morte (junto com a de um jovem de Wyoming torturado e surrado até a morte por ser gay) marcou um ponto de inflexão, resultando na aprovação de uma lei que leva o nome de ambos e endureceu as penas contra os crimes de ódio.

Trecho da estrada de Jasper por onde James Byrd foi arrastado até morrer.
Trecho da estrada de Jasper por onde James Byrd foi arrastado até morrer.

John William King, um dos três homens condenados pelo assassinato de Byrd em 1998, foi executado por injeção letal nesta quarta. Em 2011, o Estado já havia tirado a vida de outro participante do crime, Lawrence Brewer. O terceiro assassino, Shawn Berry, cumpre pena de prisão perpétua, já que, segundo os promotores, aderiu ao linchamento “pela mera excitação”, mas não compartilhava das crenças supremacistas de Brewer e King.

Mesmo levando-se em conta que qualquer assassinato é brutal, a crueldade e a violência do crime contra Byrd chocaram os Estados Unidos. Dennis Rodman, astro da NBA, pagou o funeral da vítima, que era pai de três filhos. Foram feitos vários documentários, canções e inclusive um poema. Alguns parentes de Byrd declararam diversas vezes que prefeririam que King passasse o resto da vida na cadeia em vez de ser executado. “Não se pode combater o crime com mais crime”, declarou seu filho Ross Byrd à agência Reuters na noite de 2011 em que Brewer foi executado.

Quando King foi atado a uma maca para receber a injeção letal, duas das irmãs do Byrd estavam ao outro lado do vidro contemplando sua agonia. Louvon Byrd Harris, uma das irmãs, declarou antes da execução que por fim haveria justiça. “Trataram-no como a um animal, eram uma ameaça para a sociedade”, afirmou a mulher ao jornal The Washington Post. King será o terceiro preso do Texas (e o quarto dos Estados Unidos, contando com uma execução no Alabama em fevereiro) a ser executado neste ano, segundo dados do Centro de Informação sobre a Pena de morte (DPIC, na sigla em inglês).

Depois de conhecer sua sentença, em 1999, King escreveu uma carta a Brewer, ambos reconhecidos supremacistas brancos, em que lhe dizia que, independentemente do que viesse a ocorrer, eles já haviam “feito história”. “Morte antes que desonra”, escreveu King, para em seguida se despedir com a saudação nazista: “Sieg Heil!”.

Segundo dados citados pela revista Newsweek em um longo artigo sobre o linchamento de Byrd e a execução de King nesta quarta-feira, as estatísticas sugerem que os crimes contra a população afro-americana caíram fortemente nas duas últimas décadas. Segundo dados do FBI, em 1999 houve 3.679 negros vítimas de crimes de ódio, 67% do total.

Os números mais recentes são de 2017, com 2.458 vítimas negras de crimes de ódio (48,5% do total). Entre 1999 e 2017, o número de pessoas negras que sofreram crimes de ódio caiu 33%. Mas, embora a fotografia dos dados esteja melhor, a ONG Southern Poverty Law Center (SPLC), que se dedica a esses temas, alerta que as estatísticas parecem piorar desde que Donald Trump assumiu o poder. Durante as duas Administrações de Barack Obama, o número de vítimas negras por violência racial caiu quase 25%. Por outro lado, nos três anos entre o anúncio da candidatura de Trump, em 2015, e o final de seu primeiro ano de mandato, em 2017, a cifra voltou a crescer.