Argentina no fundo do poço, outra vez

Argentina pede ajuda ao FMI para sair da crise, mas os compromissos assumidos podem agravar ainda mais a situação

O presidente Mauricio Macri quinta-feira na Casa Rosada, depois de comentar o aumento do índice de pobreza registrado no primeiro semestre do ano.
O presidente Mauricio Macri quinta-feira na Casa Rosada, depois de comentar o aumento do índice de pobreza registrado no primeiro semestre do ano.Natacha Pisarenko (AP)

Mais informações

Depois chegar ao fundo do poço, se supõe que não se pode piorar. Mas há exceções. A Argentina, por exemplo, pediu ajuda ao Fundo Monetário Internacional em junho. Aquela solução definitiva durou três meses. Agora voltou a pedir ajuda e está diante de uma perspectiva desalentadora: o resgate concedido pelo FMI implica em agravar a recessão e suportar uma duríssima purgação, a enésima, com a maior dívida de sua história. O paradoxo é que com este sacrifício supostamente final, o presidente Mauricio Macri espera ser reeleito no ano que vem.

Nada é impossível em um país tão excessivo quanto a Argentina. Macri chegou à presidência com a promessa de colocar ordem nas contas públicas e encaminhá-las para um crescimento mais ou menos sustentado. No terceiro ano de mandato, seu Governo registra uma inflação anual de mais de 40%, uma brutal desvalorização do peso em relação ao dólar e uma queda na produção próxima de 2,4%. De acordo com estimativas oficiais, 27 em cada 100 cidadãos vivem na pobreza e, com o novo ajuste, que implica reduzir a zero o déficit orçamentário, o drama aumentará nos próximos meses. O saldo é muito ruim. Mas isso pode ser relativizado. De acordo com o ministro da Fazenda, Nicolás Dujovne, o auxílio concedido pelo FMI “clareia o panorama” e mostra que “os grandes países do mundo” apoiam a gestão governamental.

O termômetro é sempre o dólar. Macri contou com um professor de Harvard, Federico Sturzenegger (secretário de Política Econômica antes da catástrofe financeira de 2001), como presidente do Banco Central, com a missão de controlar a inflação e manter a moeda estável. Sturzenegger ocupou o cargo de 2015 até junho deste ano, quando renunciou e assumiu o fracasso: o dólar havia passado de 18 a 28 pesos. Chegou ao Banco Central um reputado financista, Luis Caputo, “o Messi dos mercados de câmbio”, que se foi batendo a porta na terça-feira, exatamente quando Macri negociava com o FMI e com o país em greve geral: em três meses, o dólar havia atingido a marca de 39 pesos. O novo presidente, Guido Sandleris, admite que o Banco Central fez coisas erradas e promete uma política monetária restritiva (retirando pesos do mercado) para conter a desvalorização e o aumento dos preços. Em seu primeiro dia no cargo, ontem, o dólar superou os 40 pesos.

A situação argentina (recessão combinada com inflação alta) é muito semelhante à dos Estados Unidos e da Europa Ocidental nos anos setenta, quando o consenso socialdemocrata vigente desde 1945 afundou. Na época foram aplicadas, com resultados discutíveis, as fórmulas do economista ultraliberal Milton Friedman, baseadas em impedir a todo custo o crescimento da massa monetária. É o que Sandleris propõe. A Argentina joga tudo literalmente com a aposta monetarista. Porque o que quer evitar com o recurso ao Fundo Monetário é repetir a suspensão de pagamentos de 2001. Mas os 57,1 bilhões de dólares emprestados pelo FMI devem ser devolvidos em dólares, obviamente. E se o peso continuar caindo, a dívida será cada vez mais alta e pode se tornar impagável.

Por enquanto, o país conseguiu uma trégua. Há dólares para pagar a dívida externa até 2020. Essa falta de preocupação joga a favor de Macri e de seus planos de manter a presidência. Guido Sandleris diz que se a desvalorização da moeda continuar e o dólar chegar a 44 pesos, fortalecerá a divisa argentina com vendas de dólares à razão de 150 milhões por dia: isso é o máximo que o FMI permite, para que a Argentina não gaste o empréstimo na manutenção artificial da cotação do peso. O problema é que, para os mercados financeiros, 150 milhões de dólares por dia é uma ninharia. Portanto, a única possibilidade real de salvação é que tanto os próprios argentinos quanto os investidores internacionais tenham fé e decidam que desta vez, ao contrário das anteriores, as coisas sairão bem.

Na semana passada, uma jovem vestida de modo muito modesto foi a uma casa de câmbio para trocar um maço de pesos em notas de pequeno valor por algumas notas de um dólar. Ela preferiu ter suas magras economias em moeda norte-americana. Esta jovem vai mudar de ideia? Isso ainda está por ver.