Seleccione Edição
Login

Oito alimentos que fazem envelhecer mais rápido (e como podemos substituí-los)

Não existe dieta milagrosa contra o envelhecimento.

Mas evitar certas comidas faz que a marca do tempo na pele seja menos profunda

Prevenir ou retardar o envelhecimento da pele é algo que desperta muito interesse e move montanhas de dinheiro: as previsões sugerem que o mercado de cosméticos e de cuidados da pele será avaliado em 863 bilhões de dólares (3,4 trilhões de reais) em 2024. São muitos os fatores que fazem com que nossa pele tenha um aspecto murcho com o passar do tempo: exposição ao sol, predisposição genética, consumo de álcool e tabaco, poluição e também a alimentação. Alguns são evitáveis e de outros podemos nos proteger, mas, no que se refere à comida, cabe perguntar se da mesma forma que existem alimentos que nos fazem envelhecer mais rapidamente pode haver outros que evitem isso.

A resposta é negativa. "Não há dieta que retarde o envelhecimento diretamente", alerta o nutricionista Daniel Ursúa. No entanto, apesar de não existir dieta milagrosa antiaging, podemos evitar certos alimentos ou substituí-los por outros mais saudáveis. Listamos os alimentos que são autênticos vampiros da juventude e contamos como podem ser substituídos.

1. O xarope de agave

É vendido como alternativa de baixo índice glicêmico ao açúcar refinado. A premissa é atraente: vem de uma planta. Mas a realidade é que o agave contém frutose de forma concentrada (quase 90%) e carece de outros nutrientes, como fibras, proteínas, minerais e vitaminas. No nosso corpo, este tipo de açúcar pode juntar-se aos aminoácidos presentes no colágeno e na elastina, que suportam e dão elasticidade para a derme, e gerar produtos finais da glicação avançada (AGE, na sigla em inglês), que provocam o estresse oxidativo e inflamação no corpo, de acordo com um estudo da Escola de Medicina do Hospital Mount Sinai (EUA).

O substituto: as tâmaras. Se você é um daqueles que adiciona uma boa quantidade de agave nos biscoitos porque é mais saudável, tente evitar isso substituindo-o por pedaços desta fruta. "As tâmaras são frutos desidratados com maior concentração de polifenóis [compostos bioativos que protegem as células do processo de oxidação]", conclui um estudo publicado no Journal of the American College of Nutrition. Há cada vez mais literatura científica que lança evidências a favor dos benefícios preventivos e terapêuticos dos polifenóis e seu uso nos tratamentos dos principais fatores de risco associados ao envelhecimento.

2. O biscoito de arroz

Foi exaltado como o lanche saudável. Sua popularidade é tal que atualmente é vendido em muitas variedades e receitas: com uma cobertura de iogurte, com chocolate ao leite, com temperos diferentes, e assim por diante. Longe de ser benéfico, este tipo de preparo tem um alto índice glicêmico e pode causar picos nos níveis de açúcar no sangue. De fato, como explicou a BUENAVIDA, Josefina Vicario, da Clínicas Vicario, "consumido sem moderação, pode estar associado a aumento de peso".

O substituto: as cenouras. "Os alimentos ricos em carotenoides, encontrado em muitos legumes de cor avermelhada, como tomates ou cenouras, podem ser uma boa alternativa", diz a dermatologista, membro da Academia Espanhola de Dermatologia e Venereologia (AEDV), Lorea Bagazgoitia. Esses pigmentos naturais têm um forte poder antioxidante e também "reduzem o risco de queimaduras solares [outro fator de envelhecimento prematuro], embora nunca substituam a fotoproteção", acrescenta.

3. A manteiga ou a margarina

Na Harvard Medical School alertam que ambos os alimentos devem ser evitados ou consumidos com moderação, uma vez que são ricos em gorduras saturadas, mesmo aqueles vendidos como tendo baixo teor desse tipo de gordura. Em 2015, a revista Photochemistry and Photobiologydivulgou divulgou um estudo impressionante em que foi avaliada a influência das gorduras trans, o dano oxidativo e a função mitocondrial na pele de ratos expostos à radiação ultravioleta (RUV). Os resultados mostraram que as gorduras hidrogenadas (como as que a margarina e a manteiga contêm) se correlacionam positivamente com a espessura da pele e rugas.

O substituto: o abacate. "A oxidação progressiva em nosso corpo causados pelos radicais livres é a causa do envelhecimento dos nossos tecidos e do aparecimento de muitas doenças crônicas. Uma dieta adequada rica em antioxidantes pode ajudar a nos manter saudáveis e mais jovem por mais tempo", explica Izaskun Astoreca Naverán, especialista em medicina estética e nutrição da Clínica Biolaser. A vitamina E é um antioxidante encontrado em alimentos como o abacate ou o azeite de oliva.

