Massacre em Escola de Suzano

Dois ex-alunos invadem escola e matam oito pessoas em Suzano

Atentado à Escola Estadual Raul Brasil deixou 10 mortos, incluindo os dois atiradores

Mais informações

Dois jovens invadiram na manhã desta quarta-feira a Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano, na Grande São Paulo, e atiraram contra os presentes, matando sete pessoas no local —uma oitava vítima foi morta antes do ataque. O massacre de Suzano deixou um total de dez mortos: cinco estudantes, a coordenadora pedagógica da instituição, a inspetora da escola e o tio de Guilherme, que era dono de uma locadora de veículos e foi morto antes do atentado à instituição de ensino público.

Os dois assassinos foram identificados como Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, Luiz Henrique de Castro, de 25 anos, e eram ex-alunos da escola. De acordo com a Polícia Civil, Guilherme matou com um tiro Luiz Henrique e depois se matou, totalizando dez mortos no massacre.

O crime chocou o país e é um dos mais letais da história do Brasil. Os autores do massacre usaram um revolver calibre 38, um arco e flecha, uma besta (artefato que dispara flechas), e ao menos um machadinho. Onze estudantes ficaram feridos, um deles em estado grave, e foram hospitalizados. Os corpos das oito vítimas serão enterrados entre esta quinta-feira, após velório coletivo, e a sexta.

As vítimas são: cinco estudantes do ensino médio (Pablo Rodrigues, Cleiton Antônio Ribeiro, Caio Oliveira, Samuel Melquíades Silva de Oliveira e Douglas Celestino); duas funcionárias da escola (a coordenadora Marilena Vieira Umezo e a funcionária Eliana Regina de Oliveira Xavier); o dono da locadora de veículos onde eles roubaram o carro usado no crime (identificado como Jorge Antonio Morais).

Após visitar o local, o governador João Doria decretou luto oficial de três dias. O presidente Jair Bolsonaro lamentou a tragédia.