Seleccione Edição
Login

Argentina registra em 2018 inflação de 47,6%, a mais alta em 27 anos

Governo de Mauricio Macri prevê aumento do IPC de 23% em 2019

O presidente argentino, Mauricio Macri, em uma fotografia de arquivo.
O presidente argentino, Mauricio Macri, em uma fotografia de arquivo.

Os preços na Argentina subiram 2,6% em dezembro. Isso situa a inflação anual de 2018 em 47,6%, a maior desde 1991, e lança uma grande sombra de dúvida sobre a capacidade do Governo de cumprir sua meta de inflação de 23% em 2019. No momento, os preços são a variável mais fora do controle no quadro macroeconômico.

Durante a campanha eleitoral que o levou à presidência, no final de 2015, Mauricio Macri afirmou que a inflação era a prova da incapacidade dos governantes de um país. Ele se referia aos aumentos de preços que caracterizaram o fim do mandato de Cristina Kirchner, maquiados na contabilidade nacional, mas evidentes na rua. Macri herdou uma inflação de pouco mais de 20% ao ano. Em 2016 não houve dados oficiais, por causa da chamada "emergência estatística". Em 2017, subiu para 24,8%. E em 2018 estourou, acompanhada de uma crise cambial em relação ao dólar e um déficit comercial que o obrigaram a pedir ajuda ao Fundo Monetário Internacional (FMI).

Argentina e Venezuela, um caso extremo, são os únicos países latino-americanos com os preços fora de controle. Para a Argentina, trata-se de um problema crônico desde 1945, quando as melhorias sociais do peronismo foram financiadas com a impressão de cédulas. Nas décadas seguintes, com exceções ocasionais (como a paridade do peso com o dólar definida por Carlos Menem, que provocou deflação e terminou em colapso econômico), o déficit fiscal levou os Governos a recorrerem regularmente às gráficas do Banco Central. Os preços seguiram quase continuamente para cima e o peso, para baixo.

O que aconteceu em 2018? Primeiro, o Governo Macri abrandou sua meta de inflação para o ano, de 12% para 15%, em nome de sua política de "ajustes graduais". Isso foi considerado um mau sinal pelos investidores, que correram para trocar pesos por dólares. Muitos cidadãos fizeram o mesmo. A desvalorização deu asas à inflação. A dívida externa do Estado voltava a ser perigosamente alta (agora se aproximando de 80% do PIB, o dobro de quando Macri assumiu o cargo), o déficit comercial se tornou galopante e, em maio, com os mercados financeiros internacionais fechados às demandas da Argentina, não houve remédio a não ser recorrer ao FMI e aplicar um ajuste recessivo. Em setembro, foi necessário obter do FMI um aumento no empréstimo, de 50 bilhões de dólares (186 bilhões de reais) para 57 bilhões (213 bilhões de reais), e um período mais curto nos desembolsos.

A partir desse momento, o Banco Central aplicou uma política de juros altíssimos, de até 70%, e empreendeu a retirada de pesos do mercado, a fim de deter a crise cambial. Esse objetivo, no momento, parece ter sido alcançado: o dólar permanece em torno de 37 pesos. A consequência é a recessão. Estima-se que em 2018 a economia tenha se contraído em 2,5% e, se tudo correr bem, em 2019 sofrerá uma nova contração, um pouco mais leve, de 2%.

Agora, a grande questão é se Mauricio Macri será capaz de manter um ajuste tão duro no ano em que disputa a reeleição. Os salários sofreram uma perda de poder de compra próxima a 10%, a mais séria desde o colapso de 2002, e pode-se supor que os sindicatos pressionarão o máximo possível para conseguir um reajuste compatível com a inflação. Macri resistirá à pressão? O FMI exige que o faça. Um aumento salarial generalizado melhoraria as condições de vida dos argentinos (um terço vive na pobreza), mas provavelmente daria novo impulso à inflação e provocaria novas desvalorizações e o retorno ao ponto inicial da atual crise.

O próprio FMI e analistas privados indicam que, se a Argentina cumprir as condições impostas com o empréstimo de setembro, os cidadãos terão que esperar até 2024 para recuperar os níveis de bem-estar (medidos em consumo privado) de 2017. Ou seja, só no final do mandato do próximo presidente, seja Macri ou outro, os supostos benefícios do ajuste atual começariam a ser sentidos.

MAIS INFORMAÇÕES