EUA revela nova tentativa de ingerência eleitoral russa às vésperas do pleito legislativo

Justiça indicia mulher de São Petersburgo por participar da “fábrica de notícias falsas” durante a campanha para as eleições do próximo 6 de novembro

O presidente da Rússia, Vladimir Putin.
O presidente da Rússia, Vladimir Putin.Mikhail Svetlov / Getty Images

Mais informações

A menos de três semanas das eleições legislativas nos Estados Unidos, o Departamento de Justiça acusou nesta sexta-feira Elena Khusyaynova, contadora russa de 44 anos, de tentar interferir nas eleições de novembro. A acusação contra Khusayaynova é por crime de conspiração contra os EUA por suposta manipulação das finanças da “fábrica russa de notícias falsas”, batizado de Projeto Laktha. A operação foi criada para “semear a discórdia no sistema político norte-americano” por meio de publicidade e promoção de contas inventadas nas redes sociais, entre outras. A chamada “guerra de informação” abordava questões políticas polêmicas como imigração, controle de armas e as marchas das mulheres. As forças de inteligência dos EUA advertiram quanto a sua preocupação com as “campanhas em curso” de Rússia, China e Irã para interferir na próxima eleição e até nas presidenciais de 2020.

A operação da qual Khusyaynova participou foi financiada pelo oligarca russo Yevgueny Prigozhin e as duas empresas que controla: Concord Management e Consulting LLC. O procurador especial Robert Mueller, encarregado da investigação que tenta esclarecer se Donald Trump e sua equipe colaboraram com a ingerência de Moscou nas eleições de 2016, acusou em fevereiro dezenas de pessoas, entre os quais Prigozhin e três de suas empresas (Internet Research Agency LLC, Concord Management and Consulting e Concord Catering) de ter interferido nas eleições presidenciais norte-americanas. Prigozhin é conhecido como “o cozinheiro de Putin”, já que seu poderoso império de serviços de alimentação sempre abastece os banquetes do presidente russo graças a suas boas relações com a classe dirigente.

A Direção Nacional de Inteligência afirmou em um comunicado que os funcionários “não têm nenhuma evidência de que a infraestrutura eleitoral esteja comprometida para que os adversários evitem o voto, mudem a contagem ou interrompam a capacidade de contar os votos nas eleições legislativas”. A declaração também foi assinada pelo Departamento de Justiça, pelo FBI e pelo Departamento de Segurança Nacional. Estas duas últimas instituições estabeleceram grupos de trabalho exclusivos para detectar operações de influência estrangeira e compartilhar informações sobre ameaças dentro do governo, em colaboração com empresas tecnológicas e funcionários eleitorais estatais e locais.

Desde sua concepção, a “fábrica das mentiras” criou milhares de contas falsas nas redes sociais e e-mails que simulam ser de pessoas norte-americanas. Também registrou nomes de domínio que não eram o que diziam ser e comprou serviços proxy para estender seus tentáculos à maior quantidade de cidadãos possíveis. Desde 2016 até junho de 2018, o orçamento operacional do Projeto Lakhta ultrapassou os 35 milhões de dólares, apesar de apenas uma parte desses fundos ter-se destinado aos EUA. Só entre janeiro e junho deste ano, o dinheiro investido ultrapassou os 10 milhões.

Os membros da operação foram orientados, entre outras coisas, a criar uma “intensidade política mediante o apoio a grupos radicais” e a “agravar o conflito entre as minorias e o restante da população”, segundo o Departamento de Estado. A denúncia penal não inclui nenhuma afirmação de que Khusyaynova ou a conspiração em geral tenham tido algum efeito sobre a eleição.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50