4. As bebidas açucaradas

A essa altura, todos sabemos que as bebidas açucaradas fazem mal à saúde. Até mesmo as adoçadas são alvo de polêmica. E o problema não é só o açúcar. As altas concentrações de cafeína podem afetar a qualidade do sonho, o que “é associado com o aumento dos sinais de envelhecimento intrínseco, a redução da função da barreira cutânea e a menor satisfação com a aparência”, conclui um estudo do Cleveland Medical Center, nos Estados Unidos.

O substituto: a água. Quando foi que a essência da nossa existência deixou de ser popular? Se você acha sem graça beber só água, experimente colocar rodelas de limão — o que, embora não emagreça de forma comprovada, dá um belo toque de sabor.

5. Batatas fritas

Nem artesanais, nem ecológicas, nem feitas em casa. As batatas fritas também contêm produtos finais da glicação avançada (AGE), embora “o principal motivo para evitar seu consumo não seja tanto o acúmulo desses compostos, mas o próprio fato de comer batata frita, já que ela tem uma baixa qualidade nutricional e um alto teor de energia”, afirma Ursúa. Esse tipo de alimento é vinculado com o excesso de formação de radicais livres, que encurtam a vida e envelhecem a pele de forma prematura.

O substituto: a batata doce. É um alimento rico em vitamina C que ajuda a atrasar o aparecimento de rugas, segundo uma pesquisa publicada na revista The American Journal of Clinical Nutrition. Mas tampouco vale à pena se empanturrar. Como diz Ursúa, “não adianta nada trocar batata frita por batata doce para evitar as AGEs se depois passamos o dia todo no sofá.”

6. As carnes processadas

A Organização Mundial da Saúde é clara: carnes processadas não são boas para a saúde. Entre outras coisas, elas contêm aditivos associados com inflamações e que podem danificar o colágeno da pele (o que acentua as rugas e marcas de expressão). Também é bom prestar atenção no modo de preparo: “Não devemos abusar de torradas, frituras e alimentos preparados na brasa”, diz Ursúa, lembrando que cozinhar alimentos em altas temperaturas ou queimá-los pode produzir compostos prejudiciais à saúde, como a acrilamida.

O substituto: o tofu. Ursúa recomenda como alternativa “uma alimentação com base em produtos vegetais”. Bagazgoitia concorda e aconselha o consumo de “frutas e verduras ricas em antioxidantes”. Se você quer proteínas, também há opções. “Os legumes contêm esse nutriente”, afirma Naverán. Outra boa pedida é o tofu, que — segundo os estudos — tem propriedades anti-inflamatórias. E se os pratos vegetarianos não são a sua praia, os especialistas recomendam frango ou peru. Mas atenção: nem tudo que é vendido com esses nomes é saudável, como já contamos em BUENAVIDA.

7. As barrinhas de chocolate

Esses tabletes contêm um cacau altamente processado, que perdeu a maioria de seus componentes benéficos para a saúde, como os flavonoides (antioxidantes naturais). Como se não bastasse, contêm gordura hidrogenada, farinha de baixa qualidade (quando há biscoito no meio) e açúcares. Um coquetel explosivo.

O substituto: o cacau puro. Ou quase. É a única forma de curtir esse manjar de maneira saudável. Como já contamos em BUENAVIDA, a barra deve ter ao menos 70% de cacau para conservar todos os seus nutrientes.

8. O sal

A estrela dos condimentos, com o qual temos uma relação apaixonada demais (o brasileiro consome mais que o dobro da quantidade recomendada, de 5 gramas por dia), poderia ser a causa de lesões cutâneas produzidas pela dermatite atópica, segundo uma pesquisa alemã publicada na revista Science. As conclusões mostram que o cloreto de sódio poderia promover as respostas alérgicas da pele, como é o caso da dermatite. Além disso, especialistas da Harvard Medical School advertem que esse elemento também desidrata e resseca nossa pele.

O substituto: o orégano e outras ervas. A solução para o vício em comida salgada passa por uma inevitável mudança de chip. Os pesquisadores recomendam substituir aos poucos o sal por condimentos e especiarias que realcem o sabor dos pratos. “Entre os condimentos que costumamos usar para cozinhar, alguns são muito ricos em flavonoides, como o orégano e o tomilho”, conclui Naverán.

MAIS INFORMAÇÕES