Seleccione Edição
Login

Ernesto Araújo estreia ‘olavismo’ no Itamaraty e dedica pouco espaço à pauta comercial

Novo chanceler do Brasil faz discurso de ruptura com tradição multilateral da diplomacia do país e frustra quem esperava tom moderado ou menos ideológico depois da posse

Ernesto Araújo, durante conferência de imprensa com o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo.
Ernesto Araújo, durante conferência de imprensa com o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo. REUTERS

Entre as várias cerimônias de transmissão de cargo que ocorreram nesta quarta-feira, certamente foi a do Itamaraty que deixou mais patente a ruptura entre as visões de mundo do ministro que sai do cargo e novo titular da pasta. Durante 30 minutos, o senador Aloysio Nunes (PSDB), que esteve à frente da diplomacia brasileira nos últimos dois anos, fez um discurso defendendo que o país mantenha o multilateralismo e o pragmatismo como diretrizes da política externa brasileira. Quando chegou a vez de o novo chanceler falar, Ernesto Henrique Fraga Araújo precisou de tempo semelhante para confirmar que, ao menos na retórica, promoverá um giro ideológico sem precedentes.

Araújo disparou críticas à ordem global vigente e ao que chamou de globalismo; valeu-se de citações em grego, latim e tupi; mencionou de São João a Olavo de Carvalho e rasgou loas aos governos populistas de direita nos Estados Unidos, Israel, Itália, Hungria e Polônia. E reafirmou a promessa de alinhar o ministério das Relações Exteriores aos anseios da população que votou em Jair Bolsonaro. "Deixamos de olhar no espelho e vamos sair à rua para ver o povo brasileiro. Somos parte do povo brasileiro", disse.

Em seu pronunciamento houve pouco espaço para questões econômicas e para a pauta dos exportadores brasileiros. Um exemplo foi quando prometeu reaproximar o Itamaraty do setor produtivo nacional. Preferiu centrar fogo no que considera os males do globalismo. "Aqueles que dizem que não existem homens e mulheres são os mesmo que pregam que os países não têm direito a guardar suas fronteiras, os mesmo que propagam que um feto humano é um amontado de células descartável. Os mesmos que dizem que a espécie humana é uma doença que deveria desaparece para salvar o planeta", disse.

"O presidente Bolsonaro está libertando o Brasil por meio da verdade. Nós vamos também libertar a política externa e libertar o Itamaraty como o presidente Bolsonaro prometeu que faríamos em seu discurso de vitória", declarou Araújo, no que foi certamente o momento mais constrangedor da cerimônia. Nesse ponto, apenas uma pequena parte das dezenas de diplomatas, políticos e embaixadores presentes aplaudiu efusivamente o novo chanceler. O restante dos que acompanhavam o ato na sala de recepções do Palácio do Itamaraty se manteve em silêncio.

Dentro de uma instituição centenária, caracterizada por um senso de hierarquia e que construiu sua reputação internacional calcada nas negociações multilaterais, a chegada de Ernesto Araújo é encarada por muitos diplomatas com profunda desconfiança. Há também expectativa entre os parceiros do país e o menor número de delegações estrangeiras presentes na posse de Bolsonaro (46 contra 110 no caso de Dilma e 120 com Fernando Henrique Cardoso) foi considerado um sintoma inquietante. E, para quem esperava que o chanceler moderaria o tom uma vez empossado ministro, seu pronunciamento foi um balde de água fria. 

"Nós buscaremos as parcerias e as alianças que nos permitam chegar aonde queremos. Não pediremos permissão à ordem global [...] Defenderemos a liberdade e a vida, defenderemos o direito de cada povo de ser o que é, com liberdade e dignidade", afirmou Araújo. "Deveria preocuparmos cada vez mais a teofobia, o ódio contra Deus. Há uma teofobia horrenda e gritante na nossa cultura, não só no Brasil, em todo o mundo. Um ódio contra Deus que vem sabe-se lá de onde, canalizado por todos os códigos de pensamento e de não pensamento que perfazem a agenda global", acrescentou.

Com forte peso religioso, Ernesto Araújo alegou ainda que o Brasil deve mudar sua atuação em fóruns globais, como a Organização das Nações Unidas (ONU). "Vamos reorientar a atuação do Brasil em favor daquilo que é importante para os brasileiros, não do que é importante para as ONGs. Defenderemos a soberania, a liberdade; a liberdade de expressão, de crença; a liberdade na Internet, a liberdade política. Defenderemos o direito básico da humanidade, o principal dos quais talvez seja o direito de nascer", disse.

Repetindo o que escreveu recentemente num artigo para a revista conservadora norte-americana The New Criterion, Araújo afirmou que o filósofo Olavo de Carvalho, ícone da nova direita brasileira e guru intelectual de Bolsonaro, é um dos principais responsáveis "pela imensa transformação que o Brasil está vivendo."

MAIS INFORMAÇÕES