Tribuna
São da responsabilidade do editor e transmitem a visão do diário sobre assuntos atuais – tanto nacionais como internacionais

Partidos políticos fortes: proteção contra os extremismos?

O sistema partidário brasileiro vinha se fortalecendo desde 1994, mas a aparente solidez não foi capaz de dar garantias contra o avanço das forças radicais

O Governo dos amadores radicais dá seus primeiros passos, ainda cambaleantes, e cada vez mais amparados no andador institucional representado pela facção militar do gabinete. Principalmente em seus núcleos mais ideológicos, e incluindo o clã presidencial, o Governo Bolsonaro é a tradução de clichês de redes sociais em políticas públicas. Parafraseando a ministra da goiabeira, uma nova era realmente começou: a era da ignorância-ostentação, em que práticas de gestão pública, a pesquisa científica, ou qualquer outra forma de elaboração intelectual são orgulhosamente substituídas pela verdade incontestável proveniente do senso comum (“todo mundo sabe que no Brasil é assim”), de algum livro sagrado, ou de um pensador obscuro do submundo da internet. Há muitos direitos e poucos deveres no país, cidadãos de bem têm o direito de se armar, o Estado brasileiro é inchado e muito menos eficiente do que a iniciativa privada, nossas crianças recebem na escola o bê-á-bá apostilado do sexo livre, o Brasil seria rico se não houvesse corrupção, é mais difícil ser patrão do que empregado, os índios usam relógio de pulso e querem ser integrados: a lista de bobagens poderia seguir por muitas linhas

Como escreveu brilhantemente Eliane Brum em texto sobre o bolsonarismo no EL PAÍS (O homem mediano assume o poder), é como se aquele tio desagradável e folcloricamente reacionário do almoço de domingo fosse alçado ao Palácio do Planalto. Em pauta, o sonho de retorno a um passado idílico em que as minorias conheciam seu devido lugar, professor descia a palmatória para criar verdadeiros cidadãos, não havia as divisões criadas pelo PT e que geram cizânia no seio da nação, e podia se contar com uma empregada doméstica muito mal remunerada – o que nunca foi problema, afinal “ela era praticamente da família”.

Mais informações

Um sistema partidário forte poderia ter impedido a ascensão de extremistas e aventureiros ao comando de um país democrático? A resposta provável é não. A ascensão de forças de extrema direita, com um discurso anti-establishment, ocorre na esteira de um mal-estar generalizado em relação ao funcionamento da democracia representativa, que afeta até mesmo países com elevado nível de desenvolvimento e qualidade de vida. Além disso, a reação ao multiculturalismo e às políticas de afirmação e proteção de minorias, crises econômicas, transformações no mundo do trabalho, e a ativação do nacionalismo são outros componentes mobilizados em maior ou menor dose na cesta retórica de líderes como Matteo Salvini, Geert Wilders ou Jair Bolsonaro.

E o que os partidos têm a ver com isso? Pode parecer à primeira vista que os partidos tradicionais são derrubados porque são frágeis; e porque são incapazes de responderem aos anseios populares. A segunda parte pode até ser verdadeira: como certas demandas não são canalizadas pelos partidos estabelecidos, abre-se o caminho para que novas forças entrem no sistema. Mas a primeira parte carece de sustentação empírica. Um sistema partidário forte pode até servir de combustível à onda anti-establishment, principalmente quando a opinião pública nota sinais de cartelização entre governo e oposição, e a polarização ideológica atinge níveis que não são mais absorvidos pelos partidos tradicionais.

É preciso definir aqui o que é um sistema partidário forte. A partir dos anos 90, diversos trabalhos do cientista político Scott Mainwaring disseminaram a ideia de que um sistema partidário é institucionalizado quando possui estabilidade nos padrões de competição entre uma eleição e outra, e quando seus partidos contam com raízes na sociedade, legitimidade pública, e organizações sólidas. Sob essa régua, o sistema partidário brasileiro sempre foi caracterizado como extremamente frágil. Na mesma época, no entanto, o cientista político irlandês Peter Mair propunha uma régua menos exigente, enfatizando os padrões de competição e interação entre os partidos na disputa pelo governo de um país. Um sistema partidário fechado (forte) seria aquele em que o acesso ao governo é restrito a um grupo conhecido e pequeno de partidos (ou blocos), com arranjos previsíveis em termos das coalizões de governo.

Sob essa ótica, o sistema partidário brasileiro vinha se fortalecendo desde 1994, graças à estabilidade dos principais atores (sem novos partidos relevantes no horizonte) e ao papel vertebrante desempenhado pela polarização entre PT e PSDB nas eleições presidenciais. Aos poucos, o sistema se tornava mais previsível, fechado e consolidado. Esse sistema foi um dos alvos das manifestações que explodiram a partir de 2013, em uma crescente do tipo ¡que se vayan todos! A solidez de um sistema partidário não fornece, portanto, garantias absolutas contra o avanço de forças radicais; e pode, inclusive, produzir combustível para reações anti-establishment.

Raciocínio semelhante se aplica quando analisamos a força organizacional dos partidos. A visão corrente aponta para a fragilidade crônica das organizações brasileiras, que seriam ficções legais desprovidas de recursos ou atividades fora dos períodos eleitorais. Em ciência, no entanto, propriedades de força precisam de um referente; os partidos são frágeis comparados ao quê? Em trabalho apresentado no congresso anual da American Political Science Association em 2017 (coautoria com o colega Luís Locatelli, da FGV/SP), comparamos as organizações de 132 partidos em 22 democracias, utilizando dados sobre a capacidade financeira e a disponibilidade de recursos humanos das legendas. O Brasil ficou em 16° lugar no ranking (que inclui sobretudo democracias tradicionais), à frente de países como Canadá e Holanda. No ranking de força organizacional dos 132 partidos, MDB (34°), PT (39°) e PSDB (49°) foram as legendas brasileiras mais bem colocadas. Se os principais partidos do Brasil não são tão fortes quanto seus congêneres na Noruega, tampouco são excepcionalmente frágeis.

Partidos fortes tendem a produzir mais previsibilidade e estabilidade nas eleições, na formação de governos, no processo legislativo e no policy-making. Servem também como filtros no recrutamento de quadros para as esferas de governo, ajudando a conter a ascensão de extremistas (vale lembrar a escolha oferecida aos radicais do PT há alguns anos: moderação ou expurgo). No entanto, quando se tornam muito fortes e enrijecidos, os partidos podem produzir o efeito oposto: sentimentos anti-partido e anti-política. Em ambos os casos – sistemas fortes e partidos fortes –, a curva de profilaxia anti-extremismo parece funcionar até certo limiar de fortalecimento; a partir daí a força pode se converter em ossificação e dificuldade de adaptação.

Essa é uma caracterização propositadamente simplista, que desconsidera o impacto de escândalos de corrupção, crises econômicas, atuação dos meios de comunicação e do judiciário etc. Mas a revitalização da democracia, e não só no Brasil, passa por compreender essa dissonância entre partidos e modos de participação. Os partidos políticos são construções institucionais da passagem do século dezenove para o vinte, que pouco se adaptaram aos novos tempos. No Brasil, questões relativas à democracia intrapartidária têm sido ignoradas nos projetos de reforma política. Por que não incentivar mecanismos mais democráticos para decidir sobre a destinação dos recursos públicos no interior dos partidos? Ou sobre os processos de seleção de candidatos e de dirigentes internos? Não se trata aqui de promover a reedição da Lei Orgânica dos Partidos Políticos de 1971 (lei 5.682), que determinava, em detalhes bizantinos (como o horário de início e fim das convenções), todos os órgãos e procedimentos de funcionamento das legendas. Respeitando-se a autonomia organizacional conferida pelo artigo 17 da Constituição, trata-se de oferecer incentivos institucionais para a oxigenação dos partidos – como bônus de recursos públicos, por exemplo, para legendas que atraiam uma grande quantidade de pequenas doações individuais nas campanhas, ou que promovam processos internos mais democráticos e inclusivos. Partidos fortes e sistemas consolidados não são suficientes para conter extremismos; mas sem eles, deixa-se a democracia à mercê de líderes demagogos, e sujeita a abalos ao menor ataque dos extremistas.

Pedro Floriano Ribeiro é professor de ciência política na Universidade Federal de São Carlos. Ocupou a Cátedra Celso Furtado na Universidade de Cambridge (Inglaterra) e foi Fulbright Visiting Professor no Kellogg Institute, da Universidade de Notre Dame (EUA).

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: