JULIAN ASSANGE

Julian Assange, cofundador do Wikileaks, é preso em Londres após Equador retirar asilo diplomático

Presidente equatoriano afirma ter recebido do Reino Unido a promessa de que Assange não será extraditado “para um país onde possa sofrer torturas ou a pena de morte”

Julian Assange em uma van da polícia após ser preso na embaixada equatoriana em Londres

Mais informações

A Polícia Metropolitana de Londres deteve nesta quinta-feira Julian Assange, cofundador do Wikileaks, depois que o Equador cassou o asilo diplomático que lhe oferecia há quase sete anos, segundo um tuíte da própria corporação policial britânica. O presidente do Equador, Lenín Moreno, também confirmou na rede social que cancelou o asilo diplomático a Assange, que vivia desde junho de 2012 dentro da Embaixada equatoriana em Londres. Na mensagem, o mandatário também anexou um vídeo em que afirma ter solicitado ao Reino Unido “a garantia de que o senhor Assange não seria entregue em extradição a um país onde possa sofrer torturas ou a pena de morte”. “O Governo britânico confirmou isso por escrito, em cumprimento às suas próprias normas”, acrescentou Moreno.

Abandonado pelo governo de Quito, Assange compareceu perante um juiz britânico depois que as autoridades norte-americanas emitiram um pedido de extradição ao Reino Unido e, nesta noite, dormiu na prisão. Conforme explicou a Scotland Yard e, posteriormente, confirmou a primeira-ministra Theresa May no Parlamento, a detenção foi em resposta a um pedido de extradição do Governo dos EUA. Assange enfrenta a acusação de um grave crime contra a segurança dos computadores: a publicação, no site Wikileaks, de centenas de milhares de documentos classificados pelo Departamento de Defesa. A penalidade por esse tipo de ato é de cinco anos de prisão. Naquela ocasião, ele teve a colaboração de um analista de inteligência, Chelsea Manning [que trabalhava no Pentágono com o nome de Bradley Manning, antes de mudar de sexo]. Juntos, eles publicaram toneladas de material secreto, entre os quais havia informações sobre as guerras no Iraque e no Afeganistão ou telegramas diplomáticos do Departamento de Estado, o que colocou as relações de Washington com o resto do mundo em risco.

“É absolutamente apropriado que Assange enfrente adequadamente a Justiça no Reino Unido. São os tribunais que devem decidir o que ocorrerá a seguir”, afirmou Alan Duncan, ministro britânico para a Europa e Américas, em nota oficial. “Agradecemos ao Governo do Equador e ao presidente Moreno pela medida adotada. Os fatos de hoje são o resultado de um extenso diálogo entre os dois países. Confio em uma relação bilateral forte entre o Reino Unido e o Equador nos próximos anos.”

Em um tom mais informal e mais contundente, o ministro de Relações Exteriores, Jeremy Hunt, utilizou sua conta no Twitter para arremeter contra o fundador do Wikileaks: “Julian Assange não é um herói e não está acima da lei. Ocultou-se da verdade durante anos. Obrigado ao Equador e ao presidente Lenín Moreno por sua cooperação com o Ministério de Relações Exteriores para assegurar que Assange enfrente a Justiça”.

Em 2012, Julian Assange era alvo de uma ordem europeia de prisão expedida pela Suécia, onde havia sido acusado de dois crimes sexuais, depois arquivados. Refugiou-se na Embaixada do Equador em Londres em junho daquele ano e, depois de dois meses, o então presidente equatoriano, Rafael Correa, lhe concedeu asilo. Mais adiante, deu-lhe também a nacionalidade equatoriana.

Com a saída de Correa da presidência, em 2017, e a chegada de Lenín Moreno, as relações entre Assange e o Equador se deterioraram a ponto de a embaixada cortar suas comunicações – algo que, pontualmente, já havia ocorrido na época de Correa – e impedir as visitas externas, exceto as de seus advogados. O último episódio foi a cassação do asilo diplomático: “O Equador decidiu soberanamente retirar o asilo diplomático de Julian Assange por violar reiteradamente convenções internacionais e o protocolo de convivência”, escreveu o presidente equatoriano em um tuíte nesta quinta-feira. “Conceder asilo ou retirá-lo é faculdade soberana do Estado equatoriano”, acrescentou Moreno, que criticou também “a conduta desrespeitosa e agressiva” de Assange e “as declarações descorteses e ameaçadoras de sua organização”, acrescentando que “a transgressão dos convênios internacionais levou a situação a um ponto em que o asilo de Julian Assange é insustentável e inviável”.

A Polícia Metropolitana deteve Assange na própria Embaixada, situada no bairro de Hans Crescent, cumprindo ordem do Tribunal de Magistrados de Westminster de 29 de junho de 2012. O cofundador do Wikileaks, uma organização que publicou milhares de documentos secretos norte-americanos, foi posto à disposição policial antes de comparecer ao tribunal.

Em novembro passado, soube-se que o Departamento de Justiça dos EUA tinha uma acusação judicial preparada contra Assange, que através do Wikileaks divulgou ferramentas cibernéticas da CIA e teve um papel central na suposta ingerência russa nas eleições presidenciais de 2016. A intenção era formalizar a acusação, mas mantê-la em sigilo até que Assange fosse detido – porém, acabou sendo incluída por engano em um documento judicial público. O texto não detalhava as acusações contra o hacker australiano.

O Wikileaks disse em sua conta oficial do Twitter que “o Equador encerrou de forma ilegal ao asilo político concedido a Assange, numa violação do direito internacional”. O portal especializado em vazar sigilos oficiais salientou que “Julian Assange não saiu andando da embaixada”, e sim que “o embaixador equatoriano convidou a polícia britânica a entrar e ele foi detido”.

Tudo indica que Assange passará os próximos meses em uma cela de prisão em Wandsworth, nos arredores de Londres. A partir daí, o hacker permanecerá atrás das grades até que um longo processo judicial seja concluído — os especialistas falam por até dois anos — para decidir se concederá sua extradição para os Estados Unidos. Sem mencionar que as autoridades suecas mostraram interesse em reabrir o caso de suas alegadas violações de 2010, que haviam sido provisoriamente arquivadas.