Movimento #MeToo
Coluna
Artigos de opinião escritos ao estilo de seu autor. Estes textos se devem basear em fatos verificados e devem ser respeitosos para com as pessoas, embora suas ações se possam criticar. Todos os artigos de opinião escritos por indivíduos exteriores à equipe do EL PAÍS devem apresentar, junto com o nome do autor (independentemente do seu maior ou menor reconhecimento), um rodapé indicando o seu cargo, título académico, filiação política (caso exista) e ocupação principal, ou a ocupação relacionada com o tópico em questão

Nem um passo atrás

É preciso levantar a voz para salvaguardar os direitos adquiridos e para avançar no sentido de outros, novos e necessários

Um grupo de mulheres durante a greve feminista de 8 de março.
Um grupo de mulheres durante a greve feminista de 8 de março.SANTI BURGOS
Mais informações

De um lado, o movimento #MeToo, com seu foco no assédio e na violência, deu um novo impulso ao debate global sobre o feminismo, graças, em boa medida, ao ambiente gerado pelas marchas das mulheres e a sua contestação à chegada de Donald Trump à Casa Branca. Sua repercussão se fez notar em quase todo o mundo. Vimos isso na Espanha, por exemplo, onde em 8 de março passado, também estimuladas pela sentença de La Manada, assistimos à primeira greve de mulheres em nosso país e a uma mobilização sem precedentes.

De outro, de braços dados com grupos ultraconservadores, em muitos casos de cunho religioso, mas não só, a igualdade de gênero se vê agora diante de novos freios e retrocessos.

Na América Latina, setores cristãos católicos e evangélicos lançaram uma cruzada contra o que denominam “ideologia de gênero”, que pretende, segundo eles, a homossexualização de meninos e meninas e a depravação. Muito ativos em países como Peru, Equador e Colômbia, esses grupos encontraram um porta-voz muito potente no presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro.

Na Arábia Saudita, enquanto de um lado era suspensa a proibição de mulheres dirigirem, de outro foram presos muitos ativistas que lutavam pelos direitos femininos. O mundo árabe, aliado ao fundamentalismo religioso, sofreu sérios retrocessos na última década.

Na Rússia, onde mais de 12.000 mulheres morrem por ano vítimas da violência doméstica, uma lei recente redefiniu o próprio conceito de violência: se o abuso não tem como resultado ossos quebrados e não é cometido mais de uma vez por ano, não está sujeito a penas de prisão. No máximo a uma multa de cerca de 500 euros.

Para não falar da liberal Europa, onde o primeiro-ministro húngaro Viktor Orbán oferece educação gratuita às mulheres, mas apenas se tiverem pelo menos três filhos; ou na Polônia, onde o Governo estimula as mulheres a “procriar como coelhos”; ou na Itália, onde está sendo elaborada uma lei que permite acusar as mulheres que denunciaram violência doméstica se seus maridos não forem condenados.

Como tantos outros aspectos que acreditávamos ter conquistado, não se pode baixar a guarda. Em cada sociedade, começando pela nossa, é preciso levantar a voz para salvaguardar os direitos adquiridos e para avançar para outros, novos e necessários. É preciso seguir batalhando, tanto de casa como de qualquer esfera pública, para mudar essas mentalidades que ainda pretendem limitar às mulheres, pelo simples fatos de serem mulheres, seu lugar no mundo. Este próximo ano de 2019 será outro ano crucial nesse sentido. Não se pode dar nem um passo atrás.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: