Seleccione Edição
Login

Dois sobreviventes do massacre de Parkland se suicidam na mesma semana

Comunidade escolar da Flórida, nos EUA, pede mais recursos para programas de saúde mental

Alunos da escola de Parkland são escoltados por um soldado em fevereiro de 2018.
Alunos da escola de Parkland são escoltados por um soldado em fevereiro de 2018. AFP

Há dias circula no Twitter a hashtag #17plus2 (17 mais dois). Ela faz referência às 17 vítimas fatais do tiroteio na escola secundária de Parkland, na Flórida, em fevereiro de 2018, e acrescenta dois sobreviventes do massacre que tiraram a própria vida durante a última semana. O suicídio dos jovens marcou o primeiro aniversário da Marcha por Nossas Vidas, uma manifestação maciça liderada por alunos da escola secundária Stoneman Douglas para exigir maior controle de armas. As duas recentes perdas abalaram novamente a comunidade, que exige mais recursos para programas de saúde mental que ajudem os afetados por um dos tiroteios mais sangrentos da história recente dos Estados Unidos a lidar com o trauma.

Sydney Aiello, de 19 anos, suicidou-se em 17 de março. Há pouco mais de um ano, sua amiga Meadow Pollack foi assassinada na escola naquele fatídico 14 de fevereiro. Segundo sua mãe, Aiello sofria de “culpa do sobrevivente”. Uma síndrome que afeta algumas pessoas que conseguiram sobreviver a um evento traumático em que outros morreram. Além disso, ela havia sido diagnosticada com estresse pós-traumático. A identidade do segundo jovem não foi revelada, bem como as circunstâncias do “aparente suicídio”, como a polícia o chamou. As autoridades pediram para não tirar conclusões.

“Parem de dizer ‘você vai superar isso’. Você não supera algo que nunca deveria ter acontecido”, escreveu em sua conta no Twitter o ex-aluno de Parkland e ativista David Hogg. “O trauma e a perda não desaparecem, mas é preciso aprender a viver com isso através de programas de apoio”, acrescentou. Hogg, uma das vozes mais reconhecidas depois do massacre, propôs que todo o dinheiro que se pretende investir para armar os professores nas escolas — uma ideia apoiada pelo presidente Donald Trump — deveria ser destinado a cuidar da saúde mental dos alunos, “algo que realmente salvará vidas”.

Funcionários da administração local de Parkland e membros da comunidade escolar se reuniram no último domingo, motivados pelos tristes acontecimentos. O objetivo do encontro foi melhorar os serviços de apoio destinados aos jovens e fomentar as relações entre pais e filhos. A prefeita de Parkland, Christine Hunschofsky, disse que em breve a comunidade receberá exemplares do Protocolo de Columbia, um manual criado para prevenir o suicídio, que consiste em um questionário com seis perguntas. Como muitas vezes a dor dos afetados não é vista, as respostas a essas perguntas devem permitir determinar se a pessoa está em risco. O grupo também decidiu adiantar a abertura de um centro de bem-estar e apoio que estaria disponível para os membros da escola de Parkland.

O luto se estendeu na segunda-feira, quando se soube do aparente suicídio do pai de uma das vítimas do massacre da escola Sandy Hook, em que 28 pessoas morreram em 2012. Sua filha de seis anos fazia parte das 20 crianças assassinadas naquela manhã. O corpo de Jeremy Richman, de 49 anos, foi encontrado por volta das 7 da manhã em Newtown, Connecticut (8h em Brasília). Ryan Petty, pai de uma jovem vítima de Parkland, disse à agência AFP que Richman tinha visitado os afetados pelo tiroteio em sua cidade uma semana antes. “Ele esteve aqui em Parkland na semana passada, veio se reunir com algumas das famílias para ajudar”, disse Petty, que também perdeu uma filha no tiroteio. “É devastador saber que [Richman] estava sofrendo”, acrescentou.

No meio de uma série de tragédias, Jared Moskowitz, diretor de gestão de emergências da Flórida, fez um chamado às autoridades para que aprovem mais recursos destinados a resolver as crises psicológicas. “A saúde mental é um assunto bipartidário”, reivindicou no Twitter.

MAIS INFORMAÇÕES