Coluna
i

Por que o papa Francisco ordenou a abertura dos arquivos secretos do Vaticano sobre o Holocausto judeu?

Se Francisco realmente conseguir lançar luz sem esconder documentos em tudo o que ainda está oculto sobre o Holocausto e a Igreja passará à história

O papa Francisco.
O papa Francisco.Yara Nardi (REUTERS)

No momento em que o papado de Francisco se vê envolvido em um dos maiores escândalos da Igreja pela dimensão imponente dos escândalos de pedofilia, ele acaba de anunciar a abertura total dos arquivos secretos vaticanos sobre o pontificado de Pio XII, o papa tantas vezes acusado de ter-se omitido na condenação do Holocausto judeu durante a Segunda Guerra Mundial.

Mais informações

Parte desses arquivos já foi publicada, mas agora Francisco quer, para que não restem mais dúvidas, que se publique tudo o que se referir ao polêmico pontificado do papa Pacelli. E coloca data: em 2020. Ao dar a notícia o Papa afirmou que “a Igreja não teme a história, e sim a ama” e entregou aos historiadores “esse patrimônio documental”.

Francisco é, sem dúvida, o pontífice da Igreja que mais dialogou com o mundo judeu já que considera o judaísmo como o berço do cristianismo. Quando ainda era cardeal arcebispo de Buenos Aires, surpreendeu ao publicar o livro de conversas “Sobre o céu e a terra”, com o rabino Abraham Skorka, com quem sempre manteve relações de amizade.

Já Papa, seu amigo Skorka foi uma das primeiras pessoas recebidas no Vaticano com quem conversou longamente. E um dos assuntos daquela conversa em 2013 foi a possibilidade de abrir os arquivos secretos do Vaticano sobre o Holocausto.

Francisco é consciente de que em um momento em que a Igreja se vê encurralada pelos escândalos com seus padres, bispos e até cardeais, e assediado pela parte mais conservadora, sua decisão de entregar agora os segredos sobre o pontificado de Pio XII, o papa mais criticado pela Igreja progressista, pode significar uma nova provocação. Por isso, se preveniu em seu anúncio com uma espécie de jogo diplomático dando a entender que não tem medo porque está tranquilo que a lenda obscura sobre Pio XII poderia até ser esclarecida positivamente à Igreja.

De acordo com Francisco, falando já sobre o que poderiam conter os arquivos, ele afirma que as gestões de Pio XII sobre o nazismo poderiam ser vistas como tentativas, à época, “de manter acesa, nos períodos mais sombrios e mais cruéis, a chama das iniciativas humanas, da diplomacia oculta, mas ativa”. Uma absolvição antecipada do que podem revelar os arquivos? Certamente não. Francisco diz ao mesmo tempo aos historiadores que a pesquisa examinará o legado de Pio XII “com a crítica apropriada”.

A verdade é que um dos pedidos mais repetidos do mundo judeu ao papa Francisco foi, desde que chegou ao Pontificado, a abertura desses arquivos que seus antecessores foram concedendo a conta-gotas sem que se soubesse até agora se estavam ou não documentos ainda desconhecidos como a suposta carta de Hitler a Pio XII. É conhecido apenas um papel com a confirmação de recebimento da tal carta que nunca apareceu.

Uma vez, em Roma, o à época Chefe da espionagem militar do Governo italiano me disse, em uma entrevista, que o Vaticano possui os melhores serviços secretos do mundo, já que conta com uma rede de informação capilar em todos os continentes nos quais opera a Igreja Católica. E é verdade que o Vaticano também é possuidor de segredos únicos que não estão em nenhum outro arquivo do mundo.

Se Francisco realmente conseguir lançar luz sem esconder documentos em tudo o que ainda está oculto nos arquivos vaticanos sobre o Holocausto e a Igreja passará à história. Ele às vezes é acusado de ser político e de esquerda. É na verdade um seguidor do primeiro cristianismo que certamente não foi retrógrado.

Nesse momento histórico de recrudescimento das tentações nazistas com a profanação gratuita dos túmulos de judeus na França e a multiplicação de Governos e partidos com nostalgias de novos Holocaustos, o gesto, que eu chamaria de profético, de tirar a poeira dos segredos vaticanos sobre o Holocausto é o melhor ato de resistência do papa Francisco à nova barbárie que começa a ameaçar o mundo.