Verne

Os meninos não se vestiram sempre de azul, nem as meninas de rosa

No início do século XX se recomendava o rosa para os meninos, por ser “mais resoluto e mais forte”

Partidários de Bolsonaro em São Paulo exibem uma camiseta rosa com o rosto do presidente, em uma foto de setembro.
Partidários de Bolsonaro em São Paulo exibem uma camiseta rosa com o rosto do presidente, em uma foto de setembro.Nur Photo / Getty Images

MAIS INFORMAÇÕES

“É uma nova era no Brasil. Menino veste azul e menina veste rosa.” Estas foram as palavras de Damares Alves após assumir o cargo de ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos. Posteriormente, matizou essas declarações: “Fiz uma metáfora contra a ideologia de gênero, mas os meninos e as meninas podem vestir azul, rosa, colorido, enfim, da forma que se sentirem melhores”.

Mesmo assim, essa distinção pode parecer natural e habitual para muita gente, embora na verdade não seja nada mais do que uma convenção arbitrária e relativamente recente: os meninos não se vestiram sempre de azul, e as meninas não se vestiram sempre de rosa.

Como já informamos nesta seção, a historiadora Jo B. Paoletti escreve em seu livro Pink and Blue: Telling the Girls From the Boys in America que nos Estados Unidos não se usavam tons pastel para os bebês até a Primeira Guerra Mundial: antes se optava simplesmente pelo branco.

Ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos

Quase 6 milhões de crianças sem pai no registro, quinta maior taxa de feminicídio no mundo, mais de 20 milhões de mulheres criando filho sozinhas, violência doméstica, adultério, pai sem pagar pensão, criança morando na rua, e a ministra preocupada que menino tem que vestir azul e menina rosa.

Gepostet von Quebrando o Tabu am Donnerstag, 3. Januar 2019

Nas classes altas, aí sim, era mais habitual o uso de cores pastel antes do século XX, mas meninos e meninas usavam de forma indistinta rosa, azul e outras cores, como explica Valerie Steel, diretora do Museu do Instituto da Moda de Nova York, em um artigo na CNN.

No primeiro terço do século XX, muitos fabricantes e vendedores de roupa infantil tentaram estabelecer diferenças de cor com o objetivo de aumentar as vendas, mas não havia consenso na hora de optar por uma ou outra.

Por exemplo, a revista Ladies’ Home Journal recomendava em 1918 o rosa para os meninos, por ser “mais resoluto e forte”, como assinala o jornal The Guardian. Já as meninas deveriam se vestir de azul, “mais delicado e amável”. Em 1927, a Time publicou um quadro que detalhava qual era a oferta preferencial de cores em lojas de departamentos norte-americanas, como lembra Paoletti. Essa tabela reflete que o critério ainda não estava claro, mas 60% das lojas de departamentos preferiam o rosa para os meninos. Devemos levar em conta que o rosa era associado ao vermelho, a cor do sangue e do vigor.

Em Manhattan, a coisa não estava muito clara... Revista ‘Time’
Em Manhattan, a coisa não estava muito clara... Revista ‘Time’Revista Time

Os tons pastel (tanto azul quanto rosa) também se popularizaram entre os bebês europeus, frequentemente sem distinção. E quando havia diferenciação, tampouco se seguia sempre o critério atual. Os orfanatos franceses utilizavam o azul para os meninos e o rosa para as meninas, mas na Bélgica, Suíça e parte da Alemanha era o contrário. De fato, Eva Heller explica em seu livro A Psicologia das Cores que na Alemanha essa distinção que agora nos parece habitual não existia até os anos 20, e só se generalizou a partir dos anos 70.

A partir dos anos 80, o rosa se impôs definitivamente na paleta de cores em milhares de produtos para meninas, deslocando outras opções. A tal ponto que, segundo Paoletti, no que se refere a esta questão, há muito mais diferenciação por sexos agora do que décadas atrás.

Detalhe de ‘A Coroação da Virgem’, de Velázquez (Museu do Prado). A Virgem veste manto azul e túnica vermelha, opção comum ao longo da história da arte, por serem pigmentos muito estáveis, embora caros
Detalhe de ‘A Coroação da Virgem’, de Velázquez (Museu do Prado). A Virgem veste manto azul e túnica vermelha, opção comum ao longo da história da arte, por serem pigmentos muito estáveis, embora caros

Não há uma “biologia do rosa”

Não há raízes ancestrais que justifiquem que os meninos devam usar azul e as meninas, rosa. De fato, as crianças de menos de dois anos preferem cores intensas, como vermelho e azul, segundo a bióloga Anne Fausto-Sterling, e não cores suaves ou tons pastel.

Além disso, a cor favorita da maioria de pessoas (homens e mulheres) é o azul, como mostra uma pesquisa realizada em dez países pela empresa de opinião pública britânica YouGov, na qual o rosa custa a aparecer entre as cinco opções favoritas. O azul também é o favorito das mulheres (embora com menos vantagem do que para os homens). Depois vêm o verde ou o vermelho. Estes dados coincidem com os publicados por Eva Heller em seu livro, que explica que, em geral, as preferências de cores entre homens e mulheres são similares.

Também é preciso ter em mente que as convenções sobre os significados de cada cor são em grande medida arbitrárias e, além disso, mudam com o tempo. Assim, o vermelho costuma ser identificado com a vida, a saúde, o vigor, por ser a cor do sangue. No entanto, muitas vezes a conotação da cor não tem relação com nenhum paralelismo: o roxo se associa à nobreza e aos reis simplesmente porque era caro conseguir esse corante.

Esses significados também podem variar dependendo da cultura em que estivermos. Em inglês, yellow significa amarelo e covarde (Judas era vestido em muitos quadros com essa cor), mas essa cor também é associada ao sol e, portanto, à felicidade e à nobreza (como no Egito e na China). E, é claro, existem as modas: o rosa foi muito usado durante o Rococó, como se pode ver no retrato de Luís XVI pintado por Nicolas-André Monsiau. E isso sem falar que ao longo da história (e dependendo do lugar) os homens usaram vestido, saia, meia-calça, peruca, maquiagem e salto alto.

De qualquer forma, e apesar do que qualquer ministra diga, hoje em dia podemos comprar e usar roupas da cor que quisermos. Só faltava nos sentirmos culpados pela cor de uma camiseta.

‘Luís XVI [de rosa] dando instruções a La Pérouse’, de Nicolas-André Monsiau (1785)
‘Luís XVI [de rosa] dando instruções a La Pérouse’, de Nicolas-André Monsiau (1785